Minha Primeira Viagem para os EUA

Orlando EUAOi Amigos, acabei de chegar de uma viagem que fiz para Miami e Orlando (Disney) e vou relatar como foi essa primeira experiência e como foi falar com um nativo. Antes de começar, tenho que dizer que faço Inglês a uns 3 anos com um professor particular (Brasileiro).

Bom, chegando em Miami peguei um táxi direto para o Porto porque iria fazer um Cruzeiro, a primeira impressão não foi das melhores porque tentei puxar papo com o Taxista e o mesmo era um Ignorante, bem grosseiro mesmo, deixei de lado e não quis mais papo.

Aprenda inglês com as técnicas de quem já passou pelo processo. Experimente Grátis por 30 dias o Curso de Inglês do English Experts 3.0.

Chegando ao Cruzeiro ai o bicho pegou, já digo que se você não sabe nada de inglês nem se arrisque a fazer um Cruzeiro Gringo, 99,99% das pessoas lá dentro são estrangeiros. Só encontrei uns 3 funcionários brasileiros. Ainda bem não é? rsrs.

Bom chegando lá fiquei um pouco assustado, digo que em um primeiro momento fiquei um pouco chateado, comecei a pensar que os 3 anos de inglês não serviram pra nada, as pessoas falando, vomitando palavras e eu entendo 3 ou 4 palavras. Pensei:

– Poxa, aquelas horas que gastei ouvindo podcast não adiantaram? O que esta acontecendo?

Deixei esse pensamento de lado e bola pra frente, tinha que encarar tudo aquilo e tentar me virar, sem medo e foi isso que fiz. Acho que aquele taxista que me levou para o Porto não era americano, porque das pessoas que estavam no Navio a maioria era dos EUA e que povo receptivo, bem humorado, alegre e que gosta de pessoas estrangeiras. Muitas pessoas puxaram papo comigo, nem que fosse pra dizer alguma besteira do tipo …

– Poxa, hoje tá ventando muito!

Com o tempo acho que o ouvido vai se acostumando e comecei a entender melhor o que eles estavam dizendo e conseguia responder normalmente, consegui manter uma boa comunicação. Claro que em algumas horas não dava pra entender, não sei explicar, parece que eles falam palavras juntas. Por exemplo, o café da manhã você pode receber no quarto, e imagine 8 da manha você acorda com o telefone tocando e um cara do outro lado da linha falando:

– Gooooooood Morning, can I deliver your breakfest?

É simples, mas eu tinha acabado de acordar, assustado e quando pego o telefone o cara fala essa simples frase e eu não entendi. Só falei YES ;-)

Em Orlando a mesma coisa, como estava em lua de mel, usei um botton falando “Just Married” e nas filas dos parques muitos americanos vinham dar os parabéns e já puxavam papo, quando falava que era do Brasil demonstravam surpresa. Muito Legal. Mas foi a mesma coisa do Navio, consegui ter comunicação. Às vezes não conseguia entender o que falavam, as vezes tinha que pensar antes de falar em outras situações falava sem pensar e a frase até que saia correta.

Com isso tudo conclui que tenho que continuar estudando muito mais para ter um inglês perfeito, principalmente o Listen. Vou tentar arrumar tempo para ver filmes sem legendas ou com legendas em Inglês e vou trocar de professor. Quero começar aulas com um professor nativo.

Bom é isso, se alguém já passou mais ou menos pela mesma situação e tem alguma sugestão que possa me ajudar fique a vontade para dizer.

Aguardo comentários!

Abraços,

Sobre o Autor: Rafael (Estudante de inglês e participante assíduo do fórum do English Experts).

Aprenda mais

Gostou desse artigo? Conheça o Curso de inglês English Experts e descubra como você pode turbinar o seu inglês.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

25.jpg

Autor Convidado

Este artigo foi escrito por um Autor Convidado do English Experts. Confira o nome do autor no rodapé do texto acima. Seja um colaborador, clique aqui e saiba como participar.

