Intercâmbio na Nova Zelândia: investimento, cursos e mais

Olá Pessoal! Acabei de chegar da Nova Zelândia em específico Auckland. Resolvi resumir em um único post minha experiência e processo do meu intercâmbio, assim aqueles que estão com este objetivo, podem obter mais informações e ficar atentos para algumas coisas que descobrimos só quando chegamos lá. Então vamos por etapa:

O Processo

O processo para NZ é bem simples com relação ao visto. Não é necessário pagar e ele é obtido quando você chega no país, é difícil ter problemas se você tiver com toda documentação em mãos:

  • Passaporte válido (isso parece óbvio, mas se você tirou um passaporte há 3 anos é bom verificar a foto, se tiver muito diferente recomendo tirar um novo, é mais barato fazer isso do que ser deportado);
  • Leve pelo menos $1.000,00 para cada mês. Pode ser em espécie ou cartão de crédito, no cartão leve algo que comprove o saldo disponível. Se for VTM, aqueles do tipo pré-pago, você mostra o comprovante que a empresa de câmbio fornece que não tem problema;
  • Comprovante da acomodação e matrícula da escola (sua agência deve enviar isso 2 dias antes da viagem);
  • Comprovante do Seguro: se não tiver pode dizer que vai fazer na escola, eles aceitam, pois é lei ter o seguro e sabe que a escola não vai deixar um aluno lá sem seguro, então, mesmo sem seguro, na hora do visto você passa, pois é garantido que será feito, uma vez que ao chegar na escola, eles enviam toda sua documentação de imigração tais como: xerox do passaporte e seguro. A única vantagem de fazer o seguro antes é que você viaja com ele para caso de problemas. O ruim do seguro é que para acioná-lo, é muito complicado. Parece que é de propósito isso.

Cf. Leia dicas de quem já fez intercâmbio

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

Sobre o Investimento

Separe aproximadamente 8 mil reais, levando em conta que você quando chegar lá não vai pra todas as baladas e também não vai fazer todos os esportes ou atividades radicais. Se for, aumente esse valor e muito. Descer a SkyTower, custa media $100,00, algo de 5-10 min. Claro, pra quem gosta de adrenalina é excelente. Eu não gosto disso. Só em subir a SkyTower as pernas já estavam tremendo quando olhava para o chão. Separe:

  • Valor do passaporte 150,00 reais (caso não tenha);
  • Passagem aérea 3000,00-3.500,00 reais dá pra dividir em até em 8x no cartão;
  • Curso, se for standard 20 aulas por semana 3000,00 – 3.500,00 reais;
  • Se ficar em casa de família host-family com duas refeições R$ 1.000,00 reais (isso vai ser colocado dentro do valor do curso);
  • Dependendo da época que for separe uma grana pra comprar roupas por lá, é quase impossível não comprar pois é mais em conta que aqui. É possível economizar bastante.
  • Grana pra gastar para 1 mês, na NZ no mínimo 2 mil. Eu recomendaria levar uns 3 mil. Pois, seria interessante viajar nos finais de semana e 3 mil, você vai viajar muito. Lá na escola, montavamos grupos de 5 e alugávamos um carro, fazíamos as compras em um supermercado e pronto. No final entre alimentação, hospedagem, aluguel de carro etc, com cinco pessoas ficava entre 150,00 e 180,00 para cada um, isso ficando de sexta-feira até domingo viajando. Se for pelas agencias locais que tem parceria com a escola não sai por menos que 220,00 e normalmente vão para o mesmo local que você vai com seus amigos. Lá o acesso aos locais é gratuito, você só vai gastar com as atividades que deseja fazer. É onde eles ganham grana, uma vez lá, o cara fica empolgado e gasta os dólares, porque as opções são muitas.

Sobre a Nova Zelândia

O país é maravilhoso, muito seguro, pessoas educadas, organizado, limpo e tudo funciona por lá. Principalmente o sistema de transporte público. É excelente. Os ônibus são pontuais e você é que está sempre atrasado caso tenha perdido o ônibus 2 minutos após ele ter passado. Há um cartão que você pode comprar em qualquer lojinha, que custa $120,00 válidos por 30 dias, assim você usa ilimitado, só é vantagem para quem mora longe e tem que pagar 3 stages, pois em espécie isso custaria 5,00 dólares. Lá o valor da passagem não é padrão, você paga com base em quantos stanges você precisa. Tem gente que pagava $1,00 porque irá descer 1 ou 2 pontos mais na frente. Eu tinha o cartão, porque morava longe do centro levava uns 50 minutos no horário comercial. Nos finais de semana, apenas 30 minutos.

A noite não é tao agitada, apenas às quartas-feiras tem uma balada no “Margaridas” e Mexican Café. Sexta-feira e sábado é bem difícil achar festas legais como as citadas anteriormente. A entrada é gratuita e só se paga o consumo. São os locais com a cerveja mais em conta em Auckland. $5,00.

