Entrevista com Tereza Sayeg, intérprete de conferências

Tereza Sayeg - PerfilO EE teve a honra de entrevistar Tereza Sayeg, um da mais conceituadas e experientes Intérpretes de Conferências do Brasil. Tereza já interpretou para o presidente Lula em algumas ocasiões e é muito requisitada em eventos de Informática, Engenharia, Medicina e Políticos. Na entrevista, ela conta um pouco de sua trajetória, formação e dá algumas dicas de inglês para quem está aprendendo.

Tereza Sayeg, fale um pouco de você como pessoa!

Aprenda inglês com as técnicas de quem já passou pelo processo. Experimente Grátis por 30 dias o Curso de Inglês do English Experts 3.0.

É difícil falar de mim. Sou tímida, por incrível que pareça. E, além disso, já estou no mundo por um certo tempo (rsrsrsrs), portanto minha história é longa. Mas vamos lá: atualmente sou tradutora simultânea. Trabalho com Português, Inglês, Francês, Italiano e Espanhol. Já fui professora de Inglês e de Tradução e Interpretação.

O que fez você se interessar por línguas, de onde veio essa paixão?

Ah, sempre foi meu hobby. Comecei a aprender Inglês e Francês com 8 anos, ainda no primário (bons e velhos tempos). E sempre gostei de saber palavras em outras línguas, desde pequena. Além disso, no começo da adolescência, descobri os Beatles. Aí sim, fiquei rendida de vez ao Inglês. Ouvia as músicas durante horas, para tirar as letras e entender o que diziam. Fui para um colégio experimental onde o ensino de línguas era muito bom no ginásio (sou antiguinha), e a paixão continuou. Ao concluir o ginásio, fui para a Europa, e o país de chegada foi a Inglaterra. Paixão fulminante! Quando voltei, matriculei-me na Cultura Inglesa, de onde saí aos 18 anos com o Cambridge Proficiency Certificate.

Você já morou no exterior? Se sim, como foi a experiência?

Sim, morei seis meses nos EUA, para complementar meu aprendizado do Inglês. Quando comecei a trabalhar, senti que meu Inglês era bastante literário e eu tinha pouca vivência do Inglês americano. Decidi ir para o Monterey Institute of International Studies, na Califórnia, onde eles tinham tradução e interpretação de Inglês, Francês e Espanhol. Infelizmente não havia Português naquela época, mas foi bom para aprofundar as outras também. Depois dos seis meses, voltei ao Brasil, onde comecei a trabalhar como intérprete. Só que depois de certo tempo, resolvi tentar a vida em Bruxelas. Portugal acabava de entrar na então Comunidade Européia (hoje União Européia) e eu ouvi dizer que eles precisavam de intérpretes de Português. Acabei vivendo lá 10 anos maravilhosos! Fiz muitos amigos de várias nacionalidades, aprendi bem outras línguas (Espanhol e Italiano), viajei muito, comi bem e bebi melhor ainda!

Qual é a sua formação, você é formada em letras? Você acredita que é necessário ter formação em letras para falar ou ensinar bem um idioma?

Não sou formada em letras e sim em Filosofia. Não creio que seja necessário ser formado em Letras para falar ou ensinar um idioma e nem para ser intérprete. Aliás, em Bruxelas, muitos dos colegas têm formação em outras áreas: são advogados, economistas, e até médicos. Mas eu até que gostaria de fazer filologia, etc. Sempre gostei, por exemplo, de gramática histórica. É interessante saber como evoluíram as línguas. É evidente que essa evolução tem tudo a ver com a história dos países. Por exemplo: o Inglês, que tem fama de ser uma língua simples, é na verdade uma língua extremamente rica, visto ter recebido inúmeras influências. A Inglaterra sofreu invasões sucessivas e isso evidentemente teve impacto sobre a língua. Depois da invasão normanda, por exemplo, a língua da corte era o Francês. Ora, palavras que nós hoje em dia achamos que são tipicamente inglesas, como budget e shop, na realidade vem do Francês.

Voltando à Filosofia, acho que me ajuda até hoje na interpretação, pois o que se faz ao traduzir é analisar constante e profundamente o texto. A interpretação simultânea, apesar da rapidez, não é “papagaiar”. Na realidade o intérprete tenta entender o tempo todo o que traduz, pois quer transmitir conceitos e não palavras. Quando se entende a idéia, as palavras vêm naturalmente no outro idioma. É raro ficar-se perdido por causa de uma palavra.

Como você se tornou intérprete? Você interpreta de quais para quais idiomas?