69 comentários

  • 20/12/09  
    Carla diz: 1

    Deve ter sido demais a sua viagem! O sonho da minha vida é fazer intercâmbio para poder aprender (num é nem aperfeiçoar, por que o meu inglês é bem básico mesmo). Mas eu já tive uma experiencia legal de poder falar com uma pessoa que tinha o inglês nativo. No meio desse ano, uma menina veio fazer intercâmbio na minha escola. Ela é da alemanhã, mas fala inglês. Ai lá vou eu um dia tentar conversar com ela. Como era uma conversa bem básica eu até que me sai bem. Foi tipo assim: – Hi, what’s your name? – My name’s Laura. – Ohh, it’s very nice too meet you…
    E por aí foi, no mesmo dia num outro momento, uma menina que estava perto chegou pra mim e perguntou onde eu havia aprendido falar em inglês, eu olhei pra ela, e meio que com ironia respondi: ‘Aqui!’. A menina olhou pra mim e riu, um tanto sem graça. As vezes eu penso em como as pessoas não aproveitam o que aprendem. Numa escola de ensino médio, por mais simples que seja o ensino do inglês você pode aprender muita coisa. Eu sempre tive ‘ansia’ de saber falar, escrever, ler e escutar em inglês. Até hoje nunca fiz curso particular, mas posso afirmar que, pelo menos no meu ciclo social, eu tenho mesmo nível do que muitos que fazem ou já fizeram curso! =)

  • 23/12/09  
    Julius diz: 2

    Meu eu ri muito com essa história ( não me leve para o lado mau ), bom uma menina que está na Inglaterra já tinha comentado isso bastante, o lance do listening, ela disse que para você aprender inglês a maior parte é o listening, então vai um dica escuta bastante.. assista bastante series ou alguma coisa que você se interesse :D.. sempre treinando o listening, pq é com ele que vc vai aprender a maior parte do inglês, igual quando somos crianças, nos aprendemos escutando, então era só isso mesmo, bye.

  • 24/12/09  
    Marcelo Silva diz: 3

    Ola, sou Marcelo e tambem ‘e a minha primeira vez nos Estados Unidos, New York, e morando aqui ha um ano. Eu, alem de ser formado em letras havia estudado ingles por mais ou menos 3 anos antes de ir a faculdade, ou seja ja havia passado por todo o processo. Por incrivel que pareca, O ingles que aprendi nao fi da faculdade, e sim do meu primeiro curso que durou um ano e depois sozinho, mas eu praticava muitoooooooooooo, e por isso quando cheguei em New York fui trabalhar em Manhattan em um salao de beleza americano e gracas a Deus consegui direitinho, me comunicava, entendia, mas confesso que foi dificil, minha cabeca doia muitooo, pois embora estudasse muito no Brasil nao estava acostumado a ouvir toda hora as pessoas falando e isso me dificultava sim o entendimento de algumas coisas. Hoje depois de apenas um ano e frequentando uma escola de seg. a quinta quatro horas por dia, posso dizer que tudo tem se tornado natural ,melhporou 92 %, frequento igrejas onde as pregacoes soa em ingles e acompanho se problema algum, conversso com minhas clientes normalmente e sem estresse, o medo passou, estou muito feliz por isso e agora quero fazer mestrado, para assim continuar mantendo contado com a lingua. Se vc realmente gostar de ingles e se dedicar e nao ter medo da lingua vc se desb;loqueia com certeza, alem do mais conviver aqui te coloca no dia-dia da lingua o que realmente ajuda muitooo, desde que vc ja tenha alguma bagagen!!!! abracossssss!!! descual;pem a falta de acentoo.

  • 25/12/09  
    Ricardo Anselmo diz: 4

    Hi Rafael!