O inglês na Nova Zelândia

Pessoal, é excelente. Os nativos falam muito claramente, usam pouco regionalismo em termos de vocabulário dá pra entender bem. Na minha escola todos os funcionários eram nativos. Os estudantes de vários cantos do mundo. O mais difícil de entender são os japoneses, coreanos, chineses e árabes. Mas, com o tempo vai pegando o jeito, pois pra eles é bem complicado a pronúncia, mas eles mandam até bem.

Enfim, pensar em português por lá, é difícil, no inicio é comum você fazer confusão e querer falar em português, a primeira semana foi assim. Depois você pega o ritmo e nem lembra mais do português, eu já ficava conversando em inglês como língua padrão.

Sobre o Curso

Estudei na LSI e achei bem legal, os professores são de fato professores e não aqueles que completam salários. Possuem experiência na área e as aulas são diferentes em cada nível, dinâmicas e cada dia um assunto novo, com tópicos diferentes, nunca se repete ou deixa algo para o dia seguinte.

No nível upper-Intermediate nós discutíamos vários assuntos e dali íamos trabalhando um ponto da gramática. Fora a conversação com o colega do lado ou em grupo.

A escola lá tem aulas no período da tarde, que são chamadas aulas de conversação. Eu não as recomendo para quem está no nível upper-Intermediate ou superior. O motivo é que são aulas bem “fraquinhas” para quem já fala bem. Não pela escola, mas os alunos que vão para essas aulas a maioria deles são pre-intermediate. Então, para quem tá no upper-Intermediate fica fácil. Eu após minha aula ia para biblioteca, fazer os exercícios, estudar o assunto e o que foi discutido. Depois disso ia para rua, visitar pontos turísticos ou ficava na Student Room da escola batendo papo com outros alunos. Não precisa perguntar se era em inglês ;-). Durante a noite eu aproveitava para conversar com minha família e assistir o noticiário. Como meu objetivo foi melhorar meu listening e speaking, não gostava de ficar preso em livros de gramática ou coisas do tipo. Até ler meus e-mails e responder eu evitava para não ter contato com o português, só abria para ver se tinha algo de importante da minha família aqui no Brasil, do contrário deixei todos para serem lidos quando voltasse.

Sobre a Família

A família é legal, eu pelo menos tive sorte, pois outros alunos tiveram problemas e a escola fez a troca. A minha família era da áfrica do Sul, mas já moravam na NZ há 10 anos e tinham uma vida estabilizada por lá. Então, foi bom pois tinham uma pronúncia um pouco diferente dos nativos e aí mais um obstáculo que eu deveria superar e ainda tinha o fato deles serem nativos da Africa do Sul e não tinha inglês como segunda língua. Eles adoravam o Brasil e consequentemente os brasileiros. Eu era tratado como um filho mesmo, enfim em família. Eu escolhi ficar com família, exatamente por isso, para ter alguém pra bater papo de noite e evitar ficar isolado, é mais caro custa em media 220,00 dolares por semana, mas não deixa de ser outro tipo de investimento além do curso. Quando ia retornar para o Brasil eles compraram um presente e fizeram uma carta, dizendo que eu deixaria saudades. Quando cheguei no Brasil eles tinham mandado um e-mail dizendo que estavam tristes e a casa não era mais a mesma. E que meu Host-father teve no meu quarto na noite passada, e ficou caminhando por lá e falou que estava com saudades. Puts! Não resisti e liguei pra eles, pois eu também estou com saudades de tudo, do país, dos amigos que fiz lá e deles também. Pra ser sincero não queria voltar não.

O Pós-intercâmbio

Eu não sei se alguém já falou aqui de pós-intercâmbio, mas eu falei brincando com a agência que eles deveriam ter avisado sobre o pós-intercâmbio, pois é pior que o pré-intercâmbio. Quando você passa por tudo e já está acostumado com o ritmo, o idioma e tem que voltar para a realidade do país de origem, você fica triste. Eu ainda não consegui colocar minha vida nos trilhos, não gosto de ver as fotos, pois bate uma vontade de voltar e ficar por lá mais um tempo. É algo muito forte, principalmente se o intercambista desfrutou bem a viagem, que foi meu caso. A sensação após o intercâmbio é algo ruim, porém bom de sentir, que você fica sem saber o que fazer e só pensa no país e no que estava fazendo uma semana atrás.

Enfim, é triste, mas se prepare pra isso, eu não imaginava que a volta seria ruim. Mas, estou aqui tentando tocar minha vida, sem pensar, em cada dia que vivi naquele país que foi marcante na minha vida e que nunca mais vai se repetir, principalmente as pessoas que conheci na hora certa no lugar certo, isso é o pior.

Estou disponibilizando algumas fotos e um vídeo de uma parte da aula. Gabriel´s Class. Enjoy.

See you!

Sobre o Autor: Camilo Lopes trabalha para IBM como Analista de Sistemas em projetos Internacionais. Vem estudando inglês desde janeiro/2008. Mais informações sobre o seu intercâmbio estão disponíveis em camilolopes.com.br.

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi escrito por um Autor Convidado do English Experts. Confira o nome do autor no rodapé do texto acima. Seja um colaborador, clique aqui e saiba como participar.

Mostrar 66 comentários