Aprender Sem Gramática

Qual o problema em aprender sem se preocupar com a gramática, sem se preocupar, entendam, sem focar, isso não impeça que eu veja uma coisa ou outra.

Para ajudar, vou explicar um pouco meu histórico.

Tenho um bom vocabulário e ele me ajuda muito mais que as regras gramaticais, tenho um bom entendimento do audio passivo, tenho dificuldades para me expressar, não muita, mas tenho e aprendo a maioria das coisas observando como se usa e em sites como EE. Então, tenho me preocupado em adquirir o idioma simplesmente me atentando em como as estruturas são formadas sem me preocupar com regras gramaticais.

Meu objetivo é comunicação verbal, conversação, depois do idioma adquirido, aí sim posso me dedicar um pouco mais a gramática, mesmo assim, nada profundo, pois meu objetivo é o uso do idioma, não pretendo ensinar e muito menos utilizá-lo para composição de cartas, simplesmente conversas informais.

Como os amigos observam isso? É ruim? Quais dicas me dariam?

Muito obrigado!
Avatar do usuário PPAULO 35970 4 32 631
Yeah, everything is great here. Thanks.
Everyone has his way of learning, so no problem at all, it´s fine by me. Here we have members of pretty much all walks of life, that use every conceivable method and having all manners of preferences, interests and hobbies.

So, you can express yourself as you wish, there´s even a way to record something and send to the site. Don´t know if there´s a voice-chat already in place, but certainly there are studying groups of English.

And as you say you have English just as a hobby and intelectual challenge, it might be okay to get in touch with such groups or even get in touch with some native around (there are plenty of "expats" in Brazil, believe me). Not to mention some bars were English is spoken (in Sao Paulo) and religious services in several places were English is used, etc etc.

Welcome to the Forum, and if some doubt arises nudge the guys around here. I wish you well.
MENSAGEM PATROCINADA Para aprender mais sobre os Tempos Verbais baixe agora o: Guia Grátis de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola.

Clique aqui e saiba como baixar!
Avatar do usuário Daniel Reis 815 14
Particularmente acho que não é possível aprender uma lingua sem estudar sua gramática, não em nosso caso(já somos adultos), isso é diferente com crianças e ainda assim, crianças dedicam uma grande parte dos estudos a gramática, quem aqui não se lembra das aulas de Português?
Mas é aquilo, cada um tem seu jeito de aprender, tem muita gente que domina a gramática mas não sabe se comunicar com o mesmo nível, e tem gente que consegue até ser fluente mas não sabe escrever uma carta, email sem erros grotescos na escrita.
Para mim deve ter um equilíbrio entre todas as habilidades, e gramática é uma delas.

Valeus
Avatar do usuário PPAULO 35970 4 32 631
Hi William, perhaps you didn´t express himself well, or your choice of words wasn´t enough to convey simpathy to your point of view.

When you ask "what´s the problem with learning without worrying about grammar, without to much worry about it, without too much focus on it, and yet learning (by focusing on listening - implicit here) without hampering the knowledge in general. Including grammar itself.

Qual o problema em aprender sem se preocupar com a gramática, sem se preocupar, entendam, sem focar, isso não impeça que eu veja uma coisa ou outra.

Yeah, I tried to reread it and to put myself on your shoes, hence my tweaking with your little piece of text there. I thought about re-explaining your p.o.v.
Man! I myself almost fell on the trap, and would say to you "there´s no learning without grammar at all."
Of course, grammar has to do with how the thought presented to somebody else, rather than how it is organized (which can be in a pretty random way - just think of a brainstorm process).
And by the way, as you have pointed out, even learning "by ear" one has to deal with ''structures" wich ammounts to "applied grammar" (I am here making some analogy with "applied mathematics"). So, using the language is, to some degree, using grammar per se.
Well, if I got your drift, you were refering to some guys out there that overplay their hand by concentrating on grammar.
That led me to a quotation that I found on the net, "By concentrating on precision, one arrives at technique, but by concentrating on technique one does not arrive at precision."
at http://www.brainyquote.com/quotes/quote ... Xdk5BX4.99

And as it happens to everything balance is somehow the spice of life (I paraphrased another quotation here, LOL, should be ''variety", not balance...). Thus, grammar is very welcome when it´s needed, it´s like salt to a recipe or a dish.
Then overly concentrating on grammar could take up a lot of time of a student in a rush (and distress). On the other hand, too little grammar would lead one sometimes to make stupid mistakes or don´t express himself in the best way.

There are reasons to teach and use too little or two much of it, so the secret is to find a balance.

https://www.teachingenglish.org.uk/blog ... gh-grammar
Avatar do usuário edrob518 3100 6 68
Hi there,pal

I liked the topic, so I thought I'd put my two cents in.

I think it's totally possible to learn grammar without ever cracking a book. Children, for example, when they're learning their language do not need to study grammar and yet they can commmunicate effectively. And why's that? first of all because they're surrounded by the language all the time and be it written English, spoken English and because of this they end up internalizing the patterns of the language.
If you're a kind of learner who reads a lot of stuff in English or German, Spanish whatever, you're going to acquire the grammar without even noticing and before you know it you'll be speaking English. The more you read the better you write and speak, I believe. At the end, it all boils down to reading a lot of stuff so that you get used to the structure.
Avatar do usuário edrob518 3100 6 68
There will come a time that speaking English will become second nature to you depending on much you read and listen to it . You won't need to think too much about what you're going to say because the patterns of the language has already been acquired. Besides that, you sort of develop the so-called gut feeling for correct and natural English, like, ''commit a mistake''. You know it's not supposed to be written like that. It just sounds weird to you. You'd get your message across, I think. But this is probably not best choice of words.

