English Podcast 45: Professor Nativo x Não-nativo (Parte 1)

Olá, amigos do English Experts! Você já teve dúvidas na hora de escolher um professor? Qual é o professor ideal: o nativo ou não-nativo? A minha estatística pessoal mostra que a maioria das pessoas acredita que o professor nativo é melhor. Será que isso é verdade? Para falar sobre o tema convidei os professores Daniel Bonatti (brasileiro) e Rick Booth (inglês). Você não pode perder esse bate-papo polêmico e muito bem-humorado. Enjoy!

English Podcast 45 banner

Prepare o seu headset, aperte play e divirta-se.

Ouvir o English Podcast

Links discutidos no podcast

Programas Anteriores

Arquivo do English Podcast

Assine no iTunes

English Podcast no iTunes

Sugestões, críticas e elogios

Envie sugestões, críticas e elogios nos comentários.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

34.jpg

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Comércio Eletrônico e Ensino a Distância (EaD).

43 comentários

  • 20/08/14  
    Marcos diz: 1

    A very interesting topic. I wish most people could see things like that, as it was said, there are good and bad teachers on both sides. I’m looking forward for the part two!

    Take care. :)

  • 20/08/14  
    dougas diz: 2

    Eu acho que, pra um aluno brasileiro, é melhor ter um professor brasileiro com bons conhecimentos em inglês no começo. É bom pra apresentar o idioma e tirar muitas dúvidas principalmente dúvidas culturais.
    Mas acho também que depois de algum tempo seria bom ter contato com um nativo, professor ou não, pra ajudar na pronuncia e no listening.

  • 20/08/14  
    Thiago Messias diz: 3

    Amzaing episode!!!!!!!!!!!!
    Love you work and ohh how I missed the podcast.

    Thanks for being back, you guys! Cheers :D

    • 20/08/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Thank you for the comment.

  • 20/08/14  
    Renan Bolzon diz: 4

    Show de bola a iniciativa. Já passei pela experiência de ter aula com um nativo, e não gostei da metodologia dele. Hoje prefiro ter aula com um brasileiro justamente por ter passado por vivências mais próximas das minhas.

  • 20/08/14  
    Dailulu diz: 5

    Wow!
    I like very much this podcast.

    I prefer a english teacher, because the studient really talk in english, to pratice a conversation in english. :D

  • 20/08/14  
    Jackson Bagatoli diz: 6

    Primeiramente eu gostaria de parabenizar o EnglishExperts, que sempre traz ótimo conteúdo e variedade.
    Tive o prazer de conhecer o Daniel Bonatti e o cara é super fera.

    Então, é interessante sempre colocar um contexto, que nessa discussão é imprescindível.
    O contexto mais óbvio é o brasileiro, no qual alunos vão pro “cursinho” uma vez por semana e estudam inglês por 2 horas, na maioria das vezes.
    Vamos aos questionamentos…

    1) Você está tendo aulas com um professor que tem inglês como língua nativa ou com um falante nativo qualquer do inglês?
    – Principalmente no começo do processo de aprendizagem, naquele momento nublado, blurry, seria bom ter um professor, nativo ou não, que te guiará de forma efetiva e sistematizada. Vai mapear o começo dessa longa caminhada rumo à fluência.

    2) Qual é seu objetivo ao querer um professor nativo?
    Por ele ter mais conhecimento na língua? Okay, mas será que você precisa de tudo isso no começo? Talvez seja interessante investir num professor nativo mais pra frente (further ahead) quando você tenha chegado num nível mais conversacional, trabalhar entonação, musicalidade, sotaque.
    (Lembrando que bons professores de inglês, mesmo não nativos, conseguiriam te fazer alcançar isso)

    3) As aulas de inglês são a tua única fonte de inglês e vai ser assim por um bom tempo?
    – Procure um falante nativo ou alguém muito bom no que faz. Se for confiar em todo cursinho e ter aquele inglês de sala de aula como padrão vai complicar um pouco depois.

    4) Você tem aulas uma vez por semana mas ouve podcasts, faz exercícios de compreensão com música, videos e filmes, está imerso no idioma apaixonadamente?
    – Aí você é livre, encontre um bom professor que te motive e tudo vai dar certo.

    O que eu quis dizer com tudo isso é que é de suma importância ter contato com inglês autêntico, falado por falantes nativos, mas isso não precisa ser em sala de aula, ou só em sala de aula.
    Por isso eu acho que não existe muita diferença entre um BOM professor brasileiro e um BOM professor nativo, ambos almejam a mesma coisa pra seus alunos e com certeza ambos não querem ser a única fonte linguística, pois sabem que não é suficiente.

