Intercâmbio depois dos 30: Lições de um Subemprego

Acredito que a meta de muitos brasileiros que desejam morar em outro país ou fazer um intercâmbio seja encontrar o tão sonhado emprego em sua área de atuação. Afinal, era uma das minhas metas também.

Cf. Intercâmbio depois dos 30

Contudo, antes de vir, fiz muitas pesquisas sobre oportunidades de emprego na minha área e, depois de refletir bastante sobre os motivos que me fizeram largar o ótimo emprego que tinha em uma multinacional, percebi que mais que um bom emprego, eu queria mesmo era aprender.

Aqui tenho que abrir um parênteses – seja lá qual for sua crença ou religião – muito cuidado com o que voce pede/deseja (rs). À custa de muito choro e noites mal dormidas, aí esta o que eu aprendi… Confira!

Salesperson

De psicóloga à vendedora

Customer Advisor é o nome fancy que eles dão aqui para vendedores – ou um dos  nomes. Também chamam de Salesperson, Customer Assistant, Shop Assistant entre outros.

Na verdade, acredito que não chamam de salesperson o que fazemos no meu trabalho porque, na verdade, não vendemos diretamente. Digo, lá na loja ninguém vai ficar atrás de você tentando te vender alguma coisa, aliás, são pouquíssimas pessoas no shop floor pois é uma loja de catálogo (online).

Acredito que no Brasil não exista um modelo de loja como a que eu trabalho. Apesar de termos mais de 8 mil produtos disponíveis, quase nada fica exposto. Ou seja, você entra na loja e tem vários computadores para consulta ou o catálogo – que é como aqueles catálogos da Natura e Avon, só que com mais de mil páginas!

Os produtos são divididos em categorias: Jewelry & Watch, Office, Pc & Phones, Home Entertainment, Home & Furniture, Toys & Games, Sports & Leisure, Garden & DIY, Health & Personal Care, Nursery and Photography. Ficou cansado só de ler? Pois é, teoricamente, os Customers Advisors devem saber um pouco de tudo. Por isso repito, muito cuidado com o que você deseja…

Micos, choro e um catálogo debaixo do braço

Muita gente pensa que é só se mudar para outros país que seu cérebro vai absorver inglês como uma esponja e que em 3 meses você já estará fluente. Doce engano: o máximo que  consegui nos meus primeiros 90 dias em Dublin foi uma dor de cabeça frequente, por estar 24h ligada tentando entender as pessoas.

Cf. Intercâmbio em Dublin (Irlanda)

Quando consegui o emprego, estava em Dublin há pouco mais de 2 meses e ainda tentava me acostumar com o Irish accent.

Meu primeiro fora foi quando depois da entrevista, a moça do RH, depois de 40min falando sobre procedimentos, treinamento online e etc.,  disse que eu começaria Thursday (Quinta-Feira) e eu perdida com a velocidade com que ela falava e com o sotaque, entendi Tuesday (Terça-Feira). Ou seja, comemorei o fim de semana todo meu novo emprego e apareci no trabalho 5 dias depois, toda feliz. Obviamente, o gerente veio me perguntar na terça-feira por que eu tinha faltado e eu fiquei roxa de vergonha por ter entendido errado.

Cf. Dias da Semana em inglês

Meus primeiros dias foram dolorosos, entre tentar entender os clientes e meus colegas de trabalho, eu ainda tive uma avalanche de vocabulário novo. Obviamente, o professor na escola não vai te ensinar o que é um kettle (chaleira elétrica), airer/clothes horse (varal de roupa que você usa dentro de casa), toaster, travel plug (adaptador de tomada), e outras coisas comuns. E claro, se você fala inglês e está na Irlanda, você sabe o que é um airer, né? Imagine o cliente tentando comprar um airer e eu escrevendo errado no computador e ainda tentando imaginar o que diabos era!

Crying Woman

Paguei muitos micos, chorei muitas noites e andava pra cima e pra baixo com o catálogo da loja no sovaco na ilusão de que eu aprenderia os nomes dos 8 mil produtos num passe de mágica.

Até macaco aprende e eu sou uma jungle girl

Após oito semanas, consegui meu sonhado emprego onde eu aprenderia muito, pensei em desistir, pois achava que meu inglês não era bom o suficiente e porque tudo estava bem difícil. Além de tudo isso, eu ainda tinha algumas metas que eram ligadas ao meu desempenho, como o Replacement Product Care – uma garantia estendida, que vendemos para eletroeletrônicos, jóias e relógios.

Aí, meu amigo, você precisa de muita lábia para convencer o cliente a comprar o que ele não precisa e ainda por cima é preciso ser subtle (sutil). Eu, com muito esforço, havia conseguido vender algumas insurances (garantias), mas ainda estava abaixo da meta.

Arrasada e com medo de perder o emprego, liguei para um grande amigo que mora aqui há anos e que havia trabalhado na mesma loja. Depois de ouvir todo meu mimimi sobre o quão difícil era, que eu não entendia o sistema e etc., ele disse: “se fosse no Brasil, você acharia esse trabalho o mais bobo do mundo. Para né? Até macaco aprende a trabalhar nesse till (caixa)”. Foi o tapa que eu precisava.

