Condicionais em inglês: Usos Avançados

Condicionais em inglês: Usos Avançados

Hello there, prof. Adir Ferreira por aqui novamente.

Hoje vamos trabalhar um tema para estudantes intermediários e avançados: a condicional avançada em inglês.

O Que Saber Antes de Morar Fora do País. Baixe o novo guia grátis da English Live. Nele, você vai conhecer mais detalhes sobre alguns países que falam inglês, quais as possibilidades você encontra nesses países, quais documentos são necessários e dicas para deixar a mudança mais fácil. Clique aqui e saiba como baixar!

Este post é uma continuação das dicas que dei no English Podcast #66 com o título Condicionais em inglês. Ouça o podcast primeiro e depois volte aqui para ler as dicas com os usos avançados. Segue o link:

Condicionais em inglês – English Podcast #66

Without further ado (sem mais delongas), vamos apresentar alguns casos bem comuns.

1. Condicional com should

Usado depois de if, o should indica que um evento seja improvável, sendo traduzido como “por acaso” ou “por via das dúvidas”.

  • If you should see Ann, could ask her to call me? (Se você por acaso vir a Ann, poderia pedir que ela me ligue?)
  • If she should come, tell her to wait for me. (Se por acaso ela vier, diga-lhe para me esperar.)
  • If you should change your mind, please call us. (Se você por acaso mudar de ideia, por favor nos ligue.)

Neste caso também podemos fazer uma inversão com o should, com o mesmo significado:

  • Should you see Ann, could you ask her to call me?
  • Should she come, tell her to wait for me.
  • Should you change your mind, please call us.

O mesmo pode ser expressado com o verbo happen to, que aqui não significa “acontecer”, e sim dá a ideia de “por acaso”.

  • If you happen to pass by his house, could you give him this book? (Se você por acaso passar pela casa dele, poderia lhe dar este livro?)
  • If you happen to see him later on, could you tell him to call me? (Se você por acaso o vir mais tarde, poderia lhe dizer para me ligar?)
  • If I happen to find those photos, I’ll give them to you. (Se eu por acaso encontrar essas fotos, eu as dou para você.)

Podemos também usar should happen para dar ênfase:

  • If you should happen to be passing, stop by for a cup of coffee. (Se você por acaso estiver passando, dá uma passada aqui para tomar um café.)
  • If you should win the lottery, what do you think will happen? (Se você por acaso ganhar a loteria, o que você acha que vai acontecer?)
  • If you should have any spare cash, please donate it to our charity. (Se por acaso você tiver um dinheirinho, por favor doe para a nossa caridade.)

2. Were to

Usamos também “were to” + verbo no infinitivo para tornar um evento ainda mais hipotético:

  • If I were to ask you to marry me, what would you say? (Se fosse te pedir para casar comigo, o que você diria?)
  • If you were to win the lottery, what would you buy? (Se você ganhasse na loteria, o que você compraria?)

3. Suppose/Supposing

Um caso curioso de second conditional com uma forma não tradicional é usar suppose ou supposing. Nestes casos podemos usar os verbos no Simple Present, Simple Past ou Past Perfect.

  • Suppose you miss the bus, what will you do? (Suponha que você perca o ônibus, o que você vai fazer?)
  • Suppose you missed the bus, what would you do? (Supondo que você perdesse o ônibus, o que você faria?)
  • Suppose he had taken the money, what would happen? (Suponha que ele tivesse pegado o dinheiro, o que aconteceria?) – Aqui temos um caso de mixed conditionals.
  • Supposing you won the basketball pools, what would you do? (Supondo que você ganhasse as apostas do basquete, o que você faria?)

4. But for

Usamos a forma but for para dizer if not na linguagem mais formal. Devemos usar um substantivo depois do for. Um exemplo:

  • If you hadn’t helped us, we would have been in trouble. (Se você não tivesse nos ajudado, teríamos nos encrencado.)

Usamos o but for da seguinte maneira:

  • But for your help, we would have been in trouble. (Se não fosse pela sua ajuda, teríamos nos encrencado.)

Outros exemplos:

  • But for my mother, I wouldn’t be alive now. (Se não fosse pela minha mãe, eu não estaria vivo agora.)
  • But for my cousin, I wouldn’t be working there now. (Se não fosse pelo meu primo, eu não estaria trabalhando lá agora.)
  • But for the good pay, I wouldn’t stay in this job. (Se não fosse pelo bom salário, eu não ficaria neste emprego.)
  • But for Sally, Jim would have drowned. (Se não fosse pela Sally, o Jim teria se afogado.)

5. If so / If not

Estas formas se referem a uma frase entendida, mas não afirmada. Alguns exemplos:

  • There is a possibility that Jack will be late. If so, I will take his place. (Há uma possibilidade de que Jack vai se atrasar. Se esse for o caso, eu pego o lugar dele.)
  • Are you looking for part-time work? Do you want to work from home? If so, read on. (Está procurando um emprego de meio-período? Quer trabalhar de casa? Se esse for o caso, continue lendo.)
  • You should all have received your booklist for the course by now. If not, please email the office. (Todos vocês já devem ter recebido a bibliografia para o curso neste momento. Se não, por favor enviem um e-mail para o escritório.)
  • I’ll see you soon, definitely at the wedding, if not before. (Eu te vejo em breve, no casamento, se não antes.)

Estes são alguns casos mais avançados das condicionais e o importante é que você preste atenção quando eles aparecerem para ver novamente como funcionam e mais lá na frente poder usar corretamente.

See you next time,

~ Adir Ferreira ~

Referências

  1. Advanced Language Practice (Michael Vince – Macmillan)
  2. CPE Use of English (Virginia Evans)
  3. Cambridge Online Dictionary

English Experts Recomenda

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

Adir

Adir Ferreira

Adir Ferreira é professor e tradutor de inglês e espanhol há 22 anos. É responsável pelo blog de língua espanhola da empresa americana Transparent. Trabalha com educação corporativa, treina professores e ministra workshops sobre metodologia.