Existe algum atalho para a fluência?

Perguntas e respostasRenata pergunta: “Tenho acompanhado as dicas diárias do blog por email, raramente participo. Percebi que o tema fluência é bastante polêmico e não há uma definição exata do que ela é. Gostaria de saber se existe alguma forma fácil para falar bem, como um nativo. Existe algum atalho para a fluência?

Renata, esta é uma pergunta frequente entre os leitores. Para te responder selecionei uma mensagem sobre fluência enviada pelo Donay em nosso fórum. Confira abaixo o que ele diz a respeito.

Aprenda inglês com as técnicas de quem já passou pelo processo. Experimente Grátis por 30 dias o Curso de Inglês do English Experts 3.0.

Para aprender inglês e ser fluente como um nativo, são necessários dois ingredientes básicos e decisivos: força de vontade e muito estudo. Porém existem alguns atalhos que podem facilitar e motivar quem está aprendendo, um deles é tornar o estudo mais objetivo, com menos rodeios e mais resultados.

Descobri isto há alguns anos (12), a partir daí tive a certeza de que era só uma questão de tempo. Ao observar alguns amigos meus que moraram no exterior percebi que eles não liam textos, não estudavam muita gramática, mas tinham uma fluência muito boa. Após uma investigação, descobri que eles sabiam um monte de “idéias prontas” em inglês que usavam nas situações do dia a dia, para trabalhar, estudar e etc.

Depois disso comecei a observar, anotar e encontrar equivalentes para tudo de mais importante que sabia em português, reduzi minhas leituras de textos apesar de ler muito sobre assuntos essenciais (saúde, família, diversão, etc). Com isso comecei a esquecer menos o que aprendia e minha fluência decolou de vez. Até mesmo a leitura ficou mais fácil. Preencher as “lacunas” que nos impedem de comunicar é para mim o melhor caminho.

I hope you like it.

Pessoal, vocês tem mais alguma dica para ajudar a leitora Renata? Aguardamos comentários.

See you on the comments area.

Aprenda mais

Gostou desse artigo? Conheça o Curso de inglês English Experts e descubra como você pode turbinar o seu inglês.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

34.jpg

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador caseiro do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Comércio Eletrônico e Ensino a Distância (EaD).

31 comentários

  • 15/11/09  
    jhcerqueira diz: 1

    Show de bola Alessandro, gostaria de incluir se possível minha experiência no que diz respeito à fluência:
    – Por fluência, descobri que não necessáriamente tenhamos um sotaque “nativo”, mas a facilidade de entender quando ouvimos, e nos fazermos entender quando falamos, mantendo o fluxo da comunicação de palavras e idéias.

    • 15/11/09  
      Alessandro diz:

      jhcerqueira,

      Obrigado pelo comentário e por ajudar a complementar a explicação do post.
      Continue participando.

      Abraço,

  • 15/11/09  
    camilo diz: 2

    opa! Legal o post. Acho que ansiedade eh um fator que atrapalha o aluno durante o processo de aquisicao, outro ponto é o estudo dos simbolos foneticos esse vai ajudar a pronunciar bem proximo ao nativo e consequemente melhorar a comunicacao e adquirir a fluencia de forma bem natural e o aluno nem percebe. E por ultimo eh tornar o idioma no seu dia-dia e nao separar ele do seu dia, como: “agora eh hora do ingles”. Acredito que nao existe o momento de “aprender”, isso deve ocupar todo o seu tempo. coisas como pensar em ingles, fala sozinho coisas bobas que falaria em portugues etc.
    abraco,

  • 15/11/09  
    Paulo Franca diz: 3

    I’ve been studying English since I was a teenager.
    I think that it is very important to have some experience, short or long, in an English speaking country, where you can live the language. The cultural environment is also part of the language. That’s why I work as a student travel agent.
    Have a great week.

  • 15/11/09  
    Matheus²³ diz: 4

    É interessante pegar as musicas em que gostamos e ouvilas bastante, tentar decifra-lás, o que eu quero dizer é ouvi-lá e traduzi-lá para si as coisas em que saiba, depois disso tente canta-lá, procure a tradução e verá que o que você traduziu às vezes é a mesma coisa em que pensou e em outras vezes terá outro sentido, e com isso veja porque aquele trecho tem outro sentido na musica e outro sentido em uma frase do dia a dia, this is interesting !!!