    Sua experiencia me fez lembrar minha primeira viagem para os EUA. Estudei durante 7 anos em escolas particulares e na última resolvi sai quando havia chegado no second level do inglês avançado. Percebi que naum tinha nem o inglês intermediário, minha conversas em inglês eram horríveis… Decidi abandonar o curso e contratar um professor particular.
    Consegui um professor particular e nativo, isso me ajudou muito a melhorar meu ingles. Como foi comentado no post por outras pessoas, o importante eh ter um bom professor, que entenda e tenha experiencia, independentemente de ser nativo ou naum, e sua determinacao. Considero o maior desafio de minha vida aprender ingles. Ja consegui muitos sucessos em minha vida e falar ingles ou uma segunda lingua foi sempre minha maior dificuldade. E olha que utilizo de todos os recursos que possam existir para melhorar o ingles. Tenho aulas semanais com meu professor nativo e todas as aulas nao ha convesas em portugues. Meu professor fala muiiiiiiiiiito pouco portugues.
    Quando fui pela primeira vez para os EUA tudo o que aconteceu com vc aconteceu comigo. E teve mais um agravante: minha timidez me atrapalhou ainda mais na minha comunicacao. E eh ai que voce percebe quanto valeu seu esforco em estudar ingles ou estudar em escolas particulares. Existem muitas escolas sérias que se preocupam com o aprendizado. Outras simplismente se preocupam apenas no negócio e fazer dinheiro. Sempre digo que troco meus “sei-lá-quantos-anos” de estudo de ingles nas escolas que passei por 3 meses nos EUA. Quando vc vive (respira, ouvi, olha, senti etc) em ingles, o aprendizado eh mais rapido. Hoje procuro trazer essa realidade para minha vida, morando aqui no Brasil. É dificil porque nós estamos no Brasil. Mas tente criar um clima pra vc mesmo como se vc estivesse nos EUA. Exemplo: tudo o q voce diz em portugues, procure tambem falar em ingles, mesmo sozinho, ou no pensamento. Isso me ajuda muito hoje. Já fiz mais de quatro viagens de férias para os EUA e já tenho uma nova viagem para 2010. Acredito que dessa vez vou me sair bem melhor que a primeira.

    Regards,

    Ricardo Anselmo.

  • 26/12/09  
    Ricardo diz: 5

    Alessandro,
    Valeu por mais essa dica preciosa. Consultei o ESL e realmente é ótimo. Já comecei a baixar os Pods. Uma coisa muito legal também é colecionar livros da Richmond Readers. Existem vários temas conhecidos como Smallville (da série Superman). Há outras publicações semelhantes, mas eu gostei mais da Richmond. Os livros são ilustrados, vêm com CD de audio, e são distribuídos por níveis (Beginneres-300 headwords, Elementary-600 headwords, Pre-intermediate-1000 headwords, Intermediate-1500 headwords). E ainda tem exercícios ao final. Vale a pena conferir. Abraços.

  • 26/12/09  
    Felipe Duque diz: 6

    Fantástico! Parabens!.. Muito engraçado meu…
    “goooood morning!”.. cara meus parabens

  • 27/12/09  
    Valderino de sena diz: 7

    Que legal essa sua experiência! Deve ser bem interessante um passeio desse tipo, pois é assim que realmente se aprende o inglês, é batendo de frente. Você foi muito corajoso ao chegar num país desconhecido e enfrentar todos os desafios, que muitas vezes a gente acha que são fáceis de enfrentá-los, apesar de se ter um pouco de conhecimento da língua. Parabéns!

