Por que minha Mãe não me botou no inglês?

Harry PotterNavegando sem destino pela net encontrei no blog Técnicas Avançadas, um depoimento bem interessante de uma menina a respeito do gostar e do não gostar de estudar inglês. Vale a pena ler e refletir a respeito!

Eu nunca quis fazer inglês. Talvez eu fosse ligeiramente subversiva quando criança, minha irmã diria sem rodeios “revolucionária”, mas eu nunca quis falar inglês.

A primeira vez que me arrependi dessa infantil decisão foi no lançamento mundial do quinto Harry Potter, em inglês, claro. Culpei, obviamente, a minha mãe, oras, mas por que diabos ela NUNCA tinha me botado pra estudar inglês? Eu tive que fazer natação a contragosto, ela podia ter me botado no inglês também, poxa!

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

E Harry Potter, o 6 e o 7, sempre nos meses de julho desses últimos anos, foi o culpado por eu sempre me irritar com o fato de ser uma analfabeta na língua mundial. Pensei que, com o lançamento do último esse martírio de culpa e de ler traduções livres na internet tivesse acabado. Até que eu achei o site da UofT, University of Toronto.

Hoje, o dono da companhia que vai levar meu cunhado (minha irmã, meus dois sobrinhos e, daqui uns 4 anos, eu) pro Canadá, francês de nascimento e morador de Toronto há 50 anos, poliglota, olhou pra mim e perguntou: “Onde você estudou inglês?”.

Meu primeiro pensamento, rasgando, foi o de que as poucas palavras que eu tinha trocado com ele saíram completamente erradas, todas as conjugações que eu usei foram equivocadas e que eu não tinha a menor chance de um dia conseguir entrar no Canadá, o que seria do mestrado que eu queria fazer lá?

Eu respondi, morrendo de medo, “só na escola…”.

Ah! Ele disse que era ótimo!

See you!

Alessandro

Alessandro Brandão

Alessandro Brandão é coordenador do English Experts e do Fórum de idiomas. Trabalha também em projetos na área de Ensino a Distância (EaD).

Mostrar 16 comentários