    Meu comentário, apesar de longo, é bem superficial. Tem muito mais a ser dito quando se tem variáveis diferentes: Formação do professor, pronúncia, capacidade de identificar erros (que muitas vezes falantes nativos não têm), dinamismo.

    • 21/08/14  
      Daniel Bonatti diz:

      Jackson, foi um prazer te conhecer na convenção em João Pessoa!!
      E você deu uma aula à parte com suas colocações!! Excelentes!
      Achei seu item 2 muito relevante. Na segunda parte do podcast, eu até menciono esse ponto com a seguinte comparação: se você vai começar a aprender a esquiar, você não precisa de um instrutor de ski medalhista olímpico. Você precisa de alguém que conheça os princípios básicos, e principalmente consiga transmitir com eficiência através de um método que funcione para você.
      Valeu pela participação! Abs

    • 22/08/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Olha o Daniel dando spoiler da segunda parte do podcast. rsrsrs

  • 20/08/14  
    erico diz: 7

    Finalmente os podcasts estão de volta, só gostaria de sugerir uma coisa: Que tal fazer alguns podcasts com o Prof. Donay Mendonça, o cara manja muito e tenho certeza que ele tem muitas dicas interessantes para os estudantes do EE
    Um abraço

    • 20/08/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Oi Erico,

      Realmente preciso convidá-lo. Boa sugestão!

    • 20/08/14  
      Daniel Bonatti diz:

      Eu também concordo com a sugestão de podcast com o Donay Mendonça! O cara é fera!

  • 20/08/14  
    Jonata fontela diz: 8

    Hey guys,awesome podcast!!!
    Bom,eu acho que nao importa muito se o professor e nativo ou nao desde que seja um bom pofessor e que saiba ensinar,eu gostaria de ter um professor nativo por causa da pronuncia,cultura e tal… Outra coisa que achei interessante e o fato do Daniel concordar em usar o portugues na aula,concordo com ele porque as vezes o professor explica e explica em ingles mas eu e meus colegas nao conseguimos entender ainda mais quando e uma expressao idiomatica..entao eu traduzo em casa e as vezes meus colegas me pedem pra traduzir algumas coisas pra eles na aula…. Acho que seria bom usar o portugues em certas situacoes!

    • 21/08/14  
      Daniel Bonatti diz:

      É isso aí, Jonata! O caminho natural em nosso aprendizado é buscar associações com nossa própria língua. Isso só acelera e aperfeiçoa nosso aprendizado! Abraço!

  • 20/08/14  
    Marivan diz: 9

    Parabéns pelo retorno e só pra ressaltar (just so you know)… como outros ouvintes, eu acredito que sim, pra me ficou uma coisa sem nexo aquela “vinheta” do chaves no Podcast 44: “Aprenda-me” inglês”. Seria legal usar algo assim com “phrasal verbs, expressões ou termos da língua inglesa como aquele que foi usado no podcast 43: Phrasal Verbs, já que é a repetição que faz a diferença e não uma coisa que já estamos cansados de ouvir na TV alem do mais, em português.
    Bom Trabalho para todos principalmente para o Donay Mendonça que publica ótimos “tópicos” aqui.
    Bye for now!

    • 21/08/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Oi Marivan,

      Vou corrigir essa questão nas próximas edições.

      Obrigado pelo comentário e sugestão.

  • 21/08/14  
    Jom diz: 10

    Na questão do professor brasileiro, temos que considerar alguns pontos, por exemplo, o aluno iniciante não saberá se o professor é bom ou não, se ele está te ensinando as pronuncias corretamente, ou se ele tem sotaques.
    Digo isto porque vivenciei algo assim, como iniciante me matriculei em uma escola renomada, como eu não sabia nada inicialmente acreditava que a professora era boa e competente. Bom, repetir o que estava no livro era fácil. Por fim, depois fiquei sabendo que ela também era aluna só que de um nível mais avançado. Era uma caolho guiando um cego.

    Não digo que um professor nativo é melhor do que brasileiro, mas o professor brasileiro tem que ser competente, falar corretamente, sem sotaque, ter tido experiencia no exterior.

