Como fazer tradução quando o texto inicial pode ter erros?

Não sabia em qual tópico esse se encaixava. Uma pergunta para quem já está cansado de fazer traduções...

Como fazer uma tradução quando o texto inicial, aparentemente, contém erros? É normal simplesmente manter os erros (por exemplo, de construção de frases que ficaram confusas até em português)?
MENSAGEM PATROCINADA Você sabe como está o seu nível de inglês? Teste agora GRÁTIS em apenas alguns minutos.

Clique aqui para iniciar o Teste Online!
Avatar do usuário Thomas 14380 7 58 285
I have used in court reports, "Mr. Juan Fulano has submitted a written statement dated 10 November 2013 that may be summarized and freely translated as follows" ...." If I wanted to call attention to errors, I would add "The grammar, vocabulary, and spelling reflect his claim that he has attended six years of school."
Avatar do usuário PPAULO 40965 6 32 718
Vou de português mesmo, por que a pergunta foi feita nessa língua.

Bom, eu não estou cansado de fazer traduções, nem tenho tido nenhum ganho material por isso. Então não sou profissional, só um estudante igual a muitos outros. O que torna meus comentários não especializados.
Mas vou ver se entendi a pergunta e tentar comentá-la, a título de opinião pessoal.


Existem alguns símbolos que eles usam para correções de textos (não necessariamente traduções, mas poderia). Aqui não estou falando de traduções profissionais, mas de algum texto ou tradução que alguém apresente, que algum aluno ou colega tentou e quer uma segunda opinião.

Aqui estão alguns possíveis sinais.
http://webster.commnet.edu/writing/symbols.htm

Se um amigo vem a mim, se supõe que ele confia na minha competência técnica para tal (algumas vezes não deveria, por isso digo que "don´t take my word for it", seja crítico). Assim sendo, como "consultor" tenho o dever de mostrar o que pode estar errado, estranho, ou se há uma melhor forma (mais natural) de dizê-lo/expressá-lo. Se ele vai gostar ou não, ou se vai acatar ou adotar o meu ponto de vista são outros quinhentos, claro.
Mas se ele não adotar, é com ele, ele tem o direito de concordar com essa ou aquela sugestão. Eu sigo a vida, próxima tarefa. Não tem sentido tentar forçar as pessoas a pensar exatamente igual às outras ou obstruir outros canais que ela tenha para consultar. Se não, elas acabam não voltando pra você, afinal de contas você também erra, não é?

Em relação ao seu segundo parágrafo, há alguns poréns que gostaria de salientar:

Primeiro, há que se examinar atentamente o nível de inglês e português daquele que está fazendo a consulta.
Tento sempre manter e aproveitar o máximo do texto produzido, especialmente quando se trata de alguém que está no básico, em nível mais básico que o meu.
Por qual motivo? para não desincentivar, e até por que algumas vezes ele/ela não iria nem entender do que eu estou falando, em qual tópico se encaixa etc.

Por vezes é melhor (para mim) não me deter em observar erros de português, quem estuda extensivamente inglês por algum tempo acaba misturando as coisas, esquecendo algums detalhes de português/gramática. Outros estão em outros países em que falam em inglês e acaba que, de certa forma, "enferrujam" suas habilidades no português. Nada que os faça (pra mim) ininteligíveis.
Até porque sou muito ruim nas duas línguas e então estamos empates.

Contudo, com o tempo, depois de perceber o nível de conhecimento da pessoa, pesar se ela está precisando para fins acadêmicos etc aí a gente pode "torcer o rabo da porca mais um pouquinho" (a pedido do cliente, lógico ;) ).
Algumas vezes leio algo que não está fazendo sentido para outras pessoas, e faço uma correçãozinha. Tipo, a pessoa vai fazer um pedido a um nativo e vai dizendo "eu quero"/"me dá", vendo isso eu vou encaixar um "please" ali pra tornar mais educado e "civilizado". Assim, ele não vai criar uma "resistência" logo de cara.

Ou, por exemplo, em certos casos que sabidamente são culturais.
Só para ilustrar, o fato de que escrevemos em português que "o gato tem sete vidas"; isso traduzido pra o inglês será "cats have nine lives". Logo, os gatos americanos e ingleses, que jogam video-game ganham duas vidas :lol: .
Outra situação é quando se vai tirar uma foto falamos ''diga xiis", sendo que traduzindo para o inglês, quem estivesse atrás da câmera diria "say cheese" [many people state that X-burguer is after "cheeseburguer", so X-cheese in a way.]


Porém (ele o porém de novo); eu mesmo não vou a outros Fóruns/Message Boards onde nativos e estudantes avançados (com muito mais conhecimento que eu) com a idéia de que eles vão ser tão "bonzinhos" assim (por falta de uma melhor expressão no momento!)
Muitas vezes eles assumem que, se você está se comunicando em inglês para perguntar algo, é sinal que você sabe algo. O que significa que suas perguntas tem que fazer sentido, pelo menos na maior parte das vezes.
Ainda assim, e sem medo de me expor ao ridículo (sou cara de pau mesmo, no sentido de querer aprender...) tento compreender a mensagem deles, e quando não consigo eu reconstruo as sentenças/mensagens que foram dirigidas a mim ou a minhas próprias. Quando se vai nesses Fóruns eles podem dizer uma mundo de coisas com seis ou dez palavras, e esperam ser entendidos (não gostam de reexplicar ad infinitum ou muito detalhadamente). Por isso é necessário um esforço extra e maior cuidado ao fazer uma pergunta ou um texto.

O que eu acabei de expor não esgota o assunto, e seria muita presunção! então vamos esperar os "two pence/cents´ worth" de outros membros do EE.
Aqui foi só uma tentativa de dar meu recado/expor minha opinião, e dividir minha (pouquíssima) experiência. Obrigado por ter aturado todo esse longo texto. :oops: E devo dizer, que me referi a traduções de estudante para estudante, quando um consulta o outro.