Sotaque e Pronúncia: entenda a diferença

Recentemente publiquei dois posts aqui no blog que deram o que falar. Num deles selecionei 10 celebridades que dominavam o inglês e no outro fiz o mesmo só que com esportistas. Ambos foram muito comentados, as críticas e elogios contribuíram para complementar o conteúdo.

Os artigos com vídeos de brasileiros falando inglês rendem muitas manifestações, as mais comuns são:

Aprenda inglês com as técnicas de quem já passou pelo processo. Experimente Grátis por 30 dias o Curso de Inglês do English Experts 3.0.
  • “Fulano fala bem, veja só, ele não tem sotaque. Fala como um nativo!”
  • “Sicrano não fala bem, tem muito sotaque.”

O fato de falar bem está muito vinculado ao sotaque. Na minha opinião, falar bem é conseguir se fazer entender, sotaque indica apenas a sua origem. O professor Daniel Bonatti, explica (de forma brilhante) no vídeo abaixo a diferença entre sotaque e pronúncia.

Da próxima vez que você vir alguém confundindo sotaque com pronúncia encaminhe este post.

Temos que falar inglês como um nativo? Por que os europeus não fazem o mínimo esforço para falar como um americano ou britânico?

Aguardo comentários,

Bons estudos!

Aprenda mais

Gostou desse artigo? Conheça o Curso de inglês English Experts e descubra como você pode turbinar o seu inglês.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

34.jpg

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador caseiro do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Comércio Eletrônico e Ensino a Distância (EaD).

29 comentários

  • 02/02/12  
    Nise diz: 1

    Muito bom post. As vezes nos preocupamos em tentar falar como os americanos, sendo que na vdd devemos sim nos preocupar com a pronuncia certa!
    Congrats

  • 02/02/12  
    Tainá diz: 2

    Parabéns pelo post, concordo também. Apesar do sotaque algumas vezes atrapalhar no entendimento, dependendo do grau do mesmo, não deve ser algo tão preocupante.. Nós temos tantas diferenças regionais e, ainda assim, nos entendemos. Acredito que o mais importante é saber formular frases de forma correta! Tem muita gente que sabe a pronúncia correta em palavras isoladas e não consegue formular simples frases para conversação.
    E quem é que nunca comprou algum produto de um chinês por “tlinta leais”? rs

  • 02/02/12  
    RicardoQ5 diz: 3

    Isso aí(that’s it). O importante é entender e ser entendido. O pelé é um bom exemplo disso, ele não fala como nativo, mas é entendido perfeitamente. Essa é minha meta, entender e ser entendido.
    Vlw.Belo post.

  • 02/02/12  
    sandrom diz: 4

    Esta questão me lembra a discussão entre “fluency” e “accuracy”, que significa fluência e precisão.

    A fluência nada tem a ver com sotaque. Por mais carregado que seja, o sujeito pode ser fluente.

    O mesmo acontece com a precisão, que é o falar correto, sem erros. Aqui também nada há de errado com o sotaque carregado.

    Assim, o sujeito pode ter um sotaque forte, mas falar correto e ser fluente.

    Já não é o mesmo com a pronúncia. Se ela estiver errada, embora possa não comprometer totalmente a fluência (que é o modo natural de se falar, sem pensar no seu idioma), comprometerá totalmente a precisão.

    Assim, o conhecimento ou habilidade do inglês está ligado na precisão (accuracy), que engloba a pronúncia correta, e na fluência (fluency).

    O sotaque não altera este conhecimento, podendo apenas dificultar o entendimento entre dois falantes, mas por questões meramente geográficas ou culturais.

    Só para terminar, um professor deixou uma dica sobre este assunto, dizendo que todos temos sotaque e, embora seja possível suavizá-lo, é quase impossível anulá-lo totalmente (a menos que você comece a imitar). Assim, trabalhar o sotaque é desperdiçar o tempo que poderia render uma melhor “fluency” and “accuracy”.

    • 02/02/12  
      Alessandro diz:

      Sandro,

      Assino embaixo. Perfeita a sua observação.

      Obrigado pela pela participação,

  • 02/02/12  
    Simone Guedes diz: 5

    Parabéns mesmo, pelo post!
    Obrigada.

  • 02/02/12  
    João B. L. Ghizoni diz: 6

    Very good post, Alessandro! I didn’t know that teacher (Daniel Bonatti), but he sounds good. I think we can say that pronunciation is the characteristic of a person, and that accent is the characteristic of a group (be the group regional or national).

    Where you wrote “Da próxima vez que você ver” you should’ve written “Da próxima vez que você vir” (The verb VER in Portuguese, in the subjunctive future, is VIR, VIRES, VIR… – Quando eu vir você dizendo isso… Se você vir alguém falando sobre sotaque…). I hope you don’t mind my comment. I know this is a site for learners of English, but I think we should take good care of our language as well. Do you agree? I hope so.

    • 02/02/12  
      Alessandro diz:

      João,

      Corretíssimo. Obrigado pelo alerta.
      O pior foi que eu li sobre isso recentemente num livro do prof. Pasquale.
      Essa passou pela revisão.

      Abs,

  • 02/02/12  
    Gerusa diz: 7

    Hi Alessandro, I totally agree with you and mr. Bonatti. I study Letras and my professors ever say the same thing.

  • 02/02/12  
    Priscila Silva diz: 8

    Eu assumo! Eu quero o sotaque americano. Pode ser que eu não consiga, mas vou continuar tentando. Eu acho um charme a maneira com a qual eles pronunciam as palavras, sou perfeccionista… Tenho coragem de assumir. Se eu não chegar lá tomara que pelo menos eu seja compreendida… :P Parabéns pelo post! :) Hmmm… Very interesting…

  • 02/02/12  
    Luiza diz: 9

    Hi, I think that brazilian speakers have to impress people so they are very complained about this.