    Imagine um professor brasileiro com certo sotaque (eu como estou aprendendo não sei se ele tem sotoque ou não), então já vou aprender com um sotaque do professor… aí acrescento o meu sotaque… humm…

  • 21/08/14  
    Jom diz: 11

    Só complementando,…
    Acredito que o Rick Booth seja um bom professor de inglês. Agora imagine que ele volte para Inglaterra e comece a ensinar português.
    Ele seria um bom professor de português?
    Nada contra ele, ele fala bem o português, até melhor do que alguns que conheço. Mas ele tem muito sotaque. Isso não influenciaria o aprendizado de seus alunos?

  • 21/08/14  
    thiago dos anjos lopes diz: 12

    Alessandro…that was an awesome podcast..I’ve been following all your podcasts and this one was marvellous..and adding to it…I think the best teacher is that one makes your students want more and more..rsss

  • 21/08/14  
    vandir diz: 13

    Os dois tipos de professores são bons.Como você mesmo disse: Tudo depende do professor.. Não importa se ele é ou não nativo. Nem sempre um bom falante da língua é um bom professor,como disse o Rick. Já Quando o brasileiro,Daniel, menciona que explicar a língua, ou melhor, é importante que se faça tradução daquilo que o aluno esta falando, para que ele adquira confiança ao falar. Eu também faço isso quando estou com alunos, sempre oriento no uso dos tempos verbais, quando, como e onde deve se usar os verbos. Vocabulário que tipo de vocab. Dai começa-se a falar o inglês devagar articulando bem cada palavra ressaltando sempre os vocab e os tempos verbaiss usados..Estabelece-se a conversação e consequente aprendizado. Um abraço

    • 21/08/14  
      Daniel Bonatti diz:

      Bom saber que você também utiliza o recurso da língua materna dos alunos, Vandir! Grande abraço!

  • 21/08/14  
    simone diz: 14

    Amei o podcast!! Sou professora de ingles em uma pequena cidade do Rio Grande do sul, tenho amigos americanos que falam muito bem o português e, concordo plenamente com o que foi dito: nem sempre um nativo é um bom professor…procuro explicar aos meus alunos que, mesmo tendo nascido no Brasil, dominando o idioma, nem sempre conheço ou sei explicar regras gramaticais e nem mesmo sabemos todas as palavras….tento mostrar a eles que e possivel se comunicar bem sem ter que recorrer às regras o tempo todo….Aqui em minha cidade só tem uma escola de inglês, na qual eu dou aulas, e é bem dificil pra nós, os alunos querem o tal de “professor nativo”, muitos não valorizam o nosso trabalho por nos achar inferiores…Graças a Deus isso tem mudado….aso poucos tenho provado a eles que é possivel aprender sim, com uma professor brasileiro!!!

  • 21/08/14  
    Juliana Mäder diz: 15

    Adorei o podcast! Colocações inteligentes e muito bem feitas pelos dois professores convidados. Quebrou “alguns” tabus em relação ao assunto.

  • 21/08/14  
    Anna Carolina diz: 16

    Acho que algo muito importante que foi muito dito nas entrelinhas da maioria dos comentários é que a sensação que as pessoas tem é que o professor não-nativo sempre terá sotaque. Vejo nos meus colegas professores que muitas vezes isso está certo, pois a fonética não é um assunto abordado nos cursos de inglês, assim como vejo que falta iniciativa dos alunos e de muitos professores em estudar fonética e entender sobre pronúncia. Eu pego muito no pé dos meus alunos com relação à pronúncia, pq eu sei que dificilmente vão encontrar na jornada deles outro prof. que vá ensiná-los algo sobre isso.
    E muitas vezes as pessoas se assustam ao saber que eu nunca viajei pra algum país de língua estrangeira, achando que viajar para outro país necessariamente melhoraria a pronúncia. Mas eu estudei, e continuo estudando, ouvindo inglês diariamente. Agora vai ver quantos professores (não digo nem quantos alunos) escutam inglês fora das gravações dos CDs de cursos, que sabemos que são gravações em ritmo mais lento?!
    Parabéns pelo podcast. Grande abraço!

    • 30/08/14  
      Livonor diz:

      I couldn’t agree more, I don’t have an accent when I speak English and my former teacher also didn’t, he knew a LOT about pronunciation and was my first inspiration, but back then I didn’t take the chance to learn correctly and only learn to speak proper English years after that…

  • 22/08/14  
    roberson diz: 17

    Great i like it. I’m waiting second part of podcast.

