Resposta ao artigo aí debaixo!

O autor do comentário que gerou polêmica ontem – encontrou algo que para ele deu super certo. Fico feliz por hoje ele estar aprendendo mais inglês e estar ganhando fluência. Coisa que no Brasil ele não conseguiu! Porém, fico muito triste por saber que ele passou pela mão de péssimos professores aqui no Brasil, péssimas escolas de idiomas, péssimas experiências de aprendizado, péssimas metodologias e por pessoas que prometiam algo e não cumpriam.

Mas vale fazer aqui fazer algumas perguntas: será que no Brasil ele era um bom aluno de inglês? Será que ele fazia as tarefas solicitadas pelos professores? Participava ativamente das aulas? Interessava-se em aprender a língua? Procurava ler, ouvir, falar e escrever quando estava por aqui? Estava realmente a fim de aprender? Motivado e comprometido em aprender? Enfim, que tipo de aluno ele era: péssimo, ruim, meia-boca, bom ou excelente? Estas são algumas das perguntas que discuto no segundo capítulo do meu primeiro livro “Inglês na Ponta da Língua: método inovador para melhorar o seu vocabulário” (páginas 12 a 42). É necessário que cada aluno de língua inglesa se auto-avalie para só depois procurar por culpados pela sua dificuldade de aprendizado.

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da Englishtown: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

Infelizmente, é muito comum ver brasileiros que nada aprendem, tacar pedras nos professores brasileiros. Sim, reconheço que há péssimos profissionais na área! Mas também não se pode generalizar! Veja bem: a maioria das pessoas que estão lendo este meu artigo agora falam português, mas será que todos se habilitam a ensinar português? O Hélio se arriscaria a dar aulas de português para estrangeiros? Acho que já dei meu recado neste ponto! Caso tenha ficado obscuro podem perguntar aí na área de comentários!

Lá onde nosso amigo Hélio está – nos States – ele acorda e dorme ouvindo inglês. Ou seja, o cérebro dele só tem uma opção: aprender inglês. Quer queira, quer não! “Ou aprende ou morre de fome, meu amigo“, como diria um grande amigo meu. Notem que aqui no Brasil não era preciso forçar os neurônios para aprender ou usar o inglês! Aqui era tudo oba oba… Aqui talvez era algo mais ou menos assim:

“Inglês iscuto só na sala di aula! Escrevê inglês!? Pra quê!? Eu moru nu Brasiu! Falá inglês cum quem!? I si falá ainda vamu falá erradu mesmu! Então, dexa pra lá! Ouvi inglês!? Só as músicas mesmu e us filmi! Ainda assim quandu é filmi eu colocu legenda que é pra entendê melhó!”

Com atitudes assim percebe-se que o inglês não é vivenciado pelo aprendiz dentro do Brasil. E ele – o idioma a ser aprendido – deve ser vivenciado em todos os aspectos. Afinal, trata-se de uma língua viva! Que sofre alterações! Palavras antigas voltam a ser usadas. Às vezes, com o mesmo significado de antes; outras, com significados diferentes e novos. É preciso observar a língua sendo usada por eles. Ver a gramática sob uma perspectiva diferente. Correr atrás! Forçar o cérebro a ouvir e ler inglês! É preciso ter atitude!

É por isto que muitas pessoas aprendem inglês perfeitamente – sotaque, pronúncia, entonação, vocabulário (nuances e tudo mais), gramática do dia-a-dia, gírias, expressões, etc – sem nunca terem saído do Brasil! Se dedicam! Têm atitude! Demonstram interesse! Estão altamente motivadas! Correm atrás!

Afinal, sem as qualidades de um EXCELENTE aprendiz nem o MAIS FANTÁSTICO dos professores será capaz de ajudar você a aprender inglês. Seja no Brasil, seja nos States, seja na England, na Australia, no Canada, wherever! English is a “thing” to be part of you! And to be part of you, you have to dedicate yourself as much as you can, otherwise only a fairy will be able to help you!

Era isto o que tinha para dizer!

See you!

Aplicativo para Ampliar o Vocabulário

Você tem dificuldade para se lembrar das palavras, phrasal verbs e expressões em inglês? Conheça o "Meu Vocabulário: Um aplicativo para ampliar o seu vocabulário em inglês" e veja como nossa equipe resolveu esse problema definitivamente.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

2.jpg

Denilso de Lima

Denilso de Lima é autor de "Inglês na Ponta da Língua" e "Por que assim e não assado?" [Ed. Campus/Elsevier]. Dá palestras e workshops sobre ensino/aquisição de vocabulário [Lexical Approach e Linguística de Corpus] em instituições de ensino.

17 comentários

  • 09/11/07  
    Joelma Mota diz: 1

    Oi, Denilso !!