  • 03/02/12  
    Artur diz: 10

    Sempre notei isso, brasileiro fica sempre preocupado com o “sotaque” comparando quem fala melhor, falta de auto-estima, ja conversei com ALemães, Franceses, Espanhois e Italianos e nenhum deles tem a minima preocupação em parecer um nativo.

  • 03/02/12  
    João diz: 11

    I think that a very, very large percentage of those who study a foreign language would like to speak like a native, that is, to have the fluency and pronunciation of a native speaker. Of course this is very difficult to achieve, but, again I say, I’m sure that most of those who study a foreign language would like to have the least foreign accent possible.

    I’m not saying that it is a bad thing to have a foreign accent. I repeat: I think that most people who study a foreign language would like to get rid of the accent which is natural to foreigners. Don’t you feel like praising someone who “speaks like a native”? Don’t you find it strange when you talk to someone who speaks more or less like this: “donti forrrgeti to puti yourrrr bégi underrr the síiti”?

    Keep up your studies, everyone!

  • 03/02/12  
    Regiane Duarte diz: 12

    Adorei o post! Realmente os brasileiros se preocupam com o sotaque quando na verdade o mais importante é pronunciar corretamente.
    Adoro o english experts, sempre nos ajudam a melhorar o nosso entendimento sobre o idioma =D

  • 03/02/12  
    Hugo Takeshi diz: 13

    we made plans?

  • 05/02/12  
    Renilda Maria Alves diz: 14

    Gosto muito das dicas de englishexperts, me ajuda a esclarecer algumas dúvidas e aprender mais.

  • 07/02/12  
    Marcos diz: 15

    Gostei do post.

  • 07/02/12  
    Diego diz: 16

    “Temos que falar inglês como um nativo? Por que os europeus não fazem o mínimo esforço para falar como um americano ou britânico?”

    A gente não é europeu portanto acho todo esforço é valido na hora de aprimorar o sotaque da região escolhida!!

    • 19/02/12  
      Gênesis diz:

      Discordo. Todo esforço é válido sim, para pronunciar corretamente, e não igualmente.

  • 10/02/12  
    Helena diz: 17

    In my opinion, having a strong foreign accent makes it harder for people to understand you, so I think it’s awesome when a person speaks like a native. Oh, and it sounds a LOT better too.

  • 13/02/12  
    Qual é a diferença entre sotaque e pronúncia? | Safeway Language Center diz: 18

    […] ver mais, visite a origem dessa dica no English Experts. Print […]

  • 14/02/12  
    Elaine diz: 19

    Esse post foi ótimo e esclarecedor. Obrigada pelas dicas.

  • 19/02/12  
    Daniel Bonatti diz: 20

    Eu acredito que os brasileiros estão entre os poucos no mundo que:

    1) Têm a habilidade de conseguir falar inglês com sotaque próximo ao nativo – ainda não sei explicar os motivos, mas acho que um deles é a grande mistura de culturas que existe em nosso país, junto com nossa capacidade de adaptação.

    2) Têm a preocupação em deixar o sotaque igual ou parecido com um nativo

    Se observarmos outras culturas, como o alemão ou o japonês, para citar alguns exemplos, vemos que eles não têm a preocupação em deixar seus sotaques idênticos ao norte-americano ou ao britânico.

    Talvez seja um aspecto cultural através do qual eles não querem mesmo perder os sotaques que entregam suas nacionalidades. Eles acabam falando inglês de forma correta, são compreendidos muito bem, mas obviamente se identifica o sotaque desde a primeira palavra pronunciada por eles.

    Por isso eu disse em meu vídeo que o mais importante é se preocupar com sua pronúncia. Depois de pronunciar corretamente, se você quiser se esforçar para deixar seu sotaque tinindo, pratique bastante, e provavelmente vai conseguir.

    Abraços!
    Daniel Bonatti

    • 19/02/12  
      Alessandro diz:

      Oi Daniel Bonatti,

      Curto muito o seu trabalho, é uma honra ver você por aqui.
      Muito obrigado pelo comentário.

      Abraço,

  • 28/02/12  
    Vídeo-aula: Fale como um nativo | Dicas de Inglês diz: 21

    […] muita polêmica e divide opiniões aqui no EE. Basta dar uma olhada nos comentários do artigo “Sotaque e Pronúncia: entenda a diferença” para constatar isso. Muitos leitores não se contentam em falar inglês bem, eles querem ir […]

  • 29/02/12  
    Sebastião Ribeiro diz: 22

    Ficou estupendo e de alto nível o novo EE. Congrats! :-)

  • 29/02/12  
    FRANCISCO DE PAULA PEREIRA LUSTOSA diz: 23

    Acabo de assistir ao video, bacana mesmo.

  • 02/03/12  
    Petulia Vargas diz: 24

    Sou aluna do mestrado em Letras de uma universidade gaúcha e recentemente discutiamos sobre World English. Hoje, no ensino de língua inglesa, os alunos precisam ter em mente que não falam o inglês do UK ou dos EUA, mas um inglês com influência de um ou outro, e falado por um nativo da lingua portuguesa. Claro que muitos possuem um inglês de alto nível, mas em algum momento será perceptível que não é um nativo anglófono. O que importa, é haver comunicação pois, para os nativos ( americanos) , se tu consegues te expressar, já está de bom tamanho.
    Parabéns pelo site!

  • 09/03/16  
    José Joana diz: 25

    Que explicação boa, gostei do vídeo.