    Sorry for my english :(

  • 22/08/14  
    Lucas diz: 18

    Fala sério, né! Que boa notícia! Mais um podcast pra minha felicidade! E o tópico, wow, muito bom. Rende muito. Alessandro, I f*cking love you! Keep it up!

  • 22/08/14  
    Douglas Silva Neves diz: 19

    Saudades do podcast mais didático da minha playlist, finalmente ele volta a ativa. Estudo inglês a pouco tempo e na minha opinião uma boa vantagem de um professor nativo são as experiencias do dia a dia que ele traz na bagagem, como já foi mencionado no podcast. Aprendo atualmente com uma professora que estudou desde criança em escolas americanas e as histórias que ela compartilha na sala de aula trazem uma boa imersão da cultura dos Estados Unidos. Aguardo a próxima parte do podcast \o/

  • 23/08/14  
    Lucas S diz: 20

    A única vantagem do professor nativo é que ele fala inglês melhor! Mas isso, *nos dias de hoje*, não importa tanto. Se o professor brasileiro tiver uma pronúncia boa, o aluno pode complementar fazendo listening diário de áudio gravado por nativo. Aí é só o professor ajudar o aluno a perceber as diferenças entre os sons. O uso da língua materna é extremamente importante *principalmente* entre os níveis inciante e intermediário(no avançado também, porém menos vezes). Sério! Perdi mais 3 meses de estudo por causa da ilusão *tradução mínima*. Não caiam nessa, pessoal. Nas minhas conversas com nativos pelo Skype, já percebi que sou um péssimo professor de português…embora nativo.

    Outro ponto é a preocupação dos alunos com o sotaque. O sotaque é o que menos importa! Ter sotaque carregado não inviabiliza uma comunicação fluída e natural.

    Percebam que, quando há professores nativos em um curso de inglês, eles acabam aprendendo um tanto de português. Por que? Porque isso facilita bastante! Já vi isso em curso online! E vi também nesses sites tipo italki professores que aprendem um tanto de vários idiomas. Eles sabem que ajuda na hora de ensinar.

    É claro que, se você encontrar um professor nativo, com o “dom de ensinar” e que tenha um ótimo conhecimento de pt-br, aí beleza! Mas isso vai custar uma nota!!! Prepare o bolso.

  • 23/08/14  
    Pedro diz: 21

    Eu tenho doze anos e faço cursos de inglês desde 2007, tive uma professora australiana e um professor americano. A professora australiana me ensinou o básico, mas eu a perguntava o significado de palavras em português que ela não conhecia, e ela não podia me responder, algumas expressões ela não conseguia entender também. O professor americano já era mais experiente e não tive problemas.
    Acho que um professor nativo pode ajudar mais com pronúncias, cultura e expressões (nada que um professor não-nativo não possa ensinar). E um professor não-nativo pode entender os alunos melhor (mas nada que um professor nativo não possa entender), mas às vezes há um sotaque que muda a pronúncia de algumas palavras.
    Atualmente tenho uma professora daqui da cidade mesmo, ela é muito experiente pois passou anos na Inglaterra e nos E.U.A. estudando inglês e ensinando português e espanhol.

  • 23/08/14  
    Welton Ribeiro. diz: 22

    Olá Alessandro e todos que fazem parte do english experts. muito bom esse tema abordado no podcast dessa semana. a volta do podcast do English experts me deu novamente motivação para continuar meus estudos, é graças a pessoas como vocês que continuo agora, firme e forte nessa longa batalha que é a fluência no inglês.

  • 25/08/14  
    John Netto diz: 23

    There are great reasons to go with both native and non-native English speakers. I learned to speak Japanese and Chinese by living in Tokyo and Beijing. I learned from both native professors as well as from Americans I was working with who have been through the same grammatical and challenges with pronunciation.
    Learning a language like life has blessings that come from different and wonderful places.

    • 27/08/14  
      Danubia diz:

      I’ve been learning English since I was 10 years old with. Now I`m 33 yrs. I studied the most of time with non-native, brazilian teachers, and my English was in a good level. Although I didn’t practice my conversation skill for more than 8 yrs, when I had the opportunity to travel abroad, I could speak and understand native speakers better than I thought.
      Last year I did a Vacation English course in USA, with native teachers, and all that t I’ve learned with non-native teachers were so usefull to me, that when I did the level test , the results suprised me, I went to a high level, even without practicing the conversation.
      Of course, that, with a native teacher, my pronunciation, vocabulary, grammar, some expressions ans verb tenses tips were so better to learn, but I think that I could only take advantage of this because of the hole study that I had with my brazilians teachers.

