Ensinar semi-analfabetos

Olá!
Preciso ensinar inglês básico para um grupo de camareiras onde algumas são semi-analfabetas.
Alguma dica ou sugestão de como abordar o idioma e de que forma aos poucos introduzir algum conteúdo?
Help, please!
MENSAGEM PATROCINADA Aprenda dicas sobre os tempos verbais em inglês! Baixe agora o seu Guia Grátis de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um ótimo resumo para revisar todos os conceitos.

Clique aqui e saiba como baixar!
Olha Sima. Complicado, mas como elas são semi analfabetas, talvez você devesse ensiná-las através de associação mnemônica! Você pode assimilar uma palavra inglesa com algum objeto ou qualquer outra coisa que as camareira se lembrem com mais facilidade. Para se ter uma noção básica do inglês, eu acredito que esta técnica pode ser funcional.
Olá, tenho um livro de ingles intrumental muito bom, vc pode ensinar qualquer coisa a qualquer um com pequenas técnicas de interpretação textual.
No caso de semi analfabetas infelizmente, tera q ir pra um pouco de decoreba, exercicios praticos e repetiçåo, ja fiz isso com um grupo de EJA e deu super certo!
Traga pro contexto delas, use dinamicas com teatrinho e falas prontas q elas precisarão falar! é bem gostoso e prático, elas sairão felizes. Faça uma lista das prioridades, oq elas precisam aprender: Expressões, nomes de objetos, etc, assim vc reduz o seu trabalho e facilita pra ela. Sempre utilize o contexto, assim elas não vão esquecer. Posso te sugerir any dinamicas q dão bem certo! Fico disponível pelo email. Abçs.
Obrigada pelas sugestões! Se vocês tiverem ideias de dinâmicas agradeço!
Seguem sites com dicas e bibliografia sobre ingles para jovens e adultos e instrumental; porem vc deve adaptá-las ao contexto do trabalho e ao que vc precisa, vale ver os vídeos no youtube sobre aulas específicas, tem vários... vc pode adaptar o conteúdo! é bem fácil e prático... Se eu tivesse q fazer uma coisa rápida, pegaria no youtube e usaria sem nem piscar as dicas mais adequadas, situações do dia-a-dia, termos de net, termos de dialogos e nomes dos objetos, bem como como tratamento. E ia levando...
Espero ter ajudado!

http://englishsppurposes.blogspot.com.br
dicas-para-professores-dinamicas-t3780.html
http://www.slideshare.net/dilailendj/di ... ls-6334116
dinamicas-para-aula-de-ingles-t7679.html
http://www.inglescurso.net.br/dicas-par ... -de-ensino
http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/ ... ingles.php
http://www.cpt.com.br/cursos-hotelaria/ ... e-espanhol
http://blogdaprofessoramarcia.blogspot. ... -suas.html
http://www.abihbahia.org.br/associacao- ... php?id=325
http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes ... E_2162.pdf
http://adrionboard.blogspot.com.br


Referências Bibliográficas:

ASSUMPCAO, Ismael. Interdisciplinaridade: uma tentativa de compreensão do fenômeno. In: Práticas interdisciplinares na escola. 10ed. São Paulo: Cortez, 2005. CELCE-MURCIA. Teaching English as a second or foreign language. 2nd. Ed. 1991. FAZENDA, Ivani Catarina Arantes, coordenadora. 10 ed. São Paulo: Cortez,2005. MUNHOZ, Rosângela. Inglês Instrumental: estratégias de leitura: módulo I. São Paulo:Textonovo, 2001.
KLEIMAN, Ângela. Texto e Leitor: Aspectos cognitivos da leitura. Campinas, SP: Pontes, 1989.
KLEIMAN, Ângela B.; MORAES, Silva L. Leitura e interdisciplinaridade:tecendo redes nos projetos da escola. Campinas, SP: Mercado de Letras,1999.
LUAIZA, Benedito almaguer. Imperatriz: Beniros, 2004.
SILVA, Francisco de Fátima. O jogo da leitura e da escrita no ensino-aprendizagem da língua estrangeira, in revista de lingüística Alfa, n. 24, São Paulo, Fundação Editora da UNESP, 1980.
TAGLIEBER, Loni K. A leitura na língua estrangeira. In: Tópicos de Lingüística Aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: UFSC, 1988.
ALMEIDA FILHO, José Carlos P. de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. 2. ed. Campinas: Pontes, 1998.
BENESCH, Sarah. Thinking critically, thinking dialogically. Tesol Quarterly, v. 33, n. 3, p. 573-580, 1999. BENESCH, Sarah. Critical English for academic purposes. Mahwah: Lawrence Earlbaum Associates, 2001.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3o. e 4o. ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998.
BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006. v. 1
BUSNARDO, JoAnne; BRAGA, Denise B. Language and power: on the necessity of rethinking English language pedagogy in Brazil. In: SAVIGNON, S.J.; BERNS, M.S. (Eds.). Initiatives in communicative language teaching II. Reading: Addison-Wesley, 1987. p. 15-32.
BUSNARDO, JoAnne; BRAGA, Denise B. Uma visão neo-gramsciana de leitura crítica: contexto, linguagem e ideologia. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 38, p. 91-114, 2000.
CANAGARAJAH, A.S. Resisting linguistic imperialism in English teaching. Oxford: OUP, 1999.
CERVETTI, G.; PARDALES, M.J.; DAMICO, J.S. A tale of differences: Comparing the traditions, perspectives, and educational goals of critical reading and critical literacy. Reading Online, 4 (9), 2001. Disponível em: http://www.readingonline.org/articles/a ... index.html. Acesso em: 15/09/2006.
COX, Maria Inês Pagliarini; ASSIS-PETERSON, Ana Antônia de. Critical pedagogy in ELT: images of Brazilian teachers of English. Tesol Quarterly, v. 33, n. 3, p. 433-452, 1999.
FISKE, John. Ideology and meanings. In: FISKE, John (Ed.). Introduction to communication studies. 2. ed. London: Routledge, 1990. p. 164-188.
FRANZONI, Patricia H. Nos bastidores da comunicação autêntica: uma reflexão em lingüística aplicada. Campinas: Unicamp, 1992.
2945
MOITA LOPES, Luiz Paulo. “Yes, nós temos bananas” ou “Paraíba não é Chicago não”. Um estudo sobre a alienação e o ensino de inglês como língua estrangeira no Brasil. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo. Oficina de Lingüística Aplicada. Campinas: Mercado de Letras, 1996. p. 37-62.
NORTON, Bonny. Language, identity, and the ownership of English. Tesol Quarterly, v. 31, n. 3, p. 409- 429, 1997.
PENNYCOOK, Alastair. The cultural politics of English as an international language. Harlow: Longman, 1994.
PENNYCOOK, Alastair. A Lingüística Aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, Inês e CAVALCANTI, Marilda C. (Orgs.). Lingüística Aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Trad. Denise B. Braga e Maria Cecília dos S. Fraga. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 23-49.
WIDDOWSON, Henry G. O ensino de língua para a comunicação. Trad. José Carlos P. de Almeida Filho. Campinas: Pontes, 1991.
ZACCHI, Vanderlei J. A questão do inglês como língua estrangeira hegemônica nos PCN. Anais do VI Congresso Brasileiro de Lingüística Aplicada. Belo Horizonte [cd rom], 2002.
ZACCHI, Vanderlei J. (2003) Discurso, poder e hegemonia: dilemas do professor de língua inglesa. Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.
Muuuuito obrigada!