Qual o Limite da Memória para Aprender Vocabulário?

Fine, forget Portuguese language for now, keep your mind on learning English.
MENSAGEM PATROCINADA Aprenda dicas sobre os tempos verbais em inglês! Baixe agora o seu Guia Grátis de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um ótimo resumo para revisar todos os conceitos.

Clique aqui e saiba como baixar!
Quanto maior for o seu prazo para aprender uma palavra, menos tempo você terá que gastar para aprendê-la.

Se o seu prazo para aprender palavras novas é muito curto, compensa você fazer listas de palavras, e decorar. Isso é o caso quando você não sabe absolutamente nada do idioma e fica completamente perdido quando lê um texto.

Mas se o seu prazo é muito longo, não compensa mais tentar decorar nada. Isso é o caso quando você já é fluente, ou quase isso. Os nativos sabem muitas palavras porque eles tiveram a vida inteira para aprender. Então o esforço para aprender cada uma foi mínimo.

O que eu quero dizer é o seguinte: você pode aprender uma palavra em quatorze minutos, se gastar dois minutos com ela durante cada dia da semana. Mas você pode aprender essa mesma palavra em dois minutos, se gastar dez segundos com ela no primeiro dia de cada mês do ano. A diferença é que, para aprender em uma semana, custa quatorze minutos; para aprender em um ano, custa dois.

Eu li um estudo, certa vez, que se não me engano, dizia que você pode rever uma palavra de dois em dois meses, e que depois de sete vezes ( ou seja, depois de quatorze meses ) ela fica na sua memória durante cinco anos. Eles disseram, ainda, que intervalos ainda maiores que dois meses ( três ou quatro ) poderiam dar certo também.
Quantity is better than the quality.
Avatar do usuário PPAULO 39205 6 32 684
Cada um tem um jeito que funciona. No meu caso é só manter o contato com o inglês, ao invés de contar quantas palavras eu apenas vou lendo, por exemplo. Então quando um certo termo se repete e chama a atenção (se eu não conseguir dedução pelo contexto), vou no dicionário, pesquiso etc.
Dependendo do dia, às vezes esqueço coisas do dia-a-dia sim, por exemplo um nome de alguém (interajo com muita gente, e a memória não é fotográfica aqui).
Para números que se repetem, tipo umas 30 senhas, CPF, alguns números de telefones...etc, mas alguma vez já esqueci a placa do carro (é simples, é só tirar uma foto dela e levar no celular quando for precisar - no DETRAN, por exemplo.)
De todo modo, tenho uma agenda Casio SF 7100 (meio tijolão) onde tenho as senhas, só nunca vou poder esquecer a senha dela! E em outras mídias também.
Na verdade, acho que esse tipo de "branco" aí se deve mais à agitação do momento (na vida) do que propriamente algo do cérebro. À princípio, pelo menos.
Existem coisas, por exemplo, regras de português (crase) ou inglês (e.g. O uso de The/a/an - ou - less, more, much, little, few, a few) que é preciso revisitar. Mas hoje tem a internet, e alguns livros de gramática rápida para nos tirar de apuros.
Sempre que pudermos é bom "terceirizar" coisas que há probabilidade de esquecer, só o fato de não poder esquecer já pode ser um fator de ansiedade, e a ansiedade no momento pode fazer não lembrar. Entra-se num círculo vicioso.