  • 26/08/14  
    Jefferson diz: 24

    Parabéns pelos Podcasts! Infelizmente só os descobri agora mas são muito bons, com muitas dicas sensacionais!

    Parabéns pelo trabalho!!!

    • 26/08/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Oi Jefferson,

      Muito obrigado pelo comentário.

  • 27/08/14  
    Mauricio Sant Ana diz: 25

    Independente se nativo ou não, o que importa é a metodologia que é empregada no ensino. Hoje, para tornar um conteúdo agradável é preciso que as aulas tenham o foco no aluno. Essa nova visão é diferente das formas tradicionais de ensino que jogam as matérias e não trabalha aplicando o conteúdo. As pessoas possuem formas diferentes de memorizar e de aprender. O verdadeiro aprendizado acontece quando há existência de vínculos com o saber.

  • 27/08/14  
    Alessandra diz: 26

    Tive uma professora nativa e não me adaptei pois ela não tinha didática para ensinar. Além de falar baixo tinham várias palavras que ela não conhecia em português o que dificultava o meu aprendizado. Acabei trocando de turma pois não sentia segurança pois percebi que ela não preparava a aula e não se esforçava para ensinar!

  • 27/08/14  
    Moacir Sena diz: 27

    Que bom que vc retornou a produzir os podcasts. Há muita falta de discussão sobre o ensino e aprendizado de idiomas – não só do inglês. Curto muito as entrevistas tbm.

    Quanto ao tema deste podcast – o mais important é a motivação e conhecimento didático do teacher do que a sua nacionalidade. É semelhante à idéia de estudar inglês no exterior. A pessoa vai mais passear ou realmente estudar inglês? Por que não chegar a um bom nivel no país de origem e ir estudar lá fora mas algo em inglês. A gente tem que sempre lembrar que o aprendizado de um idioma não deve ser o objetivo final mas sim uma ferramenta, um canal para um objetivo muito maior.
    Valeu pelos podcasts. Love listening to them.

    Cheers,

    Mo

    • 27/08/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Oi Moacir,

      Concordo quando você diz que o idioma deve ser uma ferramenta.

      Obrigado por acompanhar o podcast e pelo comentário.

      Abs,

  • 04/09/14  
    Cinthia Ferreira diz: 28

    Ola Alesandro,

    Obrigada pelo podcast, adorei!
    Sou professora brasileira e atualmente moro no Canada.
    Tenho um escritorio e dou aulas particulares para brasileiros e portugueses que nao conseguem um bom rendimento nas escolas devido a dificuldade em se comunicar ou por questoes de falta de flexibilidade de horarios. Normalmente meus alunos me contam comentarios do tipo, “mas voce esta estudando ingles no Canada com uma professora brasileira?? por que???” E isso me deixa um pouco chateada, por que como voces comentaram, existe um grande esteriotipo nisso tudo de que o professor nativo seria muito melhor que um professor brasileiro! Por outro lado, fico feliz com os comentarios dos meus alunos que me agradecem dia a dia com elogios e comparam suas experiencias passadas nao tao bem sucedidas e muito desmotivadoras nas escolas daqui!
    E muito bom discutir assuntos como este para fazer com que as pessoas se informem mais sobre o professor que estao contratando ao inves de buscar um nativo, simplesmente. Meus melhores professores de idiomas ate hoje nunca foram os nativos, pois sabiam a teoria e como explicar muito melhor que os nativos! Uma vez fui a uma entrevista de emprego numa escola de idiomas aqui e a cordenadora me disse que os melhores professores que ela ja teve sempre foram os brasileiros, pela criatividade na hora de ensinar! Assino embaixo!! :)

    • 04/09/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Oi Cinthia,

      Obrigado por compartilhar a sua experiência conosco.

      Abraços,

  • 08/09/14  
    ELSON diz: 29

    I like so much this podcast, I’ve liked a lot watching your “pod”, i would like said: congratulations for everybody have worked in this canal, i feel very happy to learn English here, sorry by my English is not good yet,but i have sure it goes improve;

  • 09/09/14  
    Igor Gudima diz: 30

    Excelente episódio (na verdade, episódios! Rs…). Adorei o rumo que a discussão levou e os prós e contras do professor nativo ou não. Muito bom!!!

    Valeu, abraços!