That's all.
Avatar do usuário PPAULO 35970 4 32 631
I agreed to a degree, but it´s worth noticing that when are kids our parents and relatives correct us all the time (in a kindly way). Who didn´t hear them say "não é mais grande, é maior!" when we made Portuguese slips at that time?
To a grown up, there are also some small traps in which non-natives would fall into, for example even a Brazilian child would know that Jian Pu (a Masterchef participant) changes the article "a" and "o" ("o melancia", for example); that per se don´t deprive her merits on anything, she do knows Portuguese and it´s a very very good cook (not to mention that she comes from a Chinese background and until recently didn´t study Portuguese).
One could compare her to Biafra (the singer that sings in Portuguese) and perhaps would say that had not even noticed that Biafra wasn´t a Brazilian! whereas with Jiang one knows from the very begining (I mean, facial features apart).
Both knows Portuguese, and a lot of it. What one has to know when to study, is to stablish his goal, to what I am going to study (English - in our case)? I am studying to know what the guy on the film is saying? just to sang that music along? if so, he/she can relax and get an easygoing approach.
On the other hand, if he/she is going to take a test (Toefl, for instance) then he/she needs to get that grammar book and companions (text)books at handy.
Well, whatever the case we are here to be togheter in the journey. ;)
By the way, grammar is around in surprising ways, as the guy found out somewhere; when he saw that sign saying "ensina-se português e vende-se calvão" (he then felt he knew something about grammar).
Bom dia pessoal!

Muito obrigado pelas recomendações e observações.

Acredito que realmente não ficaram claros os meus objetivos.

Eu já tenho um vocabulário regular, que me permitiria manter uma comunicação sem grandes problemas. Meu objetivo no momento, é adquirir o idioma para manter comunicação informal, não vou utilizar profissionalmente, como o Paulo até apontou, é para assistir filmes, ouvir uma notícia, assistir documentários, tutoriais e afins, além de conseguir manter um diálogo com nativos ou não, sem estabelecer foco em nenhuma região específica.

O objetivo principal é me comunicar, secundário a isso, conseguir assimilar conteúdos em vídeo dos mais diversos tipos, jornais, filmes, seriados...

Quando já estiver familiarizado, aí sim ir estudando a gramática, eu percebi que se eu estudar os dois juntos, fico desmotivado, fica chato, a minha grande dúvida é, se eu focar agora somente a comunicação e compreensão de conteúdos em vídeo, terei muitos problemas? Lembrando que hoje, não tenho necessidade da habilidade de escrita.

Vejam por exemplo, já peguei algumas coisas de gramática, o uso de : often, sometimes, hardly ever, never, que são advérbios de frequência, quando usados com o verbo TO BE, eles vêm depois do verbo, eu simplesmente percebi que é assim que se usa, aí eu fui ver gramaticalmente porque se usa assim, afinal, eu aprendi português assim e mesmo hoje, eu não me preocupo em ver certas regras de gramática em português, pois eu sei como se usa.

Acredito que esta forma de aprender seria muito ruim caso meu objetivo fosse usar a linguagem formal em ambiente corporativo, por exemplo, mas não é o caso, então, acredito que não terei grandes problemas, concordam?

No mais, obrigado pelas respostas, forte abraço!
Avatar do usuário PPAULO 35970 4 32 631
Well, I don´t dissociate the learning of spoken English to the learning of grammar (and by extension, some things about English-speaking cultures and all that jazz.)
I think we are here to exchange ideas about it (English learning), so to me any method that suits one learner or another is good. I am not going to endorse one over another, just will (if asked) to give credit to someone else about his skills on English as a whole.
That said, no I don´t think you won´t have any problems, perhaps only will lack some fundamentals, but then you can catch up with it later when you feel so.
So, let´s move on.

More on English that may interest you:
http://www.englishleap.com/other-resour ... glish-tips
MENSAGEM PATROCINADA Leia o e-book Aprendendo Idiomas por Conta Própria e conheça as técnicas utilizadas pelos Experts para aprender idiomas. Com ele você vai aprender a aprender inglês!

Baixar uma Amostra Grátis!
Tentando provocar uma pequena reflexão sobre o problema da motivação para se aprender outros idiomas.

Acho que saber o que se estar fazendo ou pelo menos pensar que se sabe é fundamental para avançar com um mínimo de motivação, quando o que se faz é algo que demanda esforço e perseverança da nossa parte.

Obter um determinado grau de habilidades em relação a um idioma é algo que resulta como fruto de um processo cujas etapas precisam ser rigorosamente respeitas para que o aluno não venha a desmotivar-se com o tempo.

O professor e, inclusive, o próprio aluno precisam estar atentos para o problema de cair na tentação de se querer queimar etapas. É fundamental que o aluno avance de forma consciente da necessidade de cumprir cada etapa da melhor forma possível.

É fundamental, portanto, que cada etapa seja proposta levando-se em consideração a anterior como base, de maneira que o aluno possa avançar pouco a pouco de forma sistemática e dessa maneira sempre consciente do seu próprio progresso.

Não adianta querer correr, se os seus passos ainda são cambaleantes e se você ainda mal consegue se manter de pé. Sugerir de cara como proposta de atividade para um aluno inexperiente que assista filmes, por exemplo, é algo que pode tornar-se extremamente frustrante e desmotivador para o aluno.

Ensinar antes de qualquer outra coisa é uma arte, portanto não adianta querer propor receitas predefinidas e ainda por cima muitas vezes equivocadas. Tudo o que podemos dizer é que existem princípios que precisam ser respeitados e que não há regras, a não ser a da criatividade de cada um, aliada ao princípio da imprescindibilidade do avanço progressivo do aluno.