Um Britânico ensinando inglês para um Americano

Olá, amigos do English Experts! O primeiro artigo da colaboradora Antônia gerou uma discussão muito sadia e interessante aqui no blog. É gratificante quando um artigo mobiliza tantos leitores, isso faz o nosso trabalho valer a pena. Obrigado a todos pela participação.

Um dos comentários foi feito pelo leitor Kim Gibson, ele compartilhou um vídeo que eu particularmente achei muito curioso. Trata-se de um Britânico (Charlie) ensinando para um Americano algumas palavras típicas da terra da Rainha. Isso mostra que até mesmo alguém que tem o inglês como primeiro idioma pode não entender o outro. Veja só:

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da Englishtown: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

Garimpando um pouco mais o canal do Charlie no Youtube, encontrei um vídeo que é uma verdadeira pérola. Ele, britânico, aceitou o desafio de alguns seguidores do Twitter de tentar falar com o seu melhor sotaque (accent) americano. Apesar de ser uma brincadeira, achei muito válido para nós estudantes de inglês, já que ele pronuncia algumas frases com o sotaque britânico e depois com o sotaque americano. É perceptível a diferença, muito bacana! Confira:

Obrigado Kim Gibson pela indicação do vídeo.

Curiosidade

O trava-línguas apresentado no segundo vídeo já foi ensinado aqui no English Experts na bela voz do colaborador Jason Bermingham. Veja: Trava-Línguas em inglês: Woodchuck.

Gostaram do post? Aguardo comentários.

See you!

Aplicativo para Ampliar o Vocabulário

Você tem dificuldade para se lembrar das palavras, phrasal verbs e expressões em inglês? Conheça o "Meu Vocabulário: Um aplicativo para ampliar o seu vocabulário em inglês" e veja como nossa equipe resolveu esse problema definitivamente.

Receba mais dicas de inglês como esta por E-mail, Twitter, RSS feed ou Facebook.

34.jpg

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Comércio Eletrônico e Ensino a Distância (EaD).

28 comentários

  • 13/09/11  
    Claudia Lopes diz: 1

    Alessandro, dei boas risadas com esses dois. E’ realmente uma pérola, além de comprovar o que a Antônia quis passar com o post sobre as diferenças entre o inglês britânico e o inglês americano. É claro que, muitas vezes, o que nos ajuda é o contexto, pois, palavras soltas realmente complica um pouco o entendimento em qualquer língua.

    Eu trabalhei por dois anos na Universidade de Bari como leitora de língua portuguesa. Lembro-me que quando fui conversar com a professora responsável pelo departamento de língua e literatura portuguesa (e se calhar brasileira) ela me disse muito claramente que só me aceitaria para tal cargo se eu ensinasse o português europeu aos alunos…como se fosse a coisa mais simples do mundo. Fiquei chocada e tive vontade de me levantar e ir embora; afinal de contas, eu sou brasileira e o meu sotaque não é europeu, obviamente.

    Decidi aceitar essa empresa com a seguinte condição: eu não ensinaria o português europeu, mas sensibilizaria os alunos, abordando sobretudo as diferenças entre essas duas variantes. Tive que estudar como uma louca não sei quantos livros teóricos, ler textos em português europeu, principalmente de jornais e literários, assistir ao Jornal Nacional português e todos os outros de todos os horários, assistir às novelas, ouvir música e, o mais importante de tudo isso, ESTUDAR A FONÉTICA. Coloquei na minha cabeça que seria como estudar uma nova língua. Descobri, inclusive, que nas universidades portuguesas eles usam a famosa gramática do Celso Cunha (gramático brasileiro) e Lindley Cintra (gramático português), além de muitas outras, claro. Enfim, conclui que, apesar de serem “a mesma língua”, essas variantes têm lá as suas diferenças, aliás, muitas diferenças, não somente de sintaxe, mas de vocabulário, como, por exemplo: trem (PB) – combio – (PT), fila (PB) – bicha (PT), café da manhã (PB) – pequeno almoço (PT), estou lendo (PB) – estou a ler (PT), me chamo (PB) – chamo-me (PT) e, realmente, muitas muitas outras diferenças.

    Normalmente, quando eu falo com os meus amigos lusos, são necessário pelo menos uns 5 minutinhos para que os meus ouvidos entrem em sintonia com o sotaque europeu, pois no início da conversa, algumas vezes, eu não entendo 100% do que eles dizem. Essa é a realidade da nossa amada língua portuguesa.

    • 13/09/11  
      Alessandro diz:

      Oi Claudia,

      É interessante ler sobre as experiências de quem vive essas diferenças de idiomas cotidianamente aí na Europa.

      Obrigado pelo comentário, acrescentou bastante ao conteúdo do post.

      Abraços,

    • 13/09/11  
      Antonia Sales diz:

      Brilhante explanação. É isso mesmo o que acontece. Das primeiras vezes, agente se choca, mas depois se acostuma.

    • 14/09/11  
      Claudia Lopes diz:

      uma correção: “comboio” (e não combio) em português europeu “trem”em português brasileiro.

  • 13/09/11  
    Carlos diz: 2

    Muito legal, Alessandro.
    O canal do Charlie tem bastantes coisas legais.
    Pesquisando um pouco, achei o vídeo “ao contrário”: o Michael ensinando o Charlie a falar inglês americano.

