Inglês Formal x Coloquial

O tópico sobre como dizer renunciar (resign ou step down) em inglês deu o que falar, o motivo é obvio, é um tema relacionado aos recentes acontecimentos no Egito. No entanto a mensagem da leitora Cristina levantou uma questão muito interessante: a diferença entre o inglês formal e coloquial. Compartilho agora com vocês:

Resign é mais formal que “step down”. É normal em inglês existir pelo menos duas formas de expressar a mesma coisa: uma latina (com mais sílabas) e outra anglo-saxônica (com palavras curtas, geralmente monossilábicas, típicas de uma origem primitiva, anterior à invasão dos normandos). Se para nós a forma latina, sempre a mais formal e mais erudita, é a mais fácil, com uma pessoa de língua inglesa ocorre justamente o oposto.

Aprenda inglês com as técnicas de quem já passou pelo processo. Experimente Grátis por 30 dias o Curso de Inglês do English Experts 3.0.

Outro fenômeno do idioma

Qualquer língua é dinâmica, novas palavras e expressões vão surgindo no cotidiano, quase sempre na forma mais coloquial, como é o caso do “step down” como substituta de “resign” (lembra da diferença entre desist e give up?). E isto vem se acelerando incrivelmente com a interação atual em tempo real e sem fronteiras.

Minha Experiência com o Inglês

Passei nove anos da minha vida só falado inglês, quando fui para os EUA eu já era fluente e com o Cambridge Certificate. Mas isto foi há 40 anos. Resultado: meu inglês coloquial é de 40 anos atrás. Na tradução de livros científicos, isto chega a ser uma vantagem, mas para ler jornais e revistas, não, absolutamente não. É claro que eu entenderia “step down” no contexto, mas jamais me ocorreria usá-lo, até porque somente hoje, neste exato momento, tomei conhecimento deste termo com a presente conotação.

As palavras da leitora Cristina são muito interessantes, traz à tona a discussão sobre a tendência de nós brasileiros de utilizar mais palavras de origem latina.

Será que isso torna mais formal o inglês falado por nós brasileiros?

Aguardo comentários!

Aprenda mais

Gostou desse artigo? Conheça o Curso de inglês English Experts e descubra como você pode turbinar o seu inglês.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

34.jpg

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador caseiro do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Comércio Eletrônico e Ensino a Distância (EaD).

24 comentários

  • 16/02/11  
    Tiago diz: 1

    Uma brincadeira:

    Uma americana olha para um homem muito bem vestido, num evento chique e ouve apenas uma frase sua com ingles formal e pensa de boca aberta: é tudo que eu quero!
    O brasileiro esperto, percebe a situaçao e pensa em portugues: véi, está na fita é da ora!

  • 17/02/11  
    Tais diz: 2

    Bom, esse é um assunto complicado. Eu acho, baseada nas minhas dificuldades, que para nós palavras latinas são muito mais facéis de serem aprendidas do que as outras, principalmente quando as outras são de phrasal verbs… acho que a maioria dos estudantes tem dificuldade, eu, pelo menos, tenho muita. Quanto a ser mais formal ou não, acho que palavras latinas são mais formais sim. Porém, seria mais interessante se acostumar com palavras completamente estrangeiras, phrasal verbs… pq sinceramente, ser formal o tempo todo parece chato e ninguém merece ficar falando igual a Bíblia.

  • 17/02/11  
    Roberto Malfatti diz: 3

    O comentário da Sra. Cristina tem substância, mesmo porque, ela já vivenciou isso na vida. O negócio é que a tendência da lingua falada inglesa, será o encurtamento das palavras na forma coloquial. Eu que estou estudando inglês mais recentemente, já senti essa mudança. As coisas vão seguir com quase abreviação das palavras, que é, na verdade, mais prática para os falantes desta lingua, em qualquer lugar do mundo.

  • 17/02/11  
    Jessica diz: 4

    Eu sou tradutora e dá pra notar o quão elevado fica o inglês quase se usa palavras latinas. Tem certos documentos (tipo Bula de remédio) em que se recomenda evitar palavras latinas porque é de difícil compreensão para o público em geral.
    E nós aqui no Brasil aproveitamos isso, né. O problema é quando a coisa desanda pro lado informal. Haja phrasal verb pra não parecer pedante. rs. =)

  • 17/02/11  
    Diego diz: 5

    Boa pergunta!