  • 28/12/09  
    Susana diz: 8

    Muito legal dividir sua experiência conosco, pois assim não me sinto tão só, achando que apenas eu não consigo entender tudo o que os americanos falam. Concordo que precisamos sempre continuar estudando mas o difícil realmente é arrumar tempo para isso.
    Abraços

  • 29/12/09  
    Luciano diz: 9

    Essa experiência é muito interessante. Estive na Europa no mês de novembro com um amigo meu que fala o inglês fluente. Fui a negócios e já no avião comecei de perceber a dificuldade. O meu inglês é o básico, aquele que aprendi decifrando frases do video game do meu filho. A dificuldade foi tremenda, mas como vc disse, depois do terceiro dia o ouvido começa a filtrar e o cerebro se obriga a entender. Ao final de 12 dias de iagem, digo-lhes que o inglês não é tão dificil, e sim precisamos conviver com ele dia a dia. Não tive dificuldade em fazer meus pedidos nos restaurantes, mas nas conversas de neocios, eu ficava boiando , pois eles conversavam e se eu quisesse me interar tinha que perguntar ao meu amigo, pois ele esquecia que eu não etava entendendo nada… era até cômico. Mas a idéia de um professor particular é ótima… vou providenciar um nesse ano de 2010.

  • 01/01/10  
    Fran diz: 10

    Que interessante esta experiencia de praticar o ingles no exterior, qdo estamos fazendo o curso, sempre sonhamos com isso, nunca estamos preparados, por mais que estudamos no Brasil, não é a mesma coisa em conviver diariamente com pessoas que falam direto. Faço a 1 ano, mas sei que sei pouco. Precisamos mesmo do listen p/ aprender melhor.

  • 02/01/10  
    Daiane diz: 11

    Ainda não tive a oportunidade de ir treinar meu inglês em outro país, mas estudo com um nativo Britânico, e tem me ajudado muitoo, percebo a enorme diferença entre ele e a esposa (que é brasileira, mas já fala inglês a uns 20 anos). O sotaque é completamente diferente, e olha que ela morou um longo tempo em Londres. Espero sentir pouca dificuldade quando for :-)

  • 03/01/10  
    Fábio diz: 12

    Eu passei por uma experiência muito parecida tbm. Fiquei 2 meses na Inglaterra trabalhando e morando sozinho. Nas primeiras semanas foi terrível, pois você realmente não entende muito bem e sempre pede mais de uma vez pra pessoa repetir. Mas depois de um tempo é meio que automatico e vc começa a entender melhor tudo. Outra coisa é que muitas frases são tão usadas que a partir de um momento você ouve e fala quase que automaticamente. É realmente uma experiência incrível e estando lá você aprende por osmose o inglês. :D Espero um dia repetir essa experiência.

  • 04/01/10  
    Mirian diz: 13

    Olá Rafael!

    Interessante! Quando comecei a ler tive uma impressão diferente da de quando terminei…

    Qdo. estive pela 1ª vez nos EEUU, mesmo sabendo coisas básicas, quase chorei qdo. um amigo da minha filha começou a falar comigo e eu não entendi nada…

    Ficando la por 42 dias fui relaxando e já estava bem melhor quando voltei e minha filha ficou na casa de minha irmã, na Virginia.

    Minha filha se casou a 5 anos com um americano, depois de ter voltado de lá em 6 meses, dado aulas em várias escolas de ingles, inclusive na Cultura Inglesa e um dia, apos conhecer uma amiga na Carolina do Norte e ido passar o Natal na casa dela, em volta ao Brasil, conheceu o rapaz, com quem fez muita amizade. Ela, que não pretendia mais ir para lá, acabou por ser conquistada por ele e se casou… eu, continuo apavorada quando um americano fala comigo, porque não entendo absolutamente nada, mas resolvi relaxar e comecei a pegar os sentidos importantes das frase, e acabo acostumando que minha filha , ao lado conserta alguma coisa e me ajuda e não me esforço, mas acabei de passar o natal e final de ano lá e meu marido, que teve a mesma experiencia que os brasileiros teem, disse que vai estudar ingles para voltar e conversar decentemente…

    É muito verdade que os americanos são receptivos, alegres e adoram o som do portugues. Tive várias experiencias com isso, mas vou me juntar ao meu marido e me esmerar no ingles. Ainda bem que existem sites como este, não é?