    Segue o link: http://www.youtube.com/watch?v=sfGf9nk7RTI

    • 13/09/11  
      Alessandro diz:

      Boa dica Carlos, eu não havia assistido ao outro vídeo.

      Obrigado pela indicação.

  • 13/09/11  
    Viviane diz: 3

    Hj eu recebi uma indicação muito legal. É o http://www.cleverbot.com/ em que vc conversa via chat (em texto) com uma espécie de robô. Não sei se o pessoal aqui do Blog já conhece. Eu já testei e é muito últil, parece que vc realmente tá conversando com alguém. Amei, espero que ajude a outros colegas. Hugs!

  • 13/09/11  
    Claudia Lopes diz: 4

    Achei muito legal e acabei chegando a esse vídeo
    http://www.youtube.com/watch?v=wYmrg3owTRE&feature=related. E’ realmente um assunto muito interessante.

  • 13/09/11  
    Albertini diz: 5

    Muito interessante essa história dos brintânicos com os americanos. Gostei muito desse assunto. É igual um português de Portugal conversando com um brasileiro. Seria muito interessante e engraçado ambos tentando se entender.

  • 13/09/11  
    Andreia diz: 6

    wow, ele fala rapido d+ mas da pra entender boa parte. fiquei com medo de usar meu ingles americano em terras britanicas lol

  • 13/09/11  
    João B. L. Ghizoni diz: 7

    Alessandro, this post was simply superb! Congratulations and thanks!

    And I must also say congratulations to Carlos (the second one to comment) on the use of “bastantes”. Wow! Wonderful!!!

    I’d also like to thank Claudia Lopes for her contribution. This post is really amazing!

  • 13/09/11  
    Flavia diz: 8

    Esse vídeo My american accent é realmente um dos meus preferidos na internet, o Charlie é um fofo e o vídeo é muito engraçado. Que bom que publicaram aqui, é bem útil para se perceber as diferenças.

  • 13/09/11  
    Augusto Henrique diz: 9

    Eu gostei muitos dos videos e achei o Accent Britsh very sexy like said Justin Bieber. :D

    Eu encontrei no youtube videos e canal que tem videos que ensinam a falar o sotaque.

    http://www.youtube.com/watch?v=TNu3q5ODgqs

    e o canal: http://www.youtube.com/user/thephonevoice

  • 13/09/11  
    Wendell Vieira diz: 10

    Muito legal as dicas, apesar de não comentar muito os posts daqui, gosto muito esse blog, leio todos os dias de manhã e de noite, para falar a verdade acho que já li todos as dicas daqui, e sempre indico para amigos e colegas esse blog… com certeza tem acrescentado muito no meu aprendizado… abraços a todos 0/

  • 13/09/11  
    Stan diz: 11

    Dr. House, em um dos videos, como sempre sensacional, em uma brincadeira muito curiosa. Adorei!!!!

  • 13/09/11  
    Vitor Honna diz: 12

    Tem também um vídeo em que o amigo dele ensina “American” pra ele.
    http://youtu.be/sfGf9nk7RTI

  • 13/09/11  
    PeU diz: 13

    Muito, muito bom!!

  • 14/09/11  
    Rômulo Wagner diz: 14

    Muito bom o segundo vídeo, inclusive serve para testar qual inglês a pessoa esta mais adaptado, eu por exemplo, não conseguia entender muito bem oque ele falava na forma britânica, então posso deduzir que meu inglês é mais americano.

  • 14/09/11  
    Paulo Lourenco diz: 15

    Muito bom…neste sentido também já tive um aula de Português de Portugal. A empresa em que eu trabalhava mantinha negócios com um banco em Portugal, a primeira vez que tive um contato telefônico com eles, simplesmente não entendi uma palavra sequer…somente após umas três ou quatro ligações comecei a entender o que eles diziam.
    Eu achava a situação muito engraçada…

  • 14/09/11  
    Luis diz: 16

    Muito legal. Na verdade isso acontece com qualquer idioma falado em lugares distantes, bem como o nosso português. Vá tentar entender um português falando muitas vezes, ou até mesmo um brasileiro de uma região diferente da sua.

  • 15/09/11  
    patricio diz: 17

    isso mostra muita coisa. consegui entender só uns 35% do ele falou. que triste o meu ingles

  • 17/09/11  
    Luisa Matos diz: 18

    I love Charlie’s videos, I really do. It’s such a pleasure to know that people who read English Experts like Charlie too. =)

  • 17/09/11  
    lekegf diz: 19

    Isso explica, uma vez eu baixei o filme X-MAN First Class na internet e o sotaque do inglês deles era bem diferente. Eu pensei que era porque passava na rússia e dai eles estavam tentando fazer o filme mais realistico. Mas agora ouvindo o britanico falar que eu me toquei que aquele filme era em inglês britânico. huehuas.

    Massa curti.

  • 30/09/11  
    Tainara diz: 20

    the first video is my favorite :) really good !

  • 30/09/11  
    Tainara diz: 21

    but I cant deny that I love the both *_*

  • 13/10/11  
    Gabriel diz: 22

    I think the most beautiful British English. LOL when Charlie sais “coffee”.