    Adoro seu blog, leio todas as matérias que recebo.Gostei muito desta matéria, acho que todo mundo que quer aprender Inglês deveria ler esta matéria, eu repasso para as pessoas que estudam a língua.Minha professora de Inglês é simplesmente fantástica e ela fala para nós tudo isto ai que você disse.

    Bjs
    Joelma

  • 09/11/07  
    Gerson Rubio diz: 2

    Olá a todos.

    Estou aprendendo inglês também, mas só agora que comecei a dar a devida importancia e estou vendo os resultados. Comparo o aprendizado de uma nova lingua, como estar aprendendo a jogar Xadrez. No começo é complicado, muitas peças com nomes diferentes, cada uma com uma serie de movimentos distintos. Ai você começa a praticar, aprende que o cavalo anda em L, o bispo nas diagonais e assim por diante, mas toda hora coloca a peça na casa errada. Como você já sabe jogar damas, acaba confundido movimentos desse jogo com o xadrez (no caso do aprendizado de uma nova lingua, acaba se confundindo com aspectos da sua lingua materna, no nosso caso o Portguês). Mas com muito treino e principalmente paciencia, um belo dia consegue dar um xeque e depois de pensar muito, pesquisar técnicas de jogo, consequentemente acaba saindo um xeque-mate. É isso ai pessoal, desculpe por ter me prolongado.

    Um grande abraço a todos,

    Gerson Rubio
    SP- V.Mariana

  • 09/11/07  
    Tiago diz: 3

    Como sempre diz nosso amigo denilso…motivação é essencial para qualque estudante.

    Sempre procuro buscar inspiração para acordar todos os dias com mais vontade de aprender!

    Abraços!!!

    Tiago.

  • 09/11/07  
    Luana diz: 4

    Denilsooooooooo!!!

    Faço minhas cada um das suas palavras. Já tive a oportunidade de dar aulas de inglês, e o perfil dos meus alunos era basicamente esse descrito por você (o material não é bom, o dicionário não tem tudo que quero – como gírias e etc, tenho traumas com professores, as músicas que eles ensinam eu não gosto, em casa eu já tenho muita coisa pra estudar). Depois acha ruim quando as palavras não fluem. É só parar de ouvir axé e assistir Casseta e Planeta, e começar a fazer o dinheiro/ tempo valer que logo logo as palavras começarão a surgir com mais facilidade.

    Mas a maioria quer milagres, aparecem na escola falando: “Olha moça, daqui 3 meses eu vou viajar abroad e terei uma reunião. Tem como aprender inglês rápido?” Aí, só dá pra ensinar o Pai Nosso, e esperar que depois ele não queime o filme da escola por sermos honestos quanto aos fatos.

    Abraços a todos,

    Luana

  • 09/11/07  
    Deivis Ferreira da Silva diz: 5

    I can’t agree more with you when you say that one has to expose oneself to the English language as much as possible to become well-versed, to achieve a good level in it. I can relate with everything you said… I’ve also worked my fingers to the bones to be able to command it properly. It’s not that easy to keep our English knowledge keen just by ourselves…we’ll need total will power to keep coming up with all sort of ways/methods to not let it get rusty…
    I have to say though, the milestone in my EFL live..when I had a big boost to my confidence was when I started taking classes from a native English teacher who didn’t know a single word in Portuguese and made us to strive ourselves to grasp his points, which by the way I found awesome as I felt my grip on the language was increasing day by day…
    Anyway, I think that one are sure to learn a second language if put the necessary effort; however, I wouldn’t think twice if somebody asked me which way I learned more…of course it was from the native..

    all the best.

  • 09/11/07  
    Adir Ferreira diz: 6

    Gerson, muito bem colocada sua analogia com o xadrez. A grosso modo, aprender inglês é isso mesmo, adaptar-se e esforçar-se. Daí a maneira, abordagem que cada um toma é parte intrínseca do processo de aprendizagem. Porém, generalizar uma fala não tendo em conta os vários fatores envolvidos na aprendizagem (lugar, recursos, etc.) não é algo muito pertinente, cada caso é um caso.

    Prof. Adir Ferreira
    http://www.adirferreira.com

  • 09/11/07  
    Reginaldo diz: 7

    Eu estudo Inglês sozinho através de fasciculos DVD e CD etc
    e tenho muita dificuldade em aprender sozinho. Quando eu li o comentário do Hélio fiquei indignado deu vontade de parar de estudar na hora,mas de repente aparece o amigo Denilso de Lima e dar uma verdadeira aula de incentivo,isso fez com que eu esquecesse definitivamente o comentario do Hélio.Denilson você esta de parabéns comentarios como o seu me dar muita força pra eu continuar estudando sozinho valeu amigo continue sempre assim nos incentivando ok

