Como saber a hora de ir fazer um curso no exterior?

Bom dia galera,

Sempre vejo no fórum as pessoas contando suas aventuras em outros países, seus cursos de idiomas, férias, mochilões e tudo mais. Porém eu me pergunto qual é a hora de fazer um curso no exterior? Como você sabe que já está num nível bom de inglês?

Uma pessoa fluente no idioma é uma pessoa que entende tudo em inglês ou é uma pessoa que sabe se comunicar bem em inglês? Tem gente que não entende, por exemplo, o que é falado num seriado tipo Game Of Thrones, Southpark, séries que eu considero ter um inglês bem difícil de entender, mas por outro lado conseguem se comunicar tanto na fala quanto na escrita. Esse tipo de pessoa é considerada fluente?
Avatar do usuário Lucas PAYNE 260 7
As pessoas têm significados diferentes para a palavra fluência.
Muitos acreditam que fluência é entender o idioma em suas diversas complexidades, outros acreditam que é a capacidade de entender e ser entendido. Acredito que fluência não é ser perfeito, não é saber tudo sobre gramática, ou ter uma pronuncia angelical. Fluência é sentir-se confortável ao se comunicar com outra pessoa, é compartilhar ideias, expressar-se , e aproveitar ao Maximo a capacidade de entender e ser entendido. Uma definição simples seria capacidade de interagir com outras pessoas.

Hora certa para estudar fora.
Na minha visão uma pessoa pode tirar melhor proveito de um curso no exterior quando ela já é capaz de entender como as coisas funcionam, entender o que as pessoas dizem ainda que não seja capaz de se comunicar com fluidez, mas que possui um bom vocabulário passivo.

Referente aos seriados, se os nativos não são capazes de entender tudo, imagine só nós meros estudantes.

Boa sorte e bons estudos.
Avatar do usuário PPAULO 39825 6 32 695
"...e aproveitar ao máximo a capacidade de entender e ser entendido."

Gostei da expressão, parece fácil. É simples, mas nem tanto.
Uma linguagem traz em seu bojo centenas de anos em seu "making", sua produção.
É o trabalho de milhares de pessoas interagindo e com muitos interesses diferentes. Até a paisagem (acidentes geógraficos, clima e até a fauna/flora) tem um peso na cultura, na alimentação etc.

Por exemplo, um estudante Japonês foi fazer intercâmbio nos Estados Unidos e houve uma festa; ele com um amigo erraram de endereço e foram pra uma casa onde um bandido estava altercando com a sua esposa. Os jovens se aproximaram perigosamente e o tal cara disse "freeze", o aluno japonês não entendeu e levou um tiro, vindo a morrer. Após esse caso, os livros japoneses acrescentaram o tal "freeze" no vocabulário.

Na Turquia o sinal de "Okay" de mergulhador é considerado um insulto, em alguns países seria aceito, em outros tolerado ou no Nordeste do Brasil a pessoa poderia ignorar (dependendo de quem for e do local, pode sim haver mal entendido).

As nossas tomadas elétricas geralmente não "casam" com os soquetes dos Estados Unidos e vice-versa, o que leva a turistas e viajantes a ter que comprar adaptadores, lá e cá.

Li uma vez que nas "repúblicas", nos dorms etc, os estudantes fazem uma "tabela de serviço", um lava os pratos, outro varre a casa etc. Um estudante do Brasil disse que havia um certo estudante de algum país árabe que simplesmente ignorava isso.
No país dele, serviços de casa não era pra homem. Desnecessário dizer que atitudes assim criarão resistência do grupo ao aluno que insistir, e até sabotagem em suas atividades. O que não criará é espírito de grupo e ajuda mútua.

Estou dizendo isso só para ilustrar, alguém pode pensar que foi um comentário fora de hora e lugar; falando de um povo distante. Nada disso, conheci muitos lugares no Norte-Nordeste em que a mulher faz tudo em casa e fora dela, e o homem fica igual ao leão em casa, ou com os amigos bebendo. Também, nas mesmas famílias os homens ou meninos são "vacas sagradas" e as mulheres/meninas é que trabalham, e muito.

Também alguém vai dizer, só no Nordeste mesmo! nada disso, no Sudeste principalmente em uma cidade que conheço muita gente, os filhos são o lobo dos pais. Eles tem direitos demais, respondem, falam qualquer coisa (inclusive palavrão) e os pais ficam acuados. Nem de longe vi isso em muitas outras cidades do Brasil.
Se no Brasil temos tantas diferenças entre cidades ou estados, imagine fazendo intercâmbio a uma distância de 7.759 km (dist. aérea Rio de Janeiro-Nova Iorque) ou Rio de Janeiro-Londres 9.289 km.

As diferenças culturais podem ser tantas, que por exemplo, dizem que os Estados Unidos e Inglaterra são dois países completamente separados por uma mesma língua!