  • 17/02/11  
    Flávia Magalhães diz: 6

    Vi alguns comentários acima sobre o uso de phrasal verbs. Acho importante destacar que o uso de verbo frasal não é sinônimo de informalidade. Repetindo as palavras da Cristina “É normal em inglês existir pelo menos duas formas de expressar a mesma coisa: uma latina (com mais sílabas) e outra anglo-saxônica (com palavras curtas, geralmente monossilábicas, típicas de uma origem primitiva, anterior à invasão dos normandos). ” Foi coincidência estar no tópico resign x step down, mas não significa que a regra vai ser sempre essa.

  • 17/02/11  
    SEBASTIAO CORDEIRO diz: 7

    OLA:
    MORO A MUITOS ANOS, NOS ESTADOS UNIDOS, E LEIO TODAS AS MENSAGENS QUE RECEBO DE VCS……MUITO INTERESSANTE, PORQUE SEMPRE APRENDO ALGUMA COISA NOVA………..PARABENS .

    • 17/02/11  
      Alessandro diz:

      Sebastião,

      Obrigado pelo comentário e por acompanhar o EE.

      Abraços,

  • 18/02/11  
    Jana diz: 8

    Recebi meu primeiro e-mail hoje. Achei demais essa curiosidade! Não conhecia. Vou ler sempre.

    • 18/02/11  
      Alessandro diz:

      Jana,

      Obrigado pelo comentário e seja bem-vinda ao EE.

      Bons estudos!

  • 18/02/11  
    Sávio Canuto diz: 9

    Acredito que para quem está aprendendo outra língua, é mais fácil aprender com formalidade, e que expressões informais são assimiladas com a vivência de situações semelhantes à formalidade, mas usando expressões novas. Assim, é inevitável o crescimento de nosso vocabulário e o aprendizado em qualquer idioma.

  • 18/02/11  
    Fernando Franca diz: 10

    É claro que usar palavras latinas para as quais existem uma expressão coloquial, geralmente um Phrasal Verb, torna o Inglês formal, e soa muito estranho para os nativos. Sou do conceito de que devemos ter um bom conhecimento tanto do Inglês formal quanto do coloquial. Tenho uma amiga americana que me disse certa vez que os americanos falam o Inglês “todo errado”. Ou seja, se nós estivermos preocupados em falar certinho com eles, vamos parecer o Nerde dos Nerdes ou um bobo da corte perto deles. Por exemplo, nós aprendemos todas aquelas regras gramaticais Inglesas para “falarmos um Inglês perfeito”. Aí de repende estamos assistindo ao clipe “Black or White” de Michael Jackson com legenda, onde ele diz: “And if you think of being my brother, it don’t matter if you’re black or white”. Ué…não era pra falar “it DOES’T matter”?? Pois é, ele falou errado, mas este é o jeito deles falarem no dia a dia, e não é que este clipe faz sucesso até hoje? Tenho um amigo americano também que fica impressionado com meu Inglês (e olha que não me considero bom), por dois motivos: Minha pronúncia e o modo informal como procuro falar. Cool! Isn’t it??

    • 18/02/11  
      Alessandro diz:

      Fernando,

      Muito bacana o seu comentário, obrigado por trazer informações tão interessantes.

      Abraços,

  • 18/02/11  
    Alan Bastos diz: 11

    Prezado Alessandro, companheiros e acompanhantes do English Experts.
    Como sempre, o assunto sobre o Inglês formal e o coloquial é de suma importância, até mesmo porque há uma tendência de que o Inglês coloquial (que se utiliza do Inglês anglo-saxônico que se utiliza de palavras mais curtas e, de certa forma, mais rápido) seja cada vez mais utilizado pelos falantes do Inglês.
    Nós brasileiros gostamos de usar o Inglês baseado na formalidade (origem latina), ou melhor a maioria dos cursos de Inglês no Brasil no ensinam assim, e por isso achamos mais conveniente usarmos palavras e frases longas, as quais, em alguns casos, são completamente desnecessárias.
    O mundo tem uma nova velocidade, como o próprio Alessandro nos confirmou, através da sua experiência de 40 anos atrás, quando tinha um aprendizado todo voltado para o Inglês formal (o que se torna uma vantagem se for utilizada para a tradução de livros científicos, mas para a comunicação rápida e eficaz, definitivamente não tem muita relevância).
    Mais uma vez, o site nos trouxe mais luz e dinamismo no ensino e no aprendizado dessa língua maravilhosa.
    Como sou auto-ditada, aprendi o Inglês da maneira mais simples e por isso me utilizo muito do Inglês coloquial, sem tirar o mérito do Inglês formal. Portanto, esta dica do English Experts traz ainda mais luz para nós, amantes e aprendizes eternos do Inglês.