  • 09/11/07  
    Reginaldo diz: 8

    Eu estudo Inglês sozinho através de fasciculos e tenho muita dificuldade em aprender>quando li o comentário do Hélio deu vontade de desistir,mas de repente aparece o amigo Denilso e dar uma aula de incentivo isso fez com que eu esquecesse definitivamente o comentário do Hélio,você Denilso esta de parabéns com seu blog leio todos e isso me dar maior incentivo para continuar estudando sozinho

    Parabéns

  • 09/11/07  
    Reginaldo diz: 9

    valeu Denilson eu estudo sozinho e seu cometário me dar maior força para eu continuar

  • 10/11/07  
    Adir Ferreira diz: 10

    Reginaldo, nunca desista! Não há UMA pessoa neste mundo que me faça mudar de idéia uma vez eu tenha meu propósitos, ninguém mesmo. Todos temos capacidade de muitas coisas, temos talentos e facilidades então my brother, vai em frente, e se sentir dificuldade, vem aqui no English Experts que a gente dá uma mão pra você, lá no forum tem uma porrada de tópicos muito legais que vão te ajudar muito, é só postar tua dúvida lá que te respondemos! O Denilso, além de meu amigo, é um exemplo de dedicação, empenho, e muuuuuuito hard work, tiro meu chapéu pra ele, sempre! Abraço grande!

    Prof. Adir
    http://www.adirferreira.com

  • 10/11/07  
    everton amarilla diz: 11

    E o maldito corporativismo?

    Tanto o prof e o rapaz estao corretos…,pegue um pouco de tudo e faça uma sopa my Brother.

  • 10/11/07  
    Julianderson diz: 12

    Que falta de paciência pra esses povo.
    Denilso, ótimo seu argumento. Concordo plenamente com você. O que me deixa pé da vida é que muitos alunos que não conseguem aprender jogam sempre a culpa nos professores, na escola, etc. Sendo que na verdade a culpa é dele. Eu como um aluno noto isso não só nos meus colegas mas também em mim. As vezes quando não sabemos ou não entendemos jogamos a culpa no professor ou na escola, mas na verdade isso é uma espécie de proteção ou camuflagem para não exprimirmos o nosso verdadeiro problema: dificuldade, falta de interesse ou priguiça. É simples. Temos que nos dedicar sempre e sempre. É bem árduo ser auto-didáta mas como dizem: com esforça e dedicação conseguimos nossos objetivos.
    :P

  • 11/11/07  
    Maria Brasileira diz: 13

    Denilso, I couldn´t agree more with you. I have never been abroad. Ever ! My best teachers were brazilian, and they knew exactly why I made some mistakes, cuz they understood how my mind worked, since we had the same mother language… My husband has lived in california for many years, having moved there as a kid, so he´s got native fluency… when he needed a job he worked for some time as a teacher.. but he wasn´t as good as many other brazilian teachers who had studied to be teachers, like, had put themselves thru college and all…. and he knew that lol
    well, please keep posting, I like ur posts a lot. a big hug!

  • 03/01/08  
    Seiji diz: 14

    É isso é a mais absoluta verdade. Eu tenho fluência no idioma japonês e agora estou aperfeiçoando meu inglês. Com certeza sem dedicação a pessoa não aprende, mesmo fazendo inúmeros cursos ou até mesmo estando no país que usa esse idioma, falo de experiência própria conheço muitas pessoas que moram “anos” no Japão e não conseguem manter um diálogo em japonês.
    Mas estou 100% de acordo com o prof. Denilso de Lima, quem quiser aprender um idioma seja inglês japonês ou seja qual for, só vai conseguir com perseverância e dedicação é possível dominar qualquer idioma quem possue essa força de vontade consegue aprender até mesmo sozinho, pois temos uma ótima ferramenta que nos auxilia a ITERNET.

  • 03/01/08  
    Alessandro diz: 15

    Seiji,

    Existe um ditado em Inglês que expressa exatamente essa idéia: No Pain no gain (sem esforço não há recompensa).

    Abraço,

  • 17/06/09  
    thaaiissSoouuzaa diz: 16

    oii
    como tah o nosso amiga dinilson?
    como o thiago disse :motivação é essencial para qualquer estudante…..

    um abraço

    thais

  • 28/04/10  
    Jackson diz: 17

    É demagogia falar que aprendemos inglês aqui no BR. A pressão que sofremos no exterior é que faz a conversação fluir. Aqui, por mais que nos esforcemos, nunca será igual. Não adianta uma aula ou duas na semana, e nem se esforçar lendo e vendo filmes em inglês sem legenda.
    Dica: procurem no google o termo:
    IMERSÃO EM INGLÊS. O que é isso?
    è justamente a vivência do inglÊs. Te eleva num grau acima da conversação. è um mergulho no inglês de fato. Há retiros de Imersão no BR. è um isolamento que as pessoas passam algum tempo, um fim de semana por exemplo num lugar, somente falando em inglE^s, tudo em inglÊs…. São pagos, é só checar o preço..
    Abraço