ZPD: seu professor sabe o que é isso e você também deveria saber

Você já ouviu falar ou leu sobre a ZPD (Zone of Proximal Development), desenvolvimento real e desenvolvimento potencial? Ou sobre o famoso estudioso e pensador Vygotsky?

A menos que você tenha cursado ou esteja cursando Letras ou Pedagogia é provável que a resposta seja não. Pois saiba que ao entender do que se trata você pode facilitar sua jornada como estudante de línguas. Vamos lá?

O responsável pelos estudos da Zona de Desenvolvimento Proximal foi o já mencionado Lev Semenovitch Vygotsky, pensador importante em sua área, foi pioneiro na noção de que o desenvolvimento intelectual das crianças ocorre em função das interações sociais e condições de vida.

Primeiramente vamos diferenciar Desenvolvimento Real, Desenvolvimento Potencial e Zona de Desenvolvimento Proximal:

Tire suas dúvidas sobre os tempos verbais, baixe um guia grátis da English Live: Guia de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um resumo bem estruturado para revisar os conceitos que você aprendeu na escola. Clique aqui e saiba como baixar!

DR: O desenvolvimento real é aquele que já foi consolidado pelo indivíduo, de forma a torná-lo capaz de resolver situações utilizando seu conhecimento de forma autônoma. O nível de desenvolvimento real é dinâmico, aumenta dialeticamente com os movimentos do processo de aprendizagem.

De forma mais simples, trata-se do conhecimento que o indivíduo já possui, o mesmo pode ser aumentado e aprimorado.

DP: O desenvolvimento potencial é determinado pelas habilidades que o indivíduo já construiu, porém encontram-se em processo. Isto significa que a dialética da aprendizagem que gerou o desenvolvimento real, gerou também habilidades que se encontram em um nível menos elaborado que o já consolidado. Desta forma, o desenvolvimento potencial é aquele que o sujeito poderá construir.

cross-disciplinary learning

Podemos dizer que quando você adquiriu o seu conhecimento real (atual) você também começou a desenvolver outros conhecimentos e habilidades que ainda não se consolidaram em sua mente, ou seja, ainda não fazem parte do seu Desenvolvimento Real. Vamos dizer que são habilidades e conhecimentos que estão em um nível em que se trabalhados podem vir a fazer parte do Desenvolvimento Real.

ZDP: Muitas vezes tomada como um dos níveis de desenvolvimento, porém, trata-se precisamente do campo intermediário do processo. Sendo o desenvolvimento potencial uma incógnita, já que não foi ainda atingido, Vygotsky postula sua identificação através do entendimento da ZDP. Tomando como premissa o desenvolvimento real como aquilo que o sujeito consolidou de forma autônoma, o potencial pode ser inferido com base no que o indivíduo consegue resolver com ajuda. Assim, a zona proximal fornece os indícios do potencial, permitindo que os processos educativos atuem de forma sistemática e individualizada.

Consideremos então a ZDP uma zona intermediária entre Desenvolvimento Real e o Desenvolvimento Potencial.

zdp

Parece meio complicado, não é?

Como funciona na prática

Um bom exemplo de atuação na ZPD é uma mãe ensinando um filho a falar. Ela sempre reage às tentativas da criança, incentivando, corrigindo, fazendo novas perguntas e exigências, em função de sua percepção do que a criança pode ou não fazer. A criança evolui porque sempre está recebendo novas informações e desafios, que exigem que ela vá um pouco além do que já sabe. Aos poucos, o que acontecia na ZPD passa a ser feito pela criança sozinha, e a mãe pode elevar novamente o nível de seus desafios e exigências.

Levando isso para o aprendizado de línguas

Você estudante de Língua Inglesa, antes de escolher materiais para seu aprendizado ou prática deve antes pensar em seu nível atual, ou seja, suas a habilidades já adquiridas, pois isso vai influenciar diretamente na(s) sua(s) escolha(s).

Pense comigo 

Opção 1: Será que vale a pena escolher algo muito fácil onde eu entendo facilmente 100% do que leio ou ouço? Poderei tirar algo de novo desse material?

Opção 2: Bom, e se eu escolhesse algo que está além do meu nível? Algo de difícil compreensão, onde eu conseguisse entender em torno de 50% a 60% , ou menos. Será que eu conseguiria me manter motivado diante da grande dificuldade que me espera e assim obter êxito?

Opção 3: Ou talvez, não seria interessante procurar materiais onde será possível compreender 80% a 90% do conteúdo? Com isso eu não poderia usar grande parte do meu conhecimento para atingir um novo ou aprimorar o já existente com o auxílio de um professor ao até mesmo utilizando a internet?

Lembro que as porcentagens acima são meramente ilustrativas. Pense e escolha o que parece ser mais interessante para o seu aprendizado. Para facilita a sua vida a equipe do EE gravou dois podcasts que poderão te ajudar a escolher o melhor material de estudo, vale a pena ouvir:

Fácil, não?