  • 15/11/09  
    Marcelo diz: 5

    Considero o tema bastante díficil, mesmo porque não temos bons meios para aprimorar o nosso íngles falado de cada dia no Brasil, simplesmente é quase impossível encontrar alguém que se interesse por outro idioma, numa cidade pequena como a minha no interior de SP. Como muitos, tenho estudado inglês sozinho desde que que era adolescente e sempre tive dificuldade em encontrar parceiros de estudo. Foi um milagre ter encontrado o EE, que é uma mão na roda. Eu costumo falar sozinho em casa em inglês, ler textos em voz alta e ás vezes até responder em inglês aos meus familiares que ficam “boiando”, mesmo que tenha que repetir tudo em português novamente, o prática sem receios de errar é a a chave, o que é fundamental para se chegar a fluência.

  • 15/11/09  
    Deivis diz: 6

    Every time people ask me whether I’m fluent or not I say I’m “fluentíssimo” with as much confidence as possible.
    I used to think that the benchmarks for fluency is being able to shift from one topic to the other in a conversation effortlessly, making your point come across smoothly – as well as being able to read and write without to much of a hassle neither. I then realized there are many people out there who won’t even make it through a newspaper or hold a more accurate conversation in their own tongue as they can’t grasp a-bit-complex language.

  • 15/11/09  
    Vera Tindó diz: 7

    Quanto maior o vocabulário,mais fácil fica se expressar . Eu uso dez minutos de meu dia para aprender 10 palavras novas e fazer dez frases com elas .
    Isso aumentaa fluência escrita; depois é só procurar ajuda para a pronuncia .
    Escolho palavras ao acaso, de assuntos que me interessam , ou olho gravuras e escolho aquilo que me interessa saber o nome.Enfim,tem de ser divertido…

  • 15/11/09  
    Juliana diz: 8

    bom, no meu caso eu fiz um apanhado de ingles um dia reuni tudo o que eu aprendi na escola,livros que eu guardei em casa e internet e montei no Word tudo o que eu sabia e ainda estou a aprender e saber.

  • 15/11/09  
    Rafael A Schiabel diz: 9

    Não ando tendo muito tempo para estudar inglês, mas às vezes uso a música para me auxiliar. Ouço sem cantar e tento identificar as palavras, ou ouço vendo a letra em inglês. Sites também me obrigam um pouco.
    Sabe, às vezes me pego cantando uma música em português substituindo as palavras para inglês. Engraçado.

    Abraços

  • 15/11/09  
    luis coelho diz: 10

    Alessandro: No seu texto vc diz :
    ” Após uma investigação, descobri que eles sabiam um monte de “idéias prontas” em inglês que usavam nas situações do dia a dia, para trabalhar, estudar e etc.”
    Da pra vc explicar melhor, por favor. Estudo ingles ha muito tempo, estudei em varias boas escolas no Brasil e passei 2 meses estudando no Canada. Tenho bom conhecimento mas nao sou fluente. Atualmente nao estou mais estudando em escola e estudo sozinho. Procuro ler e uso muito meu I Pod Touch. Sinto que melhorei meu listening mas confesso que nao sou muito organizado e esqueço muita coisa do que leio e ouço. Eu gostaria de me organizar melhor e usar mais a montanha de material que tenho.
    Obrigado pelo seu post.

    • 16/11/09  
      Alessandro diz:

      Luis Coelho,

      A idéia é praticar as frases que você usa com mais frequencia no dia a dia. Por exemplo:
      – “Eu vou tomar banho” (I’ll take a shower)
      – “I’ll have breakfast” (Eu vou tomar um café da manhã)

      Dessa forma você estará com as “idéias prontas” para usar quando necessário e não precisará ficar pensando na hora da comunicação.

      Did you get it?

      See you buddy!

  • 16/11/09  
    Luís Felipe diz: 11

    A questão das idéias prontas e da fluência é uma questão de manter-se o mais próximo de quem fala nativo.

    Como em um pais estrangeiro à língua nativa isto talvez não seja um trabalho fácil a minha sugestão é usar DVD. Vc aprende idéias prontas com as expressões usadas pelos personagens e mantém a maior proximidade possível com a língua nativa. É possível acompanhar o movimento dos lábios, a expressão corporal, em quais situações usar tal expressão. Veja o DVD apenas com o áudio em Inglês para indentificar as expressões que vc já sabe, depois, coloque a legenda em inglês, para aprender novas frases, por fim, treine sua pronúncia, lendo a legenda em inglês. Se quiser, abaixe o volume e leia em voz alta. É como um treinamento intensivo de inglês. Se tiver alguma duvida, você pode recorrer à dublagem ou tradução da legenda, mas que nem sempre é fiel ao original em inglês.

