ZPD: seu professor sabe o que é isso e você também deveria saber

Você já ouviu falar ou leu sobre a ZPD (Zone of Proximal Development), desenvolvimento real e desenvolvimento potencial? Ou sobre o famoso estudioso e pensador Vygotsky?

A menos que você tenha cursado ou esteja cursando Letras ou Pedagogia é provável que a resposta seja não. Pois saiba que ao entender do que se trata você pode facilitar sua jornada como estudante de línguas. Vamos lá?

O responsável pelos estudos da Zona de Desenvolvimento Proximal foi o já mencionado Lev Semenovitch Vygotsky, pensador importante em sua área, foi pioneiro na noção de que o desenvolvimento intelectual das crianças ocorre em função das interações sociais e condições de vida.

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

Primeiramente vamos diferenciar Desenvolvimento Real, Desenvolvimento Potencial e Zona de Desenvolvimento Proximal:

DR: O desenvolvimento real é aquele que já foi consolidado pelo indivíduo, de forma a torná-lo capaz de resolver situações utilizando seu conhecimento de forma autônoma. O nível de desenvolvimento real é dinâmico, aumenta dialeticamente com os movimentos do processo de aprendizagem.

De forma mais simples, trata-se do conhecimento que o indivíduo já possui, o mesmo pode ser aumentado e aprimorado.

DP: O desenvolvimento potencial é determinado pelas habilidades que o indivíduo já construiu, porém encontram-se em processo. Isto significa que a dialética da aprendizagem que gerou o desenvolvimento real, gerou também habilidades que se encontram em um nível menos elaborado que o já consolidado. Desta forma, o desenvolvimento potencial é aquele que o sujeito poderá construir.

cross-disciplinary learning

Podemos dizer que quando você adquiriu o seu conhecimento real (atual) você também começou a desenvolver outros conhecimentos e habilidades que ainda não se consolidaram em sua mente, ou seja, ainda não fazem parte do seu Desenvolvimento Real. Vamos dizer que são habilidades e conhecimentos que estão em um nível em que se trabalhados podem vir a fazer parte do Desenvolvimento Real.

ZDP: Muitas vezes tomada como um dos níveis de desenvolvimento, porém, trata-se precisamente do campo intermediário do processo. Sendo o desenvolvimento potencial uma incógnita, já que não foi ainda atingido, Vygotsky postula sua identificação através do entendimento da ZDP. Tomando como premissa o desenvolvimento real como aquilo que o sujeito consolidou de forma autônoma, o potencial pode ser inferido com base no que o indivíduo consegue resolver com ajuda. Assim, a zona proximal fornece os indícios do potencial, permitindo que os processos educativos atuem de forma sistemática e individualizada.

Há quanto tempo você estuda inglês? Já passou por sua cabeça que você pode estar estudando de uma forma que dá pouco ou quase nenhum resultado? Que tal fazer um intensivo de inglês de 180 dias e recuperar o tempo perdido? Em 6 meses você pode elevar o seu inglês a um novo nível. Clique aqui e saiba como.

Consideremos então a ZDP uma zona intermediária entre Desenvolvimento Real e o Desenvolvimento Potencial.

zdp

Parece meio complicado, não é?

Como funciona na prática

Um bom exemplo de atuação na ZPD é uma mãe ensinando um filho a falar. Ela sempre reage às tentativas da criança, incentivando, corrigindo, fazendo novas perguntas e exigências, em função de sua percepção do que a criança pode ou não fazer. A criança evolui porque sempre está recebendo novas informações e desafios, que exigem que ela vá um pouco além do que já sabe. Aos poucos, o que acontecia na ZPD passa a ser feito pela criança sozinha, e a mãe pode elevar novamente o nível de seus desafios e exigências.

Levando isso para o aprendizado de línguas

Você estudante de Língua Inglesa, antes de escolher materiais para seu aprendizado ou prática deve antes pensar em seu nível atual, ou seja, suas a habilidades já adquiridas, pois isso vai influenciar diretamente na(s) sua(s) escolha(s).

Pense comigo 

Opção 1: Será que vale a pena escolher algo muito fácil onde eu entendo facilmente 100% do que leio ou ouço? Poderei tirar algo de novo desse material?

Opção 2: Bom, e se eu escolhesse algo que está além do meu nível? Algo de difícil compreensão, onde eu conseguisse entender em torno de 50% a 60% , ou menos. Será que eu conseguiria me manter motivado diante da grande dificuldade que me espera e assim obter êxito?

Opção 3: Ou talvez, não seria interessante procurar materiais onde será possível compreender 80% a 90% do conteúdo? Com isso eu não poderia usar grande parte do meu conhecimento para atingir um novo ou aprimorar o já existente com o auxílio de um professor ao até mesmo utilizando a internet?

Lembro que as porcentagens acima são meramente ilustrativas. Pense e escolha o que parece ser mais interessante para o seu aprendizado. Para facilita a sua vida a equipe do EE gravou dois podcasts que poderão te ajudar a escolher o melhor material de estudo, vale a pena ouvir:

Fácil, não?

A questão é: Ao estudar devemos sempre buscar ao desafiador, porém palpável, para que assim possamos avançar gradualmente.

“Trocando em miúdos…”

A melhor forma de adquirir novos conhecimentos seria através do uso do seu conhecimento prévio, assim quando um novo estiver sido completamente assimilado este servirá de degrau para o próximo, e assim sucessivamente. Incrível, não?!

Segue um artigo onde a ZPD é discutida mais profundamente: A zona de desenvolvimento próximo na análise de Vigotski sobre aprendizagem e ensino.

Se você gostou do artigo talvez tenha interesse em ler meu primeiro post para o English Experts: A música e seus efeitos na aprendizagem de língua inglesa.

That’s all, folks! I hope you have enjoyed it.

See you!

Referências

Sobre o Autor: Meu nome é Marcos Paulo Moreira, me graduei em Letras recentemente, sou Professor de Inglês em uma pequena escola de cursos aqui na minha cidade (Anápolis-GO). O Inglês entrou na vida por acaso quando ainda era criança e não saiu mais, hoje vejo que aprender sempre foi algo prazeroso para mim, o simples conhecimento por conhecimento, sendo este um dos motivos de ter me tornado professor.

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi escrito por um Autor Convidado do English Experts. Confira o nome do autor no rodapé do texto acima. Seja um colaborador, clique aqui e saiba como participar.

Mostrar 19 comentários