A questão é: Ao estudar devemos sempre buscar ao desafiador, porém palpável, para que assim possamos avançar gradualmente.

“Trocando em miúdos…”

A melhor forma de adquirir novos conhecimentos seria através do uso do seu conhecimento prévio, assim quando um novo estiver sido completamente assimilado este servirá de degrau para o próximo, e assim sucessivamente. Incrível, não?!

Segue um artigo onde a ZPD é discutida mais profundamente: A zona de desenvolvimento próximo na análise de Vigotski sobre aprendizagem e ensino.

Se você gostou do artigo talvez tenha interesse em ler meu primeiro post para o English Experts: A música e seus efeitos na aprendizagem de língua inglesa.

That’s all, folks! I hope you have enjoyed it.

See you!

Referências

Sobre o Autor: Meu nome é Marcos Paulo Moreira, me graduei em Letras recentemente, sou Professor de Inglês em uma pequena escola de cursos aqui na minha cidade (Anápolis-GO). O Inglês entrou na vida por acaso quando ainda era criança e não saiu mais, hoje vejo que aprender sempre foi algo prazeroso para mim, o simples conhecimento por conhecimento, sendo este um dos motivos de ter me tornado professor.

25.jpg

Autor Convidado

Este artigo foi escrito por um Autor Convidado do English Experts. Confira o nome do autor no rodapé do texto acima. Seja um colaborador, clique aqui e saiba como participar.

19 comentários

  • 23/04/14  
    Rosielle diz: 1

    Muito interessante! Parabéns pelo artigo Marcos! =)

    • 24/04/14  
      Marcos diz:

      Thank you, Rosielle!

  • 24/04/14  
    Caio diz: 2

    Very good, Marcos. I couldn’t agree more with this theory.

    Thanks for sharing.

    • 24/04/14  
      Marcos diz:

      I’m glad you liked it, Caio.

  • 24/04/14  
    Matheus diz: 3

    Acompanho o site há anos. Nunca enviei um comentário, até hoje. Este foi talvez o artigo mais importante para o meu aprendizado em qualquer assunto ou disciplina. Muito obrigado e parabéns!

    • 24/04/14  
      Alessandro Brandão diz:

      Oi Matheus,

      Fico feliz pelo seu comentário, espero que seja o primeiro de muitos.

      Sucesso nos estudos!

  • 24/04/14  
    Artful Dodger diz: 4

    Kudos on the article, my fair Marcos! I had never heard of ZPD and I must say it’s always good to find information that might facilitate the learning process of a second language! And congratulations on the polished writing; I can tell you revised it countless times before submitting it to EE. Keep up the excellent work!

    • 25/04/14  
      Marcos diz:

      Thank you, I’m glad you liked it!

  • 25/04/14  
    natàlia prado diz: 5

    Bem isso faz sentido ouvindo musicas me interessei pela lìngua e pela tradução dela,atè acho algumas palavras melhores de escrever por serem mais curtas.Resultado de ouvir musicas prediletas no inglês è que depois de um tempo se decora a letra e as palavras , e sozinho jà sabe a tradução de cada palavra na mùsica .

  • 25/04/14  
    seilla Márcia diz: 6

    Concordo com Matheus,este artigo é importante para entendermos o processo de aprendizagem. Tanto para os alunos quanto para os professores.Muito interessante o artigo parabéns.,

    • 25/04/14  
      Marcos diz:

      Thank you for the comment, Seilla Márcia.

  • 25/04/14  
    Lidia G R diz: 7

    Embora Vygotsky não fosse o meu preferido quando estudei pedagogia, devo dizer
    que ele acertou em cheio em sua teoria ZPD.

    • 27/04/14  
      Marcos diz:

      De fato não podemos negar sua combribuição. Na época de faculdade eu gostei mais do Jean Piaget, rs. Thank you for the comment!

  • 26/04/14  
    Izabella Bruno diz: 8

    Wow! Congratulations teacher! Thanks for sharing your knowledge with us. It was really useful! Regards.

    • 27/04/14  
      Marcos diz:

      Thank you, Iza! ;)

  • 07/05/14  
    Danilo diz: 9

    Falando em professor, achei um no youtube, e ele ensina muito bem a pronúncia além de ser nativo e ser descendente de brasileiros, pois fala bem o português, fica aí a dica e o canal dele no youtube:

    https://www.youtube.com/channel/UCXHb270su2KQ2BgirCaeoYw

  • 08/05/14  
    Aline diz: 10

    Essa parte teórica foi uma das grandes falhas que tive na faculdade, vimos muito pouco. Fico feliz de encontrar artigos como o seu por aqui. Contribuiu muito para meu aprendizado.

    Parabéns!

    • 10/05/14  
      Marcos diz:

      Concordo, infelizmente na faculdade esse tipo de tópico nem sempre é abordado de maneira satisfatória. Fico feliz que tenha gostado do artigo. See ya!

  • 28/05/14  
    Bruno Leoo diz: 11

    Marcos ( Noob), não tinha visto esse texto antes, achei super interessante. Parabéns!