É necessário o uso de "but" neste caso?

Foi-me pedido que fizesse uma correção na parte grifada na seguinte passagem:

"The professor disagrees by saying the "necessary and proper" clause is not about power, it was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government"

Não encontrei erro. No entanto, a resposta era "power, but it". Ora, é exigência inserir o "but"? Há outros casos em que as preposições não podem ficar subtendidas como na língua portuesa?
MENSAGEM PATROCINADA Você sabe como está o seu nível de inglês? Teste agora GRÁTIS em apenas alguns minutos.

Clique aqui para iniciar o Teste Online!
Avatar do usuário Donay Mendonça 49875 21 80 1155
As duas opções fazem sentido e são prováveis de serem usadas por 'native speakers'. Pessoalmente, acho que a opção sem "but" não é incorreta.

"The professor disagrees by saying the "necessary and proper" clause is not about power, it was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government.''


''The professor disagrees by saying the "necessary and proper" clause is not about power, but it was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government.''
Avatar do usuário Henry Cunha 9970 2 17 177
A sentença original:
"The professor disagrees by saying the "necessary and proper" clause is not about power, it was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government."

O erro principal aqui é de separar duas cláusulas independentes somente com uma vírgula. A solução mais simples seria de empregar um ponto-e-vírgula (;) ou ponto final (.).

Mas mais fundamentalmente, a frase peca pela incoerência na mudança de tempos verbais e de argumentos apresentados em cada parte: "ele discorda, arguindo que a clúsula não é sobre poder [presente ind.], era só para criar flexibilidade [passado]".

Seria o mesmo que dizer:
"Ele diz que não é sobre isso, era para fazer aquilo." "É sobre isso" e "era para fazer" são qualitativamente argumentos diferentes, e não necessariamente opostos e excludentes.
Se eu disser, acerca do dia, "Está claro agora, mas estava escuro antes" ninguém arguiria que um excluie o outro -- o tempo passa,né? Esse "mas" funciona bem neste caso.

Então, sugestões razoáveis de redação:

The professor disagrees by saying that the "necessary and proper" clause is not about power. It was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government. (Redação mínima, e precisamos daquele "that" na primeira oração -- reportagem indireta do que ele disse.)

The professor disagrees, saying that the "necessary and proper" clause, instead of being about power, was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government" (Redação mais extensa, conectando bem os dois argumentos e favorecendo o segundo.)
Avatar do usuário Henry Cunha 9970 2 17 177
marlon2s escreveu:Foi-me pedido que fizesse uma correção na parte grifada na seguinte passagem:

"The professor disagrees by saying the "necessary and proper" clause is not about power, it was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government"

Não encontrei erro. No entanto, a resposta era "power, but it". Ora, é exigência inserir o "but"? Há outros casos em que as preposições não podem ficar subtendidas como na língua portuesa?


Marlon, o que eles queriam era salientar a necessidade do "but" como conjunção, unindo duas orações independentes. Pena que o exemplo contém outros erros gritantes, como já mencionados acima. "But" não funciona sem outras emendas (ver abaixo): não deixa óbvio tudo aquilo que deve ser atribuído ao professor. Algo como o seguinte faz isso:

The professor disagrees by saying that the "necessary and proper" clause is not about power, that it was only meant to make the Constitution flexible and allow for future changes in the government"

A repetição do "that" une as duas coisas sendo ditas pelo professor. Ou, se realmente quizermos um "but", fica melhor assim:

The professor disagrees by saying that the "necessary and proper" clause is not about power, but about making the Constitution flexible and allowing for future changes in the government.
Avatar do usuário Henry Cunha 9970 2 17 177
Quanto à omissão da conjunção, depende:

He went this way, she that way. = Ele foi pra cá, ela pra lá. (Omitir "and" (e) ou "but" (mas) não afeta nada. O único verbo deixa tudo claro.)

He said he went this way, she that way. = Ele disse que ele foi pra cá, ela pra lá. (O paralelismo ainda indica que ele disse tudo.)

He said he went this way, but she went that way. (Agora já não sabemos se foi ele quem disse tudo isso, ou se há alguém mais opinando sobre ela. Confusão.)

He said he went this way, but that she went that way. (Tirou a dúvida.)
He said he went this way and that she went that way. (Tb tira a dúvida. A vírgula é facultativa: numa construção mais complexa, valeria a pena inserir.)

E assim por diante.
Muito obrigado pelas explicações.

Em relação ao último comentário; realmente, uma regra que vale para o inglês é: se faz mais sentido é mais provável que esteja certo.

Coincidentemente postei mais um tópico com dúvida do MyEnglishOnline usando o mesmo texto (apenas agora reparei que era o mesmo texto).