Free to speak: Minha experiência na Irlanda

Quando cheguei na Irlanda em 2008 logo percebi que o inglês aqui era diferente. Mas como eu também ainda precisava me adaptar e entender um pouco mais da cultura, eu decidi esperar as aulas e então checar a pronúncia dos professores para avaliar o que eu estava ouvindo. Infelizmente muitos professores estão em sala de aula somente pelo fato de serem falantes nativos da língua. Não têm formação na área de ensino e a falta de gramática é visível. No entanto, eu estava mais interessada na pronúncia e em conversação, uma vez que eu já vinha com uma boa bagagem de gramática e ensino do Brasil.

Tendo expectativas diferentes, eu não me decepcionei. Eu já havia tido uma experiência de um mês em Vancouver, no Canadá, em 2005, então já sabia que não poderia esperar (poderia, mas não exigiria) professores com qualificação ‘x’ ou ‘y’.
O inglês ‘irlandês’ é bem diferente do que eu já havia ouvido antes. Em alguns lugares assusta até, tamanha a diferença de sotaques. Dado o tamanho do país é surpreendente encontrar tantos sotaques e dialetos. Mas é exatamente aí que reside a beleza da língua.

A língua é um código social, mas é deliberadamente democrática, inclusiva e educada (quando quer). Eu falo, eu entendo, eu posso até inventar, mas eu preciso respeitar certas normas da língua. Eu posso falar estranho e meio diferente, mas eu preciso ter em mente que se eu não me fizer entendido não há comunicação.

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

A pronúncia e o sotaque

Não há problemas com sotaques ou dialetos contanto que todos se entendam. Língua é um dos traços que diferenciam grupos; o mais forte eu diria. E sotaques são inerentes às línguas. E as diferenças fazem com que regras sejam revistas e repensadas quando se está inserido no contexto real de uma língua.

Quando se aprende uma língua (embora isso sirva para qualquer língua vamos nos ater ao inglês) no ambiente onde esta não é a língua nativa, pode-se incorrer nos seguintes erros: apoiar-se demasiadamente na gramática e ‘pronúncia correta’; a fazer perguntas sem cabimento querendo explicação do porquê do porquê; a acusar o inglês de não fazer sentido aqui e ali; a cobrar certa linearidade e previsibilidade; a fazer pouco da língua quando o básico já foi entendido; a complicar o que não é difícil ou não dar atenção ao que exige um pouco de cuidado; ou simplesmente a não reconhecer ou não dar valor às diferenças.

Veja o caso do ‘th’. Há tantos que se frustram por não achar sua pronúncia do‘th’ a ideal. Eu sofri disso também um dia. Sei e continuo pronunciando o ‘th’ como se tivesse a língua presa, mas relaxo quando isso não acontece. Por quê? Simplesmente porque aqui na Irlanda o pessoal pronuncia o ‘th’ como‘t’. Oh, que liberdade!! E ninguém fica perdido na mensagem. Conversando com meu cunhado há umas duas semanas falávamos sobre o Google Earth (que eu pronunciei com o ‘th’ de língua presa). Meu cunhado, porém, repetiu a palavra do jeito que ele fala numa tentativa de me fazer rever minha pronúncia. Isso porque ele está tão acostumado com o ‘th’ com som de ‘t’ que não faz sentido uma pronúncia diferente. Normal. Quantas vezes queremos defender nossa maneira de falar, não?

Meu cunhado não está errado e nem eu. Nós dois estamos certos. O fato de ele não reproduzir a pronúncia britânica não faz a dele ser errada. É o mesmo que esperar brasileiros falarem como os portugueses. Cada grupo com seu traço distintivo. E entre aprendizes no estágio inicial as diferenças são mais acentuadas. Aprendizes alemães do inglês tendem a pronunciar o‘th’ como ‘s’ (‘What are you ‘sinking’ about?’ Veja o vídeo:

Aprendizes brasileiros tendem a pronunciar o ‘th’ com som de ‘f’ (‘I ‘fink’ this is good’); aprendizes russos tendem a pronunciar o ‘th’ como ‘z’ (‘I like ‘zis’ one, but I don’t like ‘zat’ one’).

Isso deve-se ao fato de usarmos a ferramenta que temos para avançar no aprendizado: a língua materna. Os sons similares são suficientes para nossa escalada rumo ao topo. Se no início você esperar pronunciar tudo tal como é vai demorar mais para você falar (e acabar por descobrir que há quem pronuncie o ‘th’ como ‘t’!).

Há quanto tempo você estuda inglês? Já passou por sua cabeça que você pode estar estudando de uma forma que dá pouco ou quase nenhum resultado? Que tal fazer um intensivo de inglês de 180 dias e recuperar o tempo perdido? Em 6 meses você pode elevar o seu inglês a um novo nível. Clique aqui e saiba como.

Para Concluir

A autora Elisabeth Smith descomplica e vai direto ao ponto. Em seus livros de como falar o básico das línguas ela repete em várias partes ‘near enough is good enough’ (algo como ‘próximo o bastante é bom o suficiente’). Pensar assim traz mais liberdade e menos condenação para o aprendiz.

Foque no progresso, não no acerto imediato. Não estou incentivando você a falar de qualquer jeito (lembre-se, a intenção é ser bem entendido). Não mesmo. Até aconselho que você receba bem correções e até peça para ser corrigido. É bom ter um padrão, um norte, um modelo. Mas liberte-se de qualquer neura ou excesso de exigências e permita-se experimentar o que antes parecia totalmente inadequado. Encare o aprendizado como uma ponte que te conduz ao outro lado, não como uma cerca ao seu redor que restringe e delimita.

Free to speak at last! What do you ‘tink’?

Erica

Erica De Monaco Lowry

Erica De Monaco Lowry has been living in Ireland since 2008. She is a teacher, an interpreter, a translator, a tour guide and an insatiable learner. Her favorite pastimes include reading, travelling, socialising and catching up with her family.

Mostrar 49 comentários