    Thanks, see you around…

    • 18/02/11  
      Alessandro diz:

      Alan,

      Obrigado pelo comentário e pelo apoio ao EE.

      Bons estudos!

  • 21/02/11  
    Alessandro diz: 12

    @todos

    Obrigado pelos comentários e pela discussão sadia que vocês estabelecem aqui no EE em todos os posts. Vocês são demais (You are top notch!).

  • 22/02/11  
    José Henrique diz: 13

    Acho que fiquei tão condicionado pelos estudos que chega a me doer nos ouvidos quando ouço os americanos simplesmente ignorarem os verbos auxiliares em perguntas como por exempo:
    What you think abou?
    ou
    you have an answer?

    E por incrível que me pareceu vários falam dessa forma. Fiquei tão bitolado pelos estudos que não consigo mais falar assim nem querendo. Até o ain’t tenho dificuldade de usar.

  • 22/02/11  
    Thaís diz: 14

    A despeito de toda a discussão, acredito que o melhor é saber se comunicar.
    É claro que usar os ‘famosos’ phrasal verbs torna a conversa mais… solta, ainda que a forma latina seja mais próxima de nós, brasileiros… Minha experiência me mostrou que os nativos em inglês se mostram tão amistosos como qualquer latino ao perceberem que alguém está se esforçando para falar o idioma deles…

  • 05/03/11  
    Frederico diz: 15

    Certamente, o inglês internacional produzido por brasileiros, franceses, italianos e espanhóis, por exemplo, torna o inglês mais erudito devido ao uso de termos latinos e gregos facilmente encontrados em termos do dia a dia.

    O interessante é notar que o inglês erudito é muito valorizado em meios acadêmicos. E grandes empresários e pessoas que querem mostrar erudição e cultura primam por ter um vocabulário diferenciado.

    O fato é que o norte-americano com nível educacional baixo tem um vocabulário pobre, não tem os melhores empregos e, consequentemente, recebem menos. O mesmo fenômeno ocorre com o brasileiro com pouco nível educacional. Se você notar, o brasileiro que não prima por ter um vocabulário erudito usa um mesmo verbo, por exemplo, em diversos contextos. Um brasileiro com pouca instrução fala assim: PEGUEI o ônibus. PEGUEI um resfriado. PEGUEI fulano com a boca na botija. Já um brasileiro que prima por ter um vocabulário mais elaborado, vai falar mais ou menos assim: EMBARQUEI no ônibus. CONTRAÍ um resfriado. FLAGREI fulano.

    Vocabulário erudito é sinônimo de status em qualquer país ocidental. Os norte-americanos que buscam cargos de liderança e chefia primam por escrever e falar bem.

    Quem quiser ter um inglês mais elaborado e erudito, recomendo o curso em MP3 chamado Verbal Advantage. Eu tenho esse curso. Excelente para deixar seu inglês apropriado para falar com norte-americanos líderes em empresa, líderes no governo, líderes no meio acadêmico, líderes no meio cultural.

    Lembre-se: brasileiros e norte-americanos que querem crescer profissionalmente se preocupam em ter um vocabulário mais amplo e erudito.

  • 05/03/11  
    Frederico diz: 16

    O curso Verbal Advantage pode ser comprado na Amazon.com

  • 25/05/11  
    Joelffy diz: 17

    Bom dia.
    Sou novo neste site, embora já tenha começado a acompanhar seus posts desde o começo do ano. Não pretendo entrar nesta discução (vou recolher mais informações… rsrs), estou apenas me apresentando aqui.
    Abraço a todos e até a próxima.

  • 15/06/11  
    nonato nunes diz: 18

    fala amigo sou autodidata como você apredi primeiro o inglês coloquial e algumas girias depois apredi o inglês formal tudo sozinho então decidi entrar numa faculdade de letras não fui bem aceito recebi agumas criticas de colegas e principalmente professores quando usava frases do tipo : ain´t got no money to go for it, i gonna get it for you, gotta go home, got lotta to do buddy etc. imagine se eu tivesse começado pelo formal tava ferrado.

  • 22/06/11  
    Seven diz: 19

    Knocked my socks off with knlowedge!

  • 28/08/11  
    Angelo diz: 20

    oie, eu gostei do site, mais ainda não eh isso que eu quero..
    Quero mais referencias de palavras coloquiais, faladas no dia-dia, como: u, 2day, 2night, 2me..
    essas coisas.
    SE vc poder me ajudar..
    Agradeço desde agora..