Sobre se tornar fluente começando um curso tardiamente

Avatar do usuário victorfgv 55 1
Alguém aqui que tenha começado um curso de inglês depois de adulto e ser ter muito conhecimento da lîngua conseguiu chegar até o nível fluente ou perto disso? Não vale quem foi para o exterior ou teve contato diário com um falante da língua.
MENSAGEM PATROCINADA Aprenda dicas sobre os tempos verbais em inglês! Baixe agora o seu Guia Grátis de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um ótimo resumo para revisar todos os conceitos.

Clique aqui e saiba como baixar!
Avatar do usuário Donay Mendonça 52155 21 84 1220
Vitor,

Todos podem ser fluentes independentemente da idade. O que define são basicamente duas coisas:

A. Tempo de contato com o idioma (falando e ouvindo espontaneamente em situações práticas)
B. Um profissional que se preocupe de verdade com o seu aprendizado e não em seguir passos de métodos (que demoram e não funcionam)

Se você conviver com pessoas em situações reais de uso da língua (mesmo em sala de aula no Brasil), com certeza vai aprender. A idade não é fator decisivo.

Bons estudos. Não desista.
Avatar do usuário PPAULO 41375 6 32 726
Engraçado, quando eu entrei no primeiro curso de inglês em minha vida, foi um de "conversation", hoje ele nem existe mais (existe com outro nome, eu ouvi falar).
Curiosos para saber o que aconteceu? Tinha gente com diversos níveis de aprendizado, e eu não era dos piores mas tinha uma enorme paixão e estímulo de aprender.
Não fiquei fluente (ou perto disso), mas aprendi horrores (aqui um "wordplay" com horrores significando "muito/bastante"). Foi muito interessante, porque tive sorte de ter um professor muito muito bom.
E por isso mesmo (de ser bom no que fazia) muitos não gostaram, pois ele queria que falássemos o máximo possível em inglês a partir do "day one". A filosofia era: se o aluno não conseguir de forma alguma se expressar em inglês aí o professor aceitaria a pergunta em português (e se o aluno não entendesse a resposta ele responderia nessa língua também).
Mas por que não gostariam de um professor desses? Ninguém gosta de ser "forçado" a sair da zona de conforto!

Bom, quanto aos critérios seus para ser o respondente de sua pergunta:
Nunca fui para o exterior, e
Nunca tive contato com falantes da língua inglesa. Mas por esse critério eu deveria ser fluente ou quase em francês, pois morei numa cidade onde se esbarrava com franceses na esquina, na rua e no trem. Quando eles vinham pedir informação a gente acabava falando em inglês, ou algum colega falava com eles em francês (sim para uns o contato funciona, mas um forte interesse - vontade - é o que conta mais).
É isso aí. Eu espero aprender bastante, pois, não falo quase nada de inglês. Valeu!
Avatar do usuário victorfgv 55 1
Eu já tentei dois cursos e sempre me desestimulo no meio do caminho. Tô pensando em tentar o método do Mairo Vergara.
Avatar do usuário PPAULO 41375 6 32 726
Eu não tive contato diário em situações reais com nativos, mas também não espere que a comunicação seja desse tipo, ou sempre desse tipo.
Se você estiver na rua e alguém te pedir informação? Digamos, um chinês que não fala muito bem e em inglês para piorar a situação? Se for um indiano há chances dele ter um inglês bom, porém mais aproximado do tipo do inglês do Reino Unido.

Mas voltando, se o chinês lhe pergunta onde é a embaixada da China? E se não tiver a embaixada da China na sua cidade?
Situações de comunicação são inesperadas, por isso aulas particulares com quem entende "as manhas" da comunicação em determinada língua são imprescindíveis. Tudo bem que a gente aprende como pode, com as aulas e professores que tiver, mas a gente tem que se forçar a fazer a coisa, ler, falar, escrever, testar os conhecimentos, correr por fora (ler sites em inglês de diversos assuntos), assistir filmes, aprender e cantar uma música, ler "comics" em inglês, etc...
Assim como foi apontado por Donay, simulações de situações em sala de aula (por um professor fluente) pode sim ser uma excelente ferramenta (além de desinibir o aluno - afinal todo mundo vai errar e rir disso, rsss).
O importante é se preparar para usar o que aprendeu (assumindo que se aprendeu), isso é mais importante que cravar uma nota alta, a média ou coisa assim.
Não é que a avaliação não prova nada, mas você é que deve entender que deve estudar pra você (ainda que muitos, no início pensem numa promoção, em namorar uma inglesa, etc etc). :-)