Você está onde merece

Muita gente entregava currículos na loja, irlandeses então? Aos montes. Sempre me perguntava se não seria mais fácil o gerente ter contratado um deles pois não teriam dificuldade nenhuma com o idioma.  Porém, o que aprendi depois, é que não é só porque é irlandês que seria bom colaborador. Meu gerente viu potencial em mim e depois que eu percebi isso, me senti agradecida por estar no lugar onde merecia.

Cf. Como Escrever um Currículo em Inglês

Depois que parei de mimimi, comecei a me divertir muito no meu trabalho. Um ano depois, eu estava treinando os novos colaboradores (todos irlandeses) no till… Sim, naquele till que até macaco aprende, e percebi que os mesmos erros que cometi, eles também cometiam.

Fui treinada em outras áreas da loja e adquiri mais responsabilidades. Já fui destaque por ter vendido mais insurances no mês e também já atendi os clientes tão bem que recebi duas propostas de emprego enquanto estava trabalhando.  Uma das propostas foi numa das joalherias mais tradicionais daqui de Dublin.  Com gentileza, trabalho árduo e paciência, se vai longe.

Frozen para meninos e uma mala para um mochilão

A raridade da vida está em enxergar beleza nas coisas do cotidiano e essa talvez seja a maior lição que aprendi até agora.

Já vi uma mãe comprando uma boneca do Frozen para um garotinho de 4 anos e nunca vi um sorriso maior que o que ele deu, quando a boneca começou a cantar Let it go.

Também pude ter meus 10 minutos de inspiração, enquanto um senhor comprava uma mala (what?) para o “mochilão” que ele ia fazer aos 75 anos.

Backpacker

Já vi uma chinesinha chorar de emoção porque o hoover (aspirador de pó) que ela queria estava pela metade do preço e já levei bronca de uma senhorinha de 68 anos, que pedala 20km todos os dias, porque sou sedentária.

Além disso, há as histórias de amor: desde um garotinho de 6 anos que pediu para mãe para comprar um anel para pedir a professora em casamento a um casal gay que me fez revirar a joalheria inteira para achar um par de alianças pois eles casariam na manha seguinte.

Quando alguém me critica porque larguei meu “emprego estável” no Brasil para virar uma mera vendedora na Europa, eu nem me esforço para contar toda essa história.

Longe de estar acomodada, sei que há um mar de possibilidades à frente. A oportunidade de aprender e se reinventar só acontece quando você deixa de fazer o que sempre fez e se joga nessa experiência maluca e às vezes dolorosa chamada aprendizado. Se está fácil demais, é melhor pular para a próxima lição.

Sobre a autora: Sanae Yamashita nasceu e cresceu no meio da Floresta Amazônica. Apaixonada por pessoas e histórias, saiu de Manaus pra comemorar os 30 anos na Irlanda e nunca mais voltou. Hoje trabalha como Customer Advisor em Dublin e entre uma história e outra, faz origamis e compartilha a vida com um inglês engraçadinho que tenta aprender português.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

25.jpg

Autor Convidado

Este artigo foi escrito por um Autor Convidado do English Experts. Confira o nome do autor no rodapé do texto acima. Seja um colaborador, clique aqui e saiba como participar.

21 comentários

  • 05/10/16  
    José Correia diz: 1

    Fiquei muito admirado com sua coragem, realmente deixar um emprego estável para uma aventura que vai deixar muitas histórias.
    Parabéns.

    • 21/10/16  
      Sanae diz:

      Obrigada José!

  • 05/10/16  
    hbamarante diz: 2

    Show de bola. Bacana o relato, eu estou quase tomando coragem também.

  • 06/10/16  
    levisilva diz: 3

    Esse artigo é uma dose de inspiração!!

  • 06/10/16  
    Fernanda Souza Braz diz: 4

    Super inspirador, amei o artigo.

  • 06/10/16  
    Denise Martins diz: 5

    Sanae, como você faz para estar aí trabalhando legalmente uma vez que é brasileira e não está mais, obviamente, como turista? Uma das maiores preocupações é estar em uma país de forma ilegal. Isso não me agrada, pelo contrário, me preocupa.
    Obrigada, adorei sua história.
    Denise

    • 21/10/16  
      Sanae diz:

      Ola Denise, tudo bem?
      Não estou ilegal, vim como estudante. Aqui na Irlanda o visto de estudante permite que você trabalhe 20h semanais e durante alguns períodos do ano você pode trabalhar até 40h.
      ;)

  • 06/10/16  
    paulocascavel diz: 6

    Muito bacana. Inspirador :)

  • 07/10/16  
    carminda diz: 7

    Amei, amei tudo que li , apesar de ter 63 anos tento entender e tornar meu ingles um pouco mais fluente , mas como a prática é a alma do negócio , não consigo chegar ao meu objetivo pois não tenho como praticar,porém tudo que li me deu uma esperança e certeza que não sou a única a ter dificuldades com este idioma que tanto amo !!!! Parabéns Sanae Yamashita