Me parece que três boas características do estudante de línguas são: ser humilde (não besta, mas humilde), não assumir que sabe tudo e ter muita curiosidade (no bom sentido, isto é, disposição para aprender e reaprender sempre.)
Avatar do usuário PPAULO 39825 6 32 695
Ah, and if you are a guy and you go to the United Kingdom don´t roam away wearing pants, in the US you can!
In the UK you wear trouses, okay? don´t make confusion.
Olá moacirrcosta,

Na minha opinião a hora certa de fazer um curso no exterior, é a hora que voce sentir que está preparado, que está apto para encarar esse novo desafio, essa nova jornada em sua vida.

Não será de um dia pro outro que você decide isso. Não será em uma bela manhã que você irá falar, bom é hoje, estou me sentindo preparado para viajar XX Km, e “dar de cara” numa nova cultura, clima, língua, etc.. É necessário pesquisar o destino que você gostaria de ir, conhecer sobre o país, cidades, povo, a cultura, etc.. Ver todos os detalhes, pequenos e grandes, para não ter surpresas no futuro.

A hora certa é quando você, após extensa pesquisa, após juntar muita informação, sentir que está preparado, pronto para ir. Não se esquecendo de que se preparar financeiramente também é parte desse processo, não adianta estar preparado mentalmente, ter feito sua pesquisa, e não ter condição de se sustentar.

Em relação ao nivel de inglês, e fluência, isso é muito relativo. O que é fluência para você? Ler um livro “cover to cover” e entender tudo, todas as palavras? Ou mesmo não entendendo algum termo, entender a história, a trama, o que está acontecendo? O mesmo em relação a um filme. Ou fluência para você é conseguir conversar, se comunicar sem problema algum?

Conheço muitos americanos, que falam errado, cometem erros gramaticais simples, e escrevem muito mal. Posso até dar como exemplo, quando estava na faculdade eu tive aula de composition (redação), e tinhamos que ler em voz alta, no começo eu estava com receio, pois era um dos poucos não nativos da turma, e fiquei preocupado com meu sotaque, porém após alguns americanos começarem a ler, me senti mais tranquilo. Alguns não conseguiam ler 2, 3 sentencas.

Voltando ao assunto, creio eu que fluência será definida a partir do seu entendimento do mesmo. O que para você é fluência. Você pode morar a 10-15 anos fora, e mesmo assim irão existir palavras, termos que você não conheçe, o mesmo se aplica com o português, mesmo sendo Brasileiro e falando a mesma língua sempre, existem palavras que não sabemos.

Para concluir (desculpe o tamanho da resposta), eu por trabalhar com alunos internacionais tenho a oportunidade de analisar diferentes niveis de proficiência, existem muitos alunos com um excelente nivel de inglês, e outros com um inglês sofrível. Porém existem casos, como por exemplo ocorre com alunos Koreanos, em que eles possuem uma gramática, excelente, vi casos que eles sabiam regras gramaticais melhor que o instrutor. Porém na hora de falar eles não conseguem se comunicar por mais de 10 segundos. Podemos falar que eles são fluentes em gramática, porém não são fluentes no restante da língua inglesa.

Bom desculpe ter me alongado na resposta, espero ter lhe ajudado.
Sua resposta foi muito boa.

Eu estou planejando um curso no exterior mas o que eu acho que mais está me atrasando é o nível de fluência. Se chegar ao ponto de conseguir estabelecer uma conversa, entender uns 95%, pedir informação e ser compreendido já está bom.

Eu até escrevo relativamente com poucos erros porém não consigo entender direito as frases. Por exemplo, durante a aula algumas frases que meu professor diz eu entendo, já em seguida fico totalmente perdido. Seriados como The Big Bang Theory assistindo com legenda em inglês eu entendo não todas as palavras mas entendo o que a frase quer dizer mas, isso só com alguns personagens já outros eu não entendo praticamente nada.
Também tenho a mesma dúvida. Faço inglês há alguns anos, creio que tenho uma pronuncia e uma fala relativamente boas, dou uma derrapada as vezes na escrita. Já fui pra fora e consegui me comunicar com primos que são americanos. Tenho muita vontade de fazer um intercambio mas ainda sinto um pouco de insegurança.
Avatar do usuário Judy Friedkin 630 2 17
I say "go for it". Don't wait until you feel you are "fluent". It always helps to go to study in the country of the language you want to speak as long as you have some basis.
Moro a 7 meses em Dublin terminei meu curso de 6 meses, Cheguei sem falar quase nada, Agora me considero fluente. Pois como meu professor me disse, Steven ele é Irish, Fluência não saber todas as palavras, mas sim saber expressar tudo o que você precisa e entender o contexto. Uma criança demora mais de 7 anos pra saber falar direito imagina nós que estamos acostumados com o nosso dialeto, nossas gírias entre outras. Então semana que vem estou terminando meu intercambio e recomendo não só pelo inglês mas pelas experiencias, uma oportunidade de amadurecimento incrível. Precisaria de um livro para explicar ...
A hora para fazer não tem hora não tem idade!!

Só não deixe de vivenciar esta experiência.
Olha no meu caso eu me formei na faculdade e fui para os Estados Unidos mais como um desafio de vida do que aprendizado e eu nao falava quase nada e quando cheguei la o meu quase foi considerado um "nada, nada mesmo" entoa nao espere simplesmente va!!! :) boa sorte !!!