Tornei-me intérprete depois de quatro anos dando aula de Inglês. E tinha começado a dar aulas de Inglês pois não queria dar aulas de Filosofia, na época a única atividade possível para quem tinha feito esses estudos. Além disso, tenho um temperamento muito irriquieto, gosto de movimento e de desafios constantes e não gosto de rotina. Interpretação é ideal para esse tipo de personalidade.

Comecei com Inglês e em seguida Francês, quando comecei a interpretar era meio fraquinho, apesar de ter concluído o curso na Aliança Francesa. Também comecei a estudar Espanhol e Italiano ainda quando vivia no Brasil Quando cheguei a Bruxelas, passei no teste freelance da Comissão Européia (o órgão executivo da União) com Português ativo (a língua para a qual se traduz) e Inglês e Francês passivos (as línguas das quais se traduz). Com o tempo, acrescentei Espanhol e Italiano. E cheguei a estudar um pouco de Alemão, sem grande sucesso.

Desde que voltei ao Brasil, comecei a traduzir de e para Inglês, Francês e Espanhol. Meu Italiano é só passivo, razão pela qual faço poucos trabalhos nessa língua. É pena, pois a conheço bastante bem. Mas o mercado brasileiro é diferente do mercado institucional na Europa: no Brasil, é importante ter a “ida” e a “volta” para um idioma, ao passo que na Europa eles incentivam a pessoa a aprender muitas línguas passivas. É claro, visto que a União tem atualmente 20 línguas de trabalho, se não me engano.

Tradução consecutiva na reunião entre o Presidente Lula e o Presidente do Comité Econômico e Social Europeu, Sr. Dimitris Dimitriadis (julho de 2007)

Tradução consecutiva na reunião entre o Presidente Lula e o Presidente do Comité Econômico e Social Europeu, Sr. Dimitris Dimitriadis (julho de 2007)

Como foi interpretar o presidente Lula?

Já interpretei para ele duas vezes: a primeira na “inauguração” do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Brasil, em 2003, quando veio uma delegação do Comité Econômico e Social Europeu. Traduzi o Presidente do CESE, na época um sindicalista francês, Roger Briesch, em consecutiva para o Presidente Lula, vários ministros e todo o Conselho brasileiro. Eu tremi feito vara verde, mas pensei: Não posso falhar! Eles confiam em mim! Mas confesso que tomei muitas gotinhas de florais de Bach para agüentar a barra!

Depois a comitiva européia foi a uma reunião particular com o Pres. Lula. Eu traduzi o Sr. Briesch para o Português, enquanto uma colega que tinha vindo com a delegação traduzia o Pres. Lula para o Francês. Nunca fui tão fotografada na vida! Pena que os fotógrafos foram todos embora e não consegui uma única foto daquela ocasião.

A foto que se vê no meu site é de julho de 2007, quando veio outra delegação do CESE para uma reunião do Cons. de Desenvolvimento Econômico e Social do Brasil. Aí, o presidente do CESE já é outro: Dimitri Dimitriadis, grego. Aí traduzi do Inglês para o Pres. Lula e outro colega traduziu-o para o Inglês. É sempre um stress, mas para um intérprete qualquer trabalho é importante. O que queremos é garantir a boa comunicação entre as pessoas.

E nesse sentido, quanto mais “invisível” for o intérprete, melhor. É-se apenas um instrumento, um canal. Não sei explicar, mas sua personalidade não pode entrar em cena nessas horas.

Você já passou por alguma “saia justa” durante a sua carreira de intérprete?

Ah, várias! Por exemplo, se alguém fala um palavrão ou faz um comentário indecoroso (já aconteceu em reuniões no Conselho de Ministros, outro órgão da União Européia). Eu simplesmente finjo que não ouvi. Mas há colegas que se saem muito bem. Conseguem encontrar sinônimos menos ofensivos.

Há evidentemente gafes muito engraçadas, quando se entende algo completamente diferente do que é. Há o caso famoso do “frozen semen” (sêmen congelado) que algum intérprete traduziu por “frozen seamen” (marinheiros congelados). Eu também dei várias contribuições para o folclore da interpretação, sendo a mais vistosa “benign tumors” que eu traduzi por “tumores B 9). Sem comentários! Por isso, antes de abrir a boca, o intérprete tem de ligar o cérebro.

Como está o mercado de tradução e interpretação?

Há muito mais concorrência do que quando eu comecei. Mas o mercado também aumentou, dada a inserção do Brasil no mundo globalizado. Há montes de eventos em SP. SP é uma cidade forte em turismo de negócios e convenções, e espero que isso continue. Só que há mais gente falando Inglês.