    • 21/10/16  
      Sanae diz:

      Isso mesmo Carminda, não desista!! Quando estava na escola, tinha umas colegas espanholas acima dos 60 tb. Melhores colegas de classe que tive, super aplicadas!
      Beijos

  • 07/10/16  
    Debora spbr diz: 8

    Sanae, obrigada pelo seu post!
    Estou na fase dos micos, choro e mi-mi-mi agora rss. Mas muito disposta a sair do mi-mi-mi. Vim para Toronto a 5 meses (aos 41 também larguei minha vida confortavel em SP) para fazer uma pos graduação de 2 anos. O ingles formal é mais facil de entender, por exemplo quando assisto uma aula na pós é até tranquilo. Mas criei uma classificação para mim mesma que chamo de “ingles de rua” (e que é diferente do “ingles de viagem”) e é aí que o bicho pega. Onde se fala tudo na base de “phrasal verbs” e com a velocidade muito diferente dos livrinhos de ingles, onde se fala “M-y n-a-m-e i-s P-e-t-e-r. I w-o-u-l-d l-i-k-e t-o t-a-l-k…”, ninguem fala assim no mundo real. Faço alguns trabalhos voluntários e me sinto completamente idiota em algumas situações que parecem banais (mesmo tendo uma certificação IELTS score 7, o que não é ruim…). Minha situação fica pior porque odeio assistir TV e seriados (percebo que quem gosta já vem com mais facilidade). Estou me forçando a assistir TV mesmo sem gostar e estou procurando algum site onde as lições sejam situações com trechos de filmes. Se alguem conhecer please me fala… De resto, vc falou tudo, só o tempo de experiencia no mundo real mesmo e tentar se divertir no processo porque se não fica chato (meu marido também sempre me fala isso, divirta-se no processo…).

    • 21/10/16  
      Sanae diz:

      Obrigada por dividir sua experiência Débora. Realmente o inglês do cotidiano às vezes é mais complicado. Aqui na Irlanda ainda tem o agravante do sotaque… pessoas de certas áreas tem o sotaque tão forte que nem meu marido que é inglês entende.
      Quanto à TV, eu tinha dor de cabeça quando voltei a assistir pq ficava tentando entender os detalhes, mas hoje eu só sento e assisto as coisas que me interessam e cada vez entendo mais.
      Eu amo ler, mas eu não conseguia ler livros em inglês. Até que descobri que era pq o tipo de leitura não me interessava.Voltei a ler coisas sobre Psicologia, espiritualidade e etc que são coisas que eu gosto, em inglês e me surpreendi.. a gente perde demais na tradução.
      Eu ainda nao entendo todas as palavras por conta da complexidade dos livros, por isso eu sempre aprendo uma coisa nova.
      Eu já desisti de chegar a um “final” em relação ao inglês. Aprender é trabalho pra uma vida inteira.
      Abs,

  • 11/10/16  
    Renata Brito diz: 9

    Esse texto era tudo o que eu precisava! Estou trabalhando nos EUA e tambem tenho ainda muita dificuldade com a lingua. Sempre me pergunto porque eles me escolheram ao inves de um americano (a). Temos mesmo essa mania de nao nos dar o devido valor! Este texto realmente abriu meus olhos, muito obrigada!

    • 21/10/16  
      Sanae diz:

      Que ótimo Renata! Por sermos imigrantes a gente se diminui muito..
      Boa sorte na sua jornada!

  • 11/10/16  
    Uonjimba diz: 10

    Gostei de “I guess wel see how it goes”

  • 14/10/16  
    Wesley Cruaia Cleme diz: 11

    Olá pessoal.

    Este texto deu um boost nas minhas esperanças!

    Concordo em gênero, número e grau com esta frase:
    “Com gentileza, trabalho árduo e paciência, se vai longe.”

    See u.

  • 26/10/16  
    DELENA diz: 12

    Sanae: Achei sensacional a sua historia. Quem dera eu tivesse essa coragem, pois sou bem medrosa.

  • 26/10/16  
    joneios diz: 13

    Bela história. Dá uma injeção de ânimo.

  • 04/11/16  
    AlessandroInacio diz: 14

    Nossa, que demais sua história. admirável e inspiradora, parabéns!!!

  • 07/11/16  
    Verônica Rodrigues diz: 15

    Obrigada por compartilhar a sua história conosco. Ela contribuirá para relaxar a mente daqueles que sofrem com o aprendizado de um novo idioma. O seu exemplo é um gatilho de incentivo.

  • 29/11/16  
    adirfer diz: 16

    Lindo relato, Sanae. Com 25 anos de magistérios under the belt ainda vejo pessoas com ilusões linguisticas bem aquém da realidade (o tal de aprender em 3 meses). Que bom que você vem explicar como foi sua experiência e como isso te ajudou a evoluir linguistica e humanamente (trabalhar com pessoas não é fácil!). Keep up the good work and thanks for sharing!