Erros Mais Comuns do Brasileiro – Parte II

Erros Mais Comuns do Brasileiro – Parte II

Dando continuidade ao tema “Erros mais comuns dos brasileiros falando inglês” hoje vou focar nas questões de uso de vocabulário. Vemos que a influência da língua materna continua sendo o maior problema enfrentado por quem quer aprender uma segunda língua. Gostaria de ressaltar algumas situações em especial:

1. Palavras diferentes com a mesma tradução para o português acabam tendo o seu uso confundido. Um exemplo típico é dos verbos “to lose” e “to miss” que podem ser traduzidos por perder, mas na verdade têm usos distintos. Você diz:

Faça um teste e descubra seu nível de inglês em 15 minutos! Este teste foi desenvolvido por professores e linguistas certificados. O resultado sai na hora e com gabarito.
Iniciar o Teste Online!

I lost my keys. (Eu perdi as minhas chaves.)

Mas diz:

I missed the bus. (Eu perdi o ônibus.)

No entanto, é comum ouvirmos brasileiros dizendo “I lost the bus”. O mesmo acontece com os verbos “to do” e “to make”. Ambos podem ser traduzidos por fazer, mas “to do” é usado para falar de ações e “to make” é usado no sentido de criar, produzir. Essa diferença é difícil para o brasileiro internalizar.

Você ainda se confunde com os tempos verbais em inglês? Faça o download do Guia de Tempos Verbais em Inglês oferecido pela English Live. Ele tem um resumo bem estruturado para você revisar os conceitos que aprendeu na escola.
Download do Guia em PDF - Grátis!

2. Um segundo caso seria as palavras emprestadas do inglês que são usadas no português com um sentido um pouco diferente. No Brasil dizemos o tempo todo que vamos ao shopping, palavra emprestada da língua inglesa, mas na verdade a palavra para shopping é “shopping center” ou “mall”.

3. Um terceiro caso bastante comum são as palavras do inglês que são parecidas com alguma palavra do português, mas não têm o mesmo sentido. Um exemplo típico seria usar actually como se fosse atualmente e não na verdade. Ou ainda,  usar parents como se fossem parentes e não pais.

Enfim, fiquem bem atentos ao vocabulário, o que parece óbvio pode não ser tão óbvio assim.

Leia os outros artigos da série:

Mônica

Mônica Bicalho

Mônica Bicalho é brasileira. Além de 20 anos de experiência em sala de aula é examinadora certificada da Universidade de Cambridge. Atualmente trabalha como supervisora pedagógica e professora do curso Meuinglês.

Mostrar 20 comentários