A Dupla Negativa no inglês

Para nós brasileiros quando dizemos “Eu não sei nada.” Fica claro que esta frase está em oposição à frase “Eu sei tudo”. Porém, quando traduzimos para o inglês não podemos dizer: “I don’t know nothing”, temos que dizer: “I don’t know anything”. Como vemos, a lógica da língua inglesa funciona diferentemente da língua portuguesa, quando em inglês negamos duas vezes, a segunda negativa anula a primeira, transformando a frase numa afirmativa. A regra, então, é clara, quando em inglês precisamos negar duas vezes e manter o sentido da negação usamos o “any”. Por exemplo:

Eu não vi nenhuma nuvem no céu. [ I didn’t see any clouds in the sky. ]

Aprenda inglês com as técnicas de quem já passou pelo processo. Experimente Grátis por 30 dias o Curso de Inglês do English Experts 3.0.

Se quisermos usar o “no” temos que construir a frase da seguinte forma: “I saw no clouds in the sky” , ou seja, usar apenas uma negação. Mais um exemplo?

Eu não como nenhuma fruta. [ I don’t eat any fruit. / I eat no fruit. ]

Com explicar então essas linhas da música “Another Brick in the Wall” do grupo Pink Floyd com duas negações?

We don’t need no education.
We don’t need no thought control.

(Nós não precisamos de nenhuma educação
Nós não precisamos de nenhum controle de pensamento)

Embora negativas duplas sejam consideradas uso gramatical incorreto elas são encontradas, por exemplo, no dialeto cockney falado em áreas do Leste Londrino. Mas vamos combinar que esse não é o melhor exemplo a ser seguido, certo? Nada como falar como manda o figurino, ou melhor, como manda a gramática.

See you next time!

Aprenda mais

Gostou desse artigo? Conheça o Curso de inglês English Experts e descubra como você pode turbinar o seu inglês.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

20.jpg

Mônica Bicalho

Mônica Bicalho é brasileira. Além de 20 anos de experiência em sala de aula é examinadora certificada da Universidade de Cambridge. Atualmente trabalha como supervisora pedagógica e professora do curso Meuinglês.

15 comentários

  • 16/04/09  
    Ronaldo diz: 1

    Então o mais correto seria:
    “We don’t need any education
    We don’t need any thought control”

    é isso ?

  • 16/04/09  
    Jonã diz: 2

    Tudo bem, entendi como se negar mas como assim: ” quando em inglês negamos duas vezes, a segunda negativa anula a primeira, transformando a frase numa afirmativa. ” ?

    Essa parte eu não entendi.

  • 16/04/09  
    Dario diz: 3

    Gostei dos textos, e vou visitar com mais frequencia este site.
    Parabens.

  • 16/04/09  
    Rakky diz: 4

    Em um artigo aqui do EE, vc dizia q “só conseguimos ver algo quando estamos preparados para ver”. Depois que eu assisti “The Wall”, li e escrevi sobre o filme e escutei as músicas tenho visto milhares de coisas que tudo isso junto não representava ainda pra mim… e a dupla negação, apesar de errada, é fantástica no contexto não é?

  • 17/04/09  
    Jonã diz: 5

    Vejam esse artigo do Prof. Denilso de Lima sobre o tema, está completissímo, aborda inclusive o motivo dessa regra gramatical e mostra como ela praticamente ignorada no inglês falado em certas ocasiões. It’s worth reading!
    denilsodelima.blogspot.com/2007/02/no.html

  • 17/04/09  
    Gilvan diz: 6

    Gostei do artigo eu já utilizava essa forma gramatical mas só não sabia porque agora ficou mais claro o assunto.. mt bom

  • 18/04/09  
    Philipe diz: 7

    Se eu falo ” I don’t know nothing “, significa que, se eu não sei nada, sei tudo, entendeu?

  • 19/04/09  
    Jonã diz: 8

    “Se eu falo ” I don’t know nothing “, significa que, se eu não sei nada, sei tudo, entendeu?”
    Não, não entendi. oO
    Muito obrigado por mais esse artigo Alessandro.

  • 19/04/09  
    Jonã diz: 9

    ps: Pelo último link que o Alessandro mandou se vê que esse assunto é mais extenso do que parece!

  • 20/04/09  
    Viviane de Castro diz: 10

    Bom acho que eu entendi.
    Vejam o exemplo:peguei no wikipedia.

    “There isn’t a day when I don’t think about her.” – Prince William, speaking of his mother

    Ou seja embora ele tenha usado termos negativos, o que ele quer dizer é algo positivo:

    Como se eu quisesse dizer.

    Não existe um dia em que eu não pense em meu namorado.(quero dizer que eu penso todos os dias)

    ou

    Não há um lugar onde eu não me sinta confortável.( quero dizer que me sinto confortável em qq lugar)

    Bom acho que é isso, nestes exemplos um termo negativo anula o outro, agora quando eu digo :
    Eu não sei nada.
    Isso nao quer dizer que saiba tudo pelo menos não em portugues.

    Vou pesquisar mais, qq coisa eu posto aqui.

    tchau!!!

  • 20/04/09  
    Viviane de Castro diz: 11

    Quando vc chega em casa stressado sua mãe pergunta oi fulano.. O que você tem ?

    Você responde :
    -Eu não tenho nada.
    I don’t have nothing. (Para os americanos tem algo a mais nesse nada)
    ou você está discutindo com seu namorado:

    e ele te pergunta.

    O que você quer que faça?(depois de muito blá, blá blá)
    você responde:
    -I don’t want nothing!( mas vc quer sim, que ele seja mais assim, mais assado..rs)

    Como disse o Alessandro, melhor seguir a gramática.

    beijos.

  • 09/10/09  
    ozanito diz: 12

    parabéns mônica! e se suas postagens e dicas continuarem mais sobre a fonte pink floyd em particular eu aprenderei bem mais rápido, pois ouço muito em casa. parabens tambem pelo gosto apesar que gosto não se discute. obrigado

  • 10/01/10  
    Renata diz: 13

    A dupla negação (ou dupla negativa) é perfeitamente aceita em português! Vejam este pequeno trecho extraído daqui:
    http://wp.clicrbs.com.br/sualingua/2009/05/14/dupla-negativa/

    Em segundo lugar, não existe nada, em Português, que vede a dupla negação
    (percebeste o não… nada?). Isso até pode valer para certos ramos da da Lógica
    formal, onde duas negativas levam a uma afirmativa (como na Matemática, onde
    menos com menos dá mais). Embora a gramática padrão do Inglês não aceite a dupla
    negação, a maioria das línguas humanas (que vão muito, mas muito além da Lógica
    Formal) utilizam tranquilamente essa construção, multiplicando, na mesma frase,
    vocábulos negativos que se reforçam uns aos outros; “os falantes espalham uma
    fina camada de coloração negativa sobre a frase inteira, em vez de concentrá-la
    num único lugar”, como diz o linguista dinamarquês Otto Jespersen.

    Vais encontrar construções como “Não devo nada a ninguém”, “Não quero saber de
    nada“, “Nunca vi nada parecido”, e assim por diante, em todos os nossos bons
    escritores, inclusive no maior de todos eles, o incomparável Machado. Nos mais
    antigos, deparamos com formas mais radicais ainda: por volta de 1500, Gil
    Vicente escrevia “Nem tu não hás de vir cá”; “A ninguém não me descubro”; “Nem
    de pão não nos fartamos”.

    O argumento matemático não se aplica aos idiomas….
    Renata

    • 10/01/10  
      Alessandro diz:

      Renata,

      Obrigado pela ótima explicação e complementação do post.

      Abraço,