    Espero ter ajudado! Abraço!

  • 16/11/09  
    Heloisa Morais diz: 12

    Adorei a orientação, tenho perdido muito tempo com estudo de gramática, achei muito interessante as dicas.

  • 16/11/09  
    Rafael Marques diz: 13

    Otima dica!
    O mais importante e a convivencia, usar no dia-a-dia as frases basicas.
    Primeiro aprenda o feija com arroz e se faca bom nisso. Depois com o tempo e curiosidade va incrementando.

    PS. desculpe a falta de acentuacao, e que moro e trabalho na Irlanda e estou
    escrevedo do trampo, por isso a falta de acentos(eles nao usam).

    Cheers

  • 16/11/09  
    Patrícia Souza diz: 14

    Bom dia,

    Ainda não sou fluente mais melhorei muito a parti do momento que coloquei o aprendizado como uma meta, e outro fator importante que vem me ajudado muito e praticar através do skype ou msn inclusive conversando via microfone, e sinto que a cada dia aprendo mais conversando com meus amigos nativos!!!
    Então minha dica é essa… faça amizade e tente conversar todos os dia… !!!
    abraço.

  • 16/11/09  
    Vera Lucia Arcuri diz: 15

    Ter fluência é algo bem complexo. entendi e concordo com o método comentado. No entanto, gostaria de saber porque, apesar de ter certa fluência, tenho dificuldade em entender algumas entrevistas e filmes em inglês?

    • 16/11/09  
      Alessandro diz:

      Vera,

      Talvez você não esteja praticando tando o listening, ou talvez esteja praticando de forma incorreta. A lição 15 do curso de inglês para tímidos tem uma dica ótima para você, a dica será publicada hoje ainda. So, stay tuned for the lessons coming up next.

      See you!

  • 17/11/09  
    FATIMA diz: 16

    Ao Meu ver, para se ter uma boa influência no inglês , primeiro ter o dom de falar a língua com facilidade e 2 , mais inporttante conviver com os proprios nativos.

    se vce observar o mundo falando ingles vai percerber , mesmo eles sabendo a gramática os sutaques são diferentes , as intonações são diferente, portanto ao meu ver o ideal é realmente conviver com o nativo da língua.

  • 17/11/09  
    monica diz: 17

    Hi people!
    Adorei o tópico. Estou começando um curso agora, depois de 30 anos (fiz um ano qdo era adolescente), e tenho muita dificuldade. Achei essa idéia de usar as “tarefas” do dia-a-dia excelente. Obrigada pela dica.

  • 17/11/09  
    Joao Henrique diz: 18

    Alessandro,

    Gostaria de acrescentar à esse post que conforme a Fátima falou sobre a convivência com os que falam inglês como lingua mãe.
    Essa variedade de sotaques que enriquece o nosso vocabulário e também a fluência.
    Convivo no trabalho com um escocês por 28 dias e depois com um sulafricano por mais 28 dias.
    O resultado tem sido a melhora no meu entendimento da palavra ouvida e também no meu falar.
    Quanto ao sotaque no início eu ficava preocupado em “imitar” o sotaque deles, e isso me deixava perdido quando havia a troca de escala deles, pois o outro às vezes corrigia a entonação e o meu sotaque.
    Atualmente não me preocupo em adequar o meu sotaque ao sotaque deles, falo com a entonação e sotaque mais adequados ao meu jeito de falar.
    E eles continuam me entendendo.

    Cheers

    • 17/11/09  
      Alessandro diz:

      João,

      Você está certíssimo. O sotaque mostra nada mais do que a sua origem e isso nós não queremos esconder não é mesmo? Somos brasileiros e pronto.
      O importante é a comunicação.

      Obrigado pela participação.

      See you!

  • 17/11/09  
    cida diz: 19

    Hi people,
    I have received the tip about the english, I don´t have dificult in grammar. My great difficult is for tos speak. I know that my difficult is because I am very shy.I to get into a panic when meet a person who speak and make the possible for don´t talk with her!
    Help me, please!