Qual é a sua dica para quem quer aprender inglês?

Hoje é muito mais fácil do que quando comecei. Na minha época, não havia essa facilidade de canais de TV a cabo, etc. Mas eu recomendo que se estude gramática. Se não, a base nunca vai ser boa. Depois de adquirir uma boa base gramatical, ouvir, falar, ler e escrever. Acho muito importante a leitura, pois a leitura não é uma atividade passiva, contrariamente ao que se pode imaginar. A leitura ensina estruturas, vocabulários, expressões. E ver TV, etc. Eu, por exemplo, olho sempre o Yahoo Finance no meu computador, e ontem ouvi trechos das entrevistas do Obama e do McCain no programa 60 Minutes. Nunca se sabe. Já traduzi uma vez o debate entre o Bush e o Kerry para a TV Bandeirantes ao vivo (outro dia em que meus nervos viraram pó), e de repente pode surgir outra oportunidade. Ah, a propósito, estar “antenado” é fundamental!

Você aceita ser colaboradora do English Experts?

Claro, com muito prazer, porque também gosto de trocar ideias com outras pessoas. Acho fundamental essa troca, aprender e ensinar.

Tereza, nossos sinceros votos de sucesso. Muito obrigado pela disposição e pelas sábias palavras. Espero que você, leitor(a) do English Experts, tenha gostado da entrevista.

See you!

Aprenda mais

Gostou desse artigo? Conheça o Curso de inglês English Experts e descubra como você pode turbinar o seu inglês.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

34.jpg

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador caseiro do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Comércio Eletrônico e Ensino a Distância (EaD).

32 comentários

  • 28/09/08  
    donay mendonça diz: 1

    Brilliant!

    Awesome!

    Brilliant!

  • 28/09/08  
    Marcelo Rezende diz: 2

    Very good !!!! Congratulations !!!! This interview was a spectacle………

  • 28/09/08  
    Valdomiro diz: 3

    Fantástica a entrevista da Tereza.

    Estamos sempre aprendendo.

  • 28/09/08  
    Gullit diz: 4

    Muito bom, alguém sabe me informar se a mesma tem algum livro publicado ?
    Sucessos Tereza, obrigado pela entrevista! ;)

  • 29/09/08  
    Thiago diz: 5

    Quero ser como ela. Meu sonho é me tornar intérprete profissional como ela e bem requisitado. Mas ainda tenho muito a crescer. Desejo a Tereza cada vez mais sucesso. Sou formado em Letras – Tradutor e Intérprete pela melhor (ou pelo menos era) escola de tradução do país: Centro Universitário Ibero-Americano (ex-faculdade Ibero-Americana). Também falo italiano, uma das minhas paixões, mas nunca saí do Brasil, por enquanto…

  • 29/09/08  
    Alessandra diz: 6

    ótima entrevista
    Uma mulher de grande personalidade
    Adorei.

  • 29/09/08  
    katia diz: 7

    Wonderful, intervew

    Thank you for open my mind

  • 29/09/08  
    André Bitencourt diz: 8

    Ao Alessandro, parabéns pela ótima entrevista.
    À Tereza, parabéns pelas dicas pertinentes.
    Já sou intérprete consecutivo há algum tempo e agora estou me preparando como simultâneo (inglês-português).
    Entrevistas desse tipo são excelentes para nos dar uma idéia mais exata dessa profissão fascinante.

  • 29/09/08  
    Adriano diz: 9

    Legal! Na faculdade, eu peguei essa matéria esse semestre.

  • 29/09/08  
    Alessandro diz: 10

    Oi pessoal, obrigado pelo feedback. Foi uma satisfação muito grande entrevistar a Tereza, ela é daquelas pessoas com QI acima da média e não esnoba ninguém por isso.

    Como vocês já sabem, eu sou webmaster e tive a honra de desenvolver o site da Tereza. Não deixem de conferir o site dela.

    Abraço,

  • 29/09/08  
    Cristiane McBrain diz: 11

    Parabens ao Alessandro pela entrevista, está demais!! E parabens Tereza, desejo que continue tendo cada vez mais sucesso!

  • 29/09/08  
    Tereza Sayeg diz: 12

    Pessoal,
    Muito obrigada pelos comentários! Fiquei super feliz com a repercussão da entrevista.
    Acho que vocês não sabem que foi o Alessandro quem me sugeriu escrever o blog e teve de insistir, pois eu lhe perguntei: “Mas quem vai se interessar pelo que eu faço?”
    Eu achava que ninguém ia se interessar. E foi ele também que teve a idéia da entrevista.
    Se quiserem saber mais sobre a profissão, entrem no meu blog e façam perguntas.
    Um abraço,
    Tereza

  • 01/10/08  
    Cortez diz: 13

    Excelente entrevista!

