Tradução de "shoulderings aside"

Vitória Firmino Si 55 1
""The poverty of the incapable, the distresses that come upon the imprudent, the starvation of the idle, and those shoulderings aside of the weak by the strong... Are the decrees of a large, far-seeing benevolence."

É uma frase de um livro de 1851. Alguém pode me dizer o que "those shoulderings aside of the weak by the strong" significa? De preferência com tradução. Agradeço!
MENSAGEM PATROCINADA Faça um teste de inglês e descubra seu nível em 15 minutos! Este teste foi desenvolvido por professores e linguistas certificados. O resultado sai na hora e com gabarito.

Iniciar o Teste Online!
4 respostas
Ordenar por: Votos

Redseahorse 13455 2 20 276
Trechos de obras literárias arcaicas como este extrato (quase dois séculos) são sempre difíceis de serem traduzidos e contextualizados numa linguagem contemporânea, são desafiadores!
Minha suposição acerca do significado de SHOUDERINGS ASIDE neste caso, é de que isto possa ser um substantivo, cujos significados seriam: desconsiderações, desprezos, desdéns, descasos, indiferenças, etc.

Sugestão:

" A pobreza dos incapazes, as angústias que acometem os ignorantes, a fome dos ociosos e, aqueles descasos dos mais fortes com os mais fracos... São atos de uma grande e precavida generosidade "

Ricardo F. Bernardi 12480 19 260
Olá VITÓRIA,

Segue algumas observações:

O advérbio aside significa à parte ou de lado.

A adaptação é um dos requisitos dos profissionais tradutores e intérpretes, que precisam auxiliar o público a se aproximar da referência, mantendo a essência da mensagem original. Durante o processo de intérprete e tradução, algumas palavras como o advérbio mencionado não são traduzidos, pois certas expressões já apresentam a ideia ou intenção do autor.

Em sua frase, Spencer faz uma afirmação o quanto certas coisas são esquecidas, abandonadas, isto é deixadas de lado, dentre elas a derrota dos fracos pelos fortes. A palavra shouldering é um substantivo mais utilizado por filósofos e outros acadêmicos, que pode ser traduzido como derrota completa, arrasamento, esmagamento. O autor afirma que são esses shoulderings os responsáveis em deixar muitos completamente esquecidos e carentes.

Uma vez que a ideia está explícita ou evidente, não há a necessidade da tradução de aside.

Outra observação é que a expressão aside of é arcaica. Há alguns gramáticos e linguistas que defendem que seu uso é equivocado enquanto outros dizem que é inapropriado. De qualquer maneira, hoje em dia, essa expressão seria melhor compreendida com o uso da expressão aside from ou das preposições beside ou alongside, dependendo do contexto e do uso gramatical correto.

Aproveito a oportunidade para aconselhá-la a tomar cuidado ao estudar livros antigos, pois o inglês arcaico não é pertinente ao mercado profissional atual. Ele não permite que nos comuniquemos com clareza e eficiência.

De qualquer maneira, estamos à disposição para ajudá-la com o que pudermos.

Att. Ricardo.
_

Seguem respostas:

The poverty of the incapable, the distress that comes upon the imprudent, the starvation of the idle, and those shoulderings aside of the weak by the strong, which leave so many 'in shallows and in miseries,' are the decrees of a large, farseeing benevolence

>> (1) A pobreza dos incapazes, a angustia dos imprudentes, a nudez dos preguiçosos, esse arrasamento dos débeis pelos fortes, que deixa tantos seres 'na miséria', são decretados por uma benevolência imensa e previsora.

>> (2) A pobreza dos incapazes, a angústia dos imprudentes, a inanição dos ociosos, o esmagamento dos fracos pelos poderosos, que abandona um grande número ‘nas profundezas e na miséria’ são as determinações de uma benevolência imensa e previdente.

REFERENCES:

(1) SPENCER, Herbet. The Principles of Biology, 1864.

(2) MATOS, Luiza et al. Beginning, Middle and End: How to Be a Managing Translator and Deal Effectively With Your Projects. 2016.

PPAULO 56090 6 43 1005
For variety´s and contribution´s sake. Another point of view.
My version is supposed to be complementary, though.
A pobreza do incapaz [1], a angústia dos imprudentes, a apatia dos ociosos [2], a imposição
E ênfase nos interesses da categoria ou grupo vencedor [3], que deixa (resulta em) um grande número ‘nas profundezas e agruras’. São as determinações/diretrizes (necessárias) de uma benevolência abrangente e de longo prazo.
[1] Incapaz – eu diria que no sentido de “ignorante/impotente/que não tem representatividade” nas relações econômicas.
O “esquecido” (sem voz) pelo sistema e pelas instituições socio-econômicas. Nas relações industriais alguém que (não tendo emprego formal) nem é “lembrado” pelos sindicatos (ou outras instituições concernentes ao trabalho) nem pelos capitalistas.
No dia a dia, poderíamos chamar de “o humilde/o quebrado (em termos de dinheiro e, por extensão, representatividade)”.

[2] Inanição – no sentido falta de energia, cansaço físico e mental, apatia. A melancolia decorrente.
Optei por apatia, com o raciocínio de “ocioso” no sentido de alguém fora do mercado de trabalho/sem emprego, etc.
Ou seja, a população economicamente inativa e sem chance de fazer parte dela, pelo menos aparente e temporariamente (pois sempre há uma forma de incluir (é só pensar bem em buscar soluções – não necessariamente paternalistas).

[3] Brush aside – aqui me parece ser “elbow aside/shove aside”, a imagem e explicação que vi num livro é “it´s more than leave aside, ignore. It´s when someone impose on others doesn´t care about others”.
Ou seja, no caso aqui é a competição (não tendo regulação) onde impera “a lei do mais forte”, então calcada no individualismo (competição Darwinista diziam antigamente).

Na prática podemos traduzir como o “esmagamento pelos poderosos”, contudo eu consideraria também pensar metaforicamente na possibilidade do “salve-se quem puder competitivo” (sem regulação saudável).
Este tipo de competição não acontece somente entre as classes dominantes/mais fortes e outras com menos “cacife/poder de barganha...etc”, mas pode acontecer até entre intelectuais:

https://postmedieval-forum.com/forums/f ... ew/odair/

Swift’s clashes and collisions reverberate in Randall Collins’s massive and erudite sociology of intellectual life, in which our work is described in terms of struggle, conflict, and competition, “an implicit shouldering aside and grasping of one another to get as much into the focus of attention as possible”.

Cut-throat competition of sorts! (ou seja competição sem a harmonização dos interesses de um grupo.)

Kathleen Fitzpatrick’s vision for peer-to-peer reviewing and for academic publishing, which is that they will foster helpfulness:  “for network-based publishing to succeed, the communal emphasis of network culture will have to take the lead over academic culture’s individualism”.

Vitória Firmino Si 55 1
Caramba, que resposta incrível! Muito obrigado, Ricardo! Se pudesse, eu votaria duas vezes!