    Sucesso para você!

  • 04/01/10  
    Lincoln diz: 14

    Interesting remarks!
    I remember the first time that I was face to face with an English native speaker…! I’m very shy to speak English. He was very friendly, but I confess that I was some frustrated and I couldn’t enjoy it enough!

  • 05/01/10  
    Denilson diz: 15

    Olá! Sou novo por aqui e dei de cara com este post! Achei muito interessante pois vou passar por tal situação.
    Ficarei nos Estados Unidos por seis meses fazendo o HighSchool. Estudo Inglês há dois anos, ainda tenho muito a aprender.

  • 06/01/10  
    EVELISE PEUCCI diz: 16

    É de fato interessante saber que muitos de nós, brasileiros, passamos quando viajamos ao exterior e precisamos exercitar nosso inglês. Estudei 2 anos na Cultura Inglesa e estou voltando na Berlitz agora para, de fato, “estudar”. Isso porque, estive nos EUA em outubro e,s e não fosse minha cara de pau, teria me atirado no primeiro avião de volta ao Brasil.
    Tentei me expressar em inglês da melhor forma possível e fiquei atenta ao que os outros conversavam, para aprender mais. Quando não sabia como me comunicar, pedia ajuda aos próprios americanos, e fui super bem atendida. Por isso mesmo, ESTUDEMOS, pois é necessário!

  • 28/01/10  
    Rodrigo diz: 17

    É por essas e outras que to num plano bizarro de auto-estudo extremo. Fico quase 10 horas por dia, 6 vezes por semana envolvido no idioma, forçando meu cérebro a pensar em inglês. Sempre ouvindo podcasts, lendo artigos de revistas e vendo muitos filmes (com e sem legenda em inglês). Cortando quase que por completo o contato com o português. Tomando uma verdadeira overdose de estudos como mencionado num outro artigo do EE.

    Em apenas 2 semanas já consegui certos resultados. Fico imaginando como vou ficar daqui ha 3 meses vivendo nessa loucura. Só do fato de eu conseguir não ter (ou diminuir, que é o mais provável) todo esse sofrimento estando num país gringo, como disseram o pessoal, já terá valido toda a pena.

  • 23/03/10  
    Adriana diz: 18

    Passei 30 dias em NY em setembro passado, fui para um albergue da YMCA pois queria um quarto individual, e foi o mais barato e bem localizado que encontrei. Já fazia inglês há muito tempo, porém parei também por um tempo. Quando voltei a estudar, quis por meu inglês à prova. Não quis fazer intercâmbio pois achava que iria encontrar um monte de brasileiros e iria ficar falando português o tempo todo, então, minha idéia era, ficar num albergue, conhecer gente nova e de vários países. Só que não recomendo este albergue pra quem quer fazer amizade, como quase todos os quartos são individuais e não existem ambientes coletivos, demorei muito pra fazer amizade com alguém.
    Fiquei um pouco travada no começo, falei várias coisas erradas, e às vezes não os entendia, principalmente dando direções. Mas, um bom guia ajuda muito, me virei bem sozinha. Às vezes também eles não entendem a nossa pronúncia, por mais que vc ache que não tenha muito sotaque…
    Só na terceira semana é que conheci uma francesa, que também estava sozinha e fazíamos vários passeios juntas. Foi ótimo conhecê-la, ela morou em Londres por um bom tempo e falava super bem, me corrigia algumas vezes, mas foi ótimo.
    Enfim, acho que devemos viajar com uma certa noção sim de inglês, não pra não passar vergonha ou coisa do tipo, mas sim, para aproveitar ao máximo a viagem. E atitude é tudo, não tenham medo de falar, mesmo que errando alguma coisa, os americanos pelo menos são bem gentis e procuram te entender e te ajudar.

    Valeu!

1 2