    Com certeza, ela irá acrescentar muito ao EE, que já é incrível!

    O site ficou muito bom, já colei o link em meu blog, para visitar sempre!

  • 02/10/08  
    Lelis diz: 14

    Purely fantastic!

  • 03/10/08  
    Tereza Sayeg diz: 15

    Pessoal,
    Alguém ouviu o debate na Band entre os dois candidatos à vice-presidência dos EUA? Traduzi a Sara Palin e meu amigo e sócio Walter Estella o Joe Biden. Alguém pode me dizer como saiu?
    É uma tensão dos diabos! Saímos os dois moídos e meio frustrados por não conseguir traduzir tudo.
    Mas é preciso lembrar que a tradução simultânea não é uma ciência exata…
    Agradeceria algum feedback.
    Abs.

  • 15/10/08  
    maycon bernardes diz: 16

    sou autodidata em inglês e espanhol , e meu sonho é ser intérprete simultâneo, qual é o melhor jeito para mim realizar esse sonho?

  • 15/10/08  
    Tereza Sayeg diz: 17

    Caro Maycon,
    Se v. vive em SP, recomendo o curso da Associação Alumni.
    Apesar de ser longo e caro, foi o curso que formou a maioria dos intérpretes que trabalham em SP. No Rio, conheço o curso da PUC. Mas infelizmente desconheço cursos em outras cidades do Brasil.
    Acho importante fazer cursos para adquirir a prática da tradução simultânea e consecutiva, embora haja algumas pessoas que são também intérpretes autodidatas.
    Abs.,
    Tereza

  • 17/10/08  
    Tereza Sayeg diz: 18

    Hi there! Long time no see! I apologize but have been working hard.
    Voltando ao Português: como meu trabalho tem a ver com interpretação, obviamente não me preocupo somente com o Inglês, e sim também com o Português. Acho super importante falarmos bem também nossa língua. Por isso, quando entrei no curso da Alumni, fiquei surpreendida ao ver como eu NÃO sabia muitas vezes traduzir bem uma expressão em Inglês.
    Para v. verem como isso é importante, a bendita mania do gerundismo vem – na minha humilde opinião – de uma má tradução do Inglês. Em Inglês é muito comum e correto dizer: “I’ll be working tomorrow and so I cannot go to the movies”. Agora é mau Português dizer “Vou estar trabalhando amanhã e portanto não posso ir ao cinema”.
    O correto seria “Vou trabalhar amanhã…” Não é necessário
    o Vou estar trabalhando… Isso é simplesmente uma tradução literal.
    Bem, agora um desafio para vocês. Tenho certeza de que todos ouviram falar na crise imobiliária americana, conhecida em Inglês como “the subprime crisis”. Alguém sabe como dizer “ativos podres” em Inglês? Aquilo que está causando tanta volatilidade no mercado?
    Abraços,
    Tereza

  • 18/10/08  
    Alessandro diz: 19

    Tereza,

    Eu acabei de ouvir na BBC o termo “Junk Bonds”, acredito que seja a tradução para ativos podres. E aí acertei o chute?

    Abraço,

  • 18/10/08  
    Tereza Sayeg diz: 20

    Caro Alessandro,
    Junk bonds é uma expressão que se refere a quaisquer títulos de alto risco. Imagino que possa ser empregue também neste caso. Mas a expressão que li no Yahoo Finance foi “trash assets”, que acho que é a utilizada para este caso específico.
    Abs.,
    Tereza

  • 31/10/08  
    Tereza Sayeg diz: 21

    Pessoal,
    Não deixem de recorrer ao youtube! É um recurso fantástico para se ouvir Inglês no computador.
    Acabo de ouvir o infomercial do Barack Obama. Não percam!
    É o Inglês mais vivo e atual possível, num discurso que aborda uma série de temas da atualidade.
    Abs.,
    Tereza

  • 10/11/08  
    Simone diz: 22

    Que bom q ela aceitou ser colaboradora do English Experts, a entrevista foi show de bola.

  • 11/11/08  
    Tereza Sayeg diz: 23

    Cara Simone,
    Muito obrigada. Embora às vezes esteja muito ocupada, estou sempre às ordens para solucionar dúvida e dar dicas.
    Abs.,
    Tereza

  • 14/03/09  
    Ana diz: 24

    Gostei muito da entrevista. Atualmente faço curso de tradução, e pretendo começar o de interpretação. Queria saber se a Teresa acha se ainda é possivel iniciantes viverem bem disso quando já tem tanta gente na área por ai.