  • 18/11/09  
    Dicas de Inglês :: Aprender inglês com ou sem Sotaque? diz: 20

    […] Henrique comenta: “É a variedade de sotaques que enriquece o nosso vocabulário e também a fluência. […]

  • 18/11/09  
    Flavio Ricci diz: 21

    A fluência pode se entendida de duas maneiras: Na fala, (acredito que seja a questão) esta pode ser comparada a analfabetos no Brasil. (falam normalmente, dependendo das pessoas com quem se relacionam, podem até chegar a certo requinte linguístico na comunicação oral, porém não sabem escrever mais do que seu nome e não conseguem ler mais que valores em notas de dinheiro. Mas são fluentes!!!). O Segundo é a fluência da língua. Esta compreende o mínimo, mesmo que seja na linguagem coloquial, para uma boa comunicação, seja ela verbal ou escrita.
    Para o primeiro caso, conhecer o assunto é fundamental, de facil associação e até de maior prazer.
    Neste caso, a idéia proposta acima é totalmente válida, uma outra dica muito importante é o enriquecimento do vocabulário. Imagine você fazer uma cara de faminto, passar a mão como se estivesse sentindo dor na barriga e falar: “HUNGRY”! (Uma única palavra!!! e a tão importante expressão corporal + entonação).
    Jack Scully em seu livro Break The Branch?: Quebrar o Galho (http://www.submarino.com.br/produto/1/21402609/break+the+branch:+quebrar+o+galho#A1) Apresenta frases e situações que podem ajudar e muito no vocabulário. Além do vocabulário, a forma como ingleses e americanos falam deve ser levada em conta. O português é nasal e as palavras são prolongadas, já no inglês, o som vem da garganta e as palavras são mais curtas. nossas silabas tônicas são prolongadas, as do inglês são gritadas, apenas se aumenta o volume. Até o posicionamento da língua é diferente. Sem ver as pessoas nativas falando para a gente prestar a atenção na boca deles, fica um pouco difícil incorporar a forma deles falarem. Por fim, se vale uma última dica que aprendi com um amigo alemão que falava 54 idiomas, sendo que ele aprendeu tudo sozinho. Fale e leia em voz alta na frente do espelho, sempre gravando tudo. Depois vai ouvindo e pensando o quanto esta parecido com um nativo. Repita este processo até que realmente acredite que é outra pessoa falando. Isso ajuda muito na fluência e no entendimento das palavras.
    Espero ter ajudado com essas dicas.
    Lembre-se que para ser fluente em uma língua, tem que conhecer as palavras e a forma de junta-las (gramatica), tem que conseguir ler e entender, assim como falar e se fazer entender.
    Abraço a todos.

    • 18/11/09  
      Alessandro diz:

      Flávio Ricci,

      Obrigado pelo comentário esclarecedor. Muito interessante suas dicas.

      Abraço,

  • 23/11/09  
    Lima_rio diz: 22

    Quero elogiar o colega Deivis pela forma que colocou sua mensagem toda em inglês. Acho que devíamos começar a nos expresar nessa lingua, mesmo que em freses curtas. Após aprender um pouco mais poderei estar colocando em prática isso que eu disse… See you!

  • 26/11/09  
    rafael diz: 23

    oi, gostaria de me comunicar com joão henrique, se algem tiver o email dele por favor me deem(é que eu to procurando um emprego na area de perfuração de petroleo no exterior e acho que ele podera me ajudar!)
    desde de ja agradecido

  • 26/11/09  
    Carmemm2 diz: 24

    Oi Alessandro,
    Parabéns por esta dica. O site tem me auxiliado bastante.

  • 12/02/10  
    Paulo Renê Bitencourt Sanches diz: 25

    Creio q somente o contato( interação) com os nativos pode nos ajudar. Não sou mormon, mas tenho amigos da Igreja e tiro vantagem da amizade com os missionários americanos q trabalham na minha cidade. Os chats são muito bons para girias, mas só os com som são bons. Ouvir ajuda bastante também, fico feliz quando olho filmes e consigo pegar algumas frases. Abraço a todos

  • 14/04/10  
    lucas diz: 26

    bom eu nao sei nada de nada emingles e to muito afim de aprender, ando ja faz uma semana olhando esse site e gostei so gostaria de aprender onde e em que parte eu começo do ingles, por que uma coisa eu sei eu sou esforçado sei que se me derem uma dica no que começar eu vou fazer isso
    entao people plis help-me!