Como o Inglês Mudou a Minha Vida

Donay Mendonça 63375 22 99 1538
O propósito deste post é deixar aqui relatos de experiências no ensino e/ou aprendizado do inglês tanto por parte de estudantes quanto professores.

A diferença que saber / falar inglês fez e faz na minha vida.

O inglês tornou possíveis diversas coisas nesses meus quase 20 anos como professor, por exemplo, ajudar pessoas, fazer amigos, ter uma profissão, desenvolver técnicas de ensino e aprendizado, entender as mais variadas situações de ensino e aprendizado em sala de aula, melhoria pessoal e profissional e, acima de tudo, o inglês permitiu que eu me divertisse, pois tanto estudar quanto ensinar são atividades realmente gratificantes para mim.

Agora é a sua vez! Conte para nós como o inglês mudou ou está mudando a sua vida, como aluno ou professor.

Participe! Deixe o seu comentário!
2 respostas
Ordenar por: Data
Redseahorse 15035 2 24 318
Eu não diria que o Inglês mudou minha vida, mas com certeza tem me ajudado a compreender melhor a minha própria língua (Português), atráves do aprofundamento de estudos cultural-línguísticos de ambas as línguas. O Inglês tem exercido na minha vida, um importante papel no processo de inclusão sócio-cultural e de inter-relacionamentos global, no aperfeiçoamento da comunicação e, no desenvolvimento do senso crítico-analítico.

A linguagem me tornou - em boa medida -, uma pessoa mais empática.

Não acredito no aprendizado efetivo de qualquer língua, sem se conhecer de modo mais acentuado, a cultura dos países ou dos falantes dessa língua.
PPAULO 60230 6 45 1073
O inglês para mim tem sido bastante útil. Mas não só isso, tem me facultado ler cartoons como o Calvin, Dilbert e outros na própria linguagem (de modo a não ler ‘pelos olhos do tradutor’ portanto com algum viés aqui e ali).
Tem me permitido não ficar “incomunicado” com pessoas de outros países, como um Russo, um Chinês e alguns franceses que encontrei numa cidade onde trabalhei.
Uma vez um americano praticamente ‘correu’ atrás de mim pois escutou eu falar umas palavras da linguagem, e nessa cidade era difícil alguém com uma certo nivel de conhecimento, e a pronúncia então…! Não que eu fosse tão bom assim, era o que tinha de melhor no momento, rá rá rá!

Em compensação outra vez, na mesma cidade, uma menina de 10 anos me viu comprando um “novel” do Grisham e veio conversar comigo, começamos bem “do you speak English?” mas depois ela me deu um “banho de inglês”, acabei voltando pro português mesmo. Ela vivia maratonando as séries, viajava pra Disney, era da elite da cidade, não dá pra acompanhar, rssss.

No idioma me deu acesso a muitos estudos, livros, pensadores, quando não sendo a fonte original muitas vezes só tinha tradução em inglês.

O inglês me ensinou matemática (Cálculo I), o livro de Munem/Foulis foi originalmente escrito em inglês, como não era financeiramente interessante para os autores e a editora eles venderam os direitos para uma ‘banca’ de engenheiros estudantes do ITA que traduziram o livro.
Como se não bastasse a complicação do Cálculo, os caras ainda estudaram e traduziram Cálculo I para o Português!
O estudo da linguagem me fez entender muito mais coisas sobre as pessoas, pois digamos o Brasil tem mais de 180 milhôes de experiências de vida, com mais 250 milhões nos EUA e mais outrors milhões de pessoas que falam, leem, e pensam nas duas línguas em outros países.
Assim, se eu tropeçar na calçada e quiser saber o que fazer é só dar uma pesquisada no Google nas duas línguas, ou países.
Ainda posso achar uma fórmula do Excel ou Calc em outras línguagens (francês por exemplo, ou alemão, e colocar no tradutor de fórmulas para o inglês e tá feito, resolvido o problema).
Posso ajudar um amigo que não esteja entendendo seu equipamento, por exemplo um controle remoto universal, é só traduzir pra ele.
Posso estudar alemão ou outra linguagem em sites feitos por bilingues que falam em inglês e fizeram o site nesta língua, com as frases nos dois idiomas.
E ainda posso xingar quando der aquela tropeçada na calçada “sh*t” e ainda parecer que sou educado e que não foi nada! Pelo menos fora das capitais e grandes cidades, onde o inglês não é tão conhecido e o pessoal não for fluente! :-)
E tão importante quanto, é gratificante poder ajudar outros alunos e entusiastas, alguns que de outra forma não teriam acesso a material de qualidade em termos de ensino, explicação e qualidade de informação.