Método de associação de palavras, funciona?

Hello everybody,

Comprei o livro "Memorização para aprender idiomas" da editora Universo dos livros. Porém achei muito estranho a forma que é utilizada, por exemplo a associação. Vou citar um exemplo:

"A palavra Red (Vermelha). Associar a palavra "red" com rede. Rede é um facilitador, isto é, uma referência para facilitar a memorização. Agora, lembrando que o cérebro memoriza mais facilmente quando visualizamos mentalmente a idéia, eu imaginei uma rede (por causa de red) vermelha. A partir daí, abusei da possibilidade de utilizar imagens; pensei em todo tipo de redes: de vôlei, tênis de mesa, e até de pesca; com uma única condição: todas as minhas redes, de agora em diante, teriam de ser vermelhas.
Outro exemplo: gray é, cinza em português. Porém, gray também sugere gay. Apesar de gray ser diferente de gay, a palavra gay em português me ajudou a nunca esquecer que gray é, cinza. Imaginei um homossexual todo coberto de cinzas; essa imagem criou rapidamente um novo signo no meu cérebro: o dos gays cinzas, associados a gray"

Vocês acham que isso funciona? Eu particularmente fiquei desapontado com o conteúdo do livro, é ridículo. O que vocês acham?
MENSAGEM PATROCINADA Para aprender mais sobre os Tempos Verbais baixe agora o: Guia Grátis de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola.

Clique aqui e saiba como baixar!
Avatar do usuário Henry Cunha 9960 2 17 177
Se ainda dá pra devolver, eu faria isso o mais cedo possivel.
Avatar do usuário Flavia.lm 3885 1 9 86
isaquesilvadealmeida escreveu:(...) fiquei desapontado com o conteúdo do livro, é ridículo. O que vocês acham?


Acho ridículo tb.
Avatar do usuário Donay Mendonça 49115 21 73 1138
Pessoal,

Tem escola conhecida no país inteiro usando isso. Se fosse uma fórmula matemática, ou senha, tudo bem; mas um idioma, é realmente ridículo. Não vou falar o nome da escola, posso dizer que a mensalidade deles é aproximadamente 400, 00 reais por mês.
Avatar do usuário jackmorais 140 2
Henry Cunha escreveu:Se ainda dá pra devolver, eu faria isso o mais cedo possivel.


Nossa, mas URGENTEMENTE, devolva.

Associação linguística no cérebro funciona assim:

Você sabe que cadeira tem a imagem de 4 paus em pé mais uma tábua em cima e outra tábua em pé (estou sendo bem simplista). Quando você ouve cadeira teu cérebro pensa, imagina, associa esses sinais gráficos - as letras nessa ordem, c + a + d... àquela imagem. Ao estudar inglês, agora você precisa associar uma nova sequência de sinais, ou seja, chair. Além de ser uma nova série, chair, segundo o funcionamento do seu cérebro, seria lida "xair". Aí é que entra a BOA associação.

Na minha opinião, o que funciona é você sempre escrever aportuguesadamente os fonemas, os sons, dessa nova série de sinais, ou seja, "tchér".

Digo aos meus estudantes para que escrevam em caneta verde a versão aportuguesada. Desse modo, é sempre como falar e nunca como escrever. Escreve chair e fala tchér.

Com a prática, de acordo com a sua necessidade ou imposição (os 2 motivos para se aprender uma nova língua), seu cérebro vai entender que aquela imagem dos 4 paus, etc agora tem duas versões: cadeira e chair.

Isso parece complicadíssimo sendo falado assim, mas nosso cérebro faz coisas incríveis, que surgem de modo muito mais fácil do que a explicação de como elas resultam. A repetição e a frequência com que você passa a associar novos sinais gráficos às mesmas imagens que você já conhece lhe traz a fluência.

Por isso o writing é tão importante. De novo, explicando de modo bastante simplista, tudo que você lê e escreve em inglês faz com que você entenda a língua. Tudo que você ouve e fala faz com que você entenda a fala.

Assim, red é vermelho. Seu cérebro já tem a informação do que seja a cor vermelha. É inútil tentar convencê-lo associar a cor vermelha a uma rede. Você não deve mudar a imagem, mas os sinais gráficos. Com os fonemas existentes em seu cérebro, você aprende a falar.

Perdoe pela explicação simplificada, mas até assim, já ficou longa.

Desejo que melhore em seus estudos!