  • 15/03/09  
    Tereza Sayeg diz: 25

    Oi, Ana, tudo bem?
    Respondendo à sua pergunta: há muita gente no mercado sim, mas este também aumentou desde que comecei a trabalhar.
    Eu comecei na famosa década perdida (anos 80), com aquela baita inflação, o país estagnado, etc. O começo foi difícil e como não queria pisar nos calos de ninguém, tipo roubar clientes, essas coisas, sofri um pouco. Mas se se quiser realmente alguma coisa, consegue-se! O importante é persistir, ter vontade de aprender e progredir. Fiz muita tradução escrita antes de conseguir viver só da interpretação simultânea, e a faria de novo se necessário. É bom fazer as duas coisas no começo pois com a tradução escrita aprende-se vocabulário e a pessoa começa a formar um acervo de informações e automatismos muito úteis mais tarde na cabine.
    Se v. vive em SP, aconselho o curso da Associação Alumni. No Rio, o da PUC.
    Não hesite em entrar em contato.
    Grande abraço, boa sorte e sobretudo muita garra,
    Tereza

  • 14/05/09  
    Carmen Luiza de Moura Carvalho diz: 26

    Oi, Tereza!
    Parabéns pela entrevista, gostei muito! É muito importante que profissionais iniciantes como eu conheçam as histórias dos mais experientes.
    Atuo como tradutora de inglês-português-inglês há 8 anos e estou fazendo o curso de interpretação da PUC/SP, o qual concluirei no final deste ano.
    Visitarei seu website regularmente para acompanhar suas experiências que muito têm a contribuir para a vida profissional de profissionais que estão iniciando como também daqueles que estão no mercado há mais tempo. O intercâmbio de informações e experiências é extremamente importante para o nosso desenvolvimento profissional.
    Um grande abraço!!!!!

  • 14/05/09  
    Tereza Sayeg diz: 27

    Olá, Carmen,
    Fico sempre feliz se minha experiência puder ser útil a outras pessoas.
    Evidentemente não posso contar muita coisa, pois com frequência nosso trabalho tem cláusulas de confidencialidade. Mas prometo contar o que puder sem ferir a ética da profissão.
    Ando com preguiça de voltar a Bruxelas e contar minha vida desde 1989 (lá se vão 20 anos!), mas terei de o fazer mais cedo ou mais tarde.
    Se precisar de alguma coisa, entre em contato.
    Abraços,
    Tereza

  • 21/09/09  
    Holisis diz: 28

    Oi Tereza, gostei muito de sua entrevista, é sempre bom ter uma profissional do seu quilate compartilhando novas idéais e fornecendo dicas importantes para quem aprecia essa língua. Obrigado. Cheerio!Holisis.

  • 22/09/09  
    Alexsandra costa diz: 29

    oi!!! adorei a entrevista pois incentiva muito as pessoas que tambem quer muito aprender ingles e pessoas como ela nos faz acredita que é so se dedicar ao máximo e ter um site maravilhoso como este o English experts para nos ajudar!!!

    bjuss a todos e muito obg!!!

  • 20/01/10  
    Thais Macedo diz: 30

    Olá Tereza,
    Estou no último ano do curso Tradutor e intérprete, vou atuar na área de interpretação na qual me identifiquei melhor.
    Eu queria saber se é necessário eu fazer a pós – graduação de Língua Portuguesa na Puc, para poder aperfeiçoar o português e depois que o meu inglês estiver com melhor fluência , eu queria fazer um curso de especialização da Gramática Inglesa.
    O que você acha? Gostaria muito da sua opnião, vai ser de grande valia para eu poder decidir.
    Muito Obrigada!!

  • 18/03/10  
    Luana C. diz: 31

    Wow! Inglês, Francês, Italiano, e um pouco de Alemão! Você tem muita garra mesmo! (Inspiração para mim. =D )
    I have 18 years and são essas mesmas línguas que tenho vontade de aprender, além da minha e do japonês.
    Tereza, você aconselha algo para quem quer aprender uma língua asiática? Apesar de ser bem diferente das línguas latinas.
    Thanks por nos oferecer essa oportunidade de conversa!!!
    See you!!

  • 24/03/10  
    Lucimar Vieira diz: 32

    Parab’ens você realmente è uma mulher de muita fibra, pois eu imagino como é delicado ser interprete.