Como resolver a difícil missão de dar aula para crianças?

Gostaria de uma ajuda dos professores mais experientes daqui do fórum. Comecei como professor de inglês semana passada em uma escola de idiomas para um turma de criança que possuem em torno de 8 a 10 anos de idade (queria ter pegado uma turma de adultos, mas não tinha nenhuma disponível). O problema é que eu não consigo passar pra eles o conteúdo do livro porque eles simplesmente não deixam. Preparo a aula pra aplicá-la da forma mais didática e divertida possível, mas eles não sentam e nem ao menos deixam eu falar. Quando eu falo que vou passar um jogo ou alguma brincadeira (pertinente ao conteúdo, obviamente), eles ficam todos empolgados e cooperam. Mas depois que o jogo acaba, eles não param e querem continuar brincando; não querem de jeito nenhum voltar à realidade, aos conteúdos e aos exercícios. Eles não querem e não ligam pra aprender o idioma. Como posso obrigar um aluno a prestar atenção na minha aula fazendo com que ele não fique se levantando toda hora pra ir encher o saco do coleguinha que senta no outro lado da sala? Não sou um "bananão" que deixa as pessoas fazerem tudo que querem nem sou um rapaz completamente explosivo que não tolera nada, só tenho medo de acabar sendo ríspido em vez de rígido com eles (principalmente por se tratar de crianças, seres esses que são completamente mais frágeis física e psicologicamente). A escola onde eu trabalho (não vou citar o nome porque não seria ético) exige que eu passe 4 páginas do livro didático mais alguma atividade extra (geralmente um jogo) em 60 minutos (duração de um dia de aula), mas é humanamente impossível. Não sou pago ou contratado para ser babá, porém é meio óbvio que se as crianças não estiverem aprendendo, a coordenação e a direção vão me perguntar o que está acontecendo que ninguém está conseguindo aprender, e a probabilidade de me imputarem incompetência é gigantesca e, com isso, a chance de eu ser mandado embora é maior ainda, principalmente com a pressão dos pais dos alunos ao não perceberem que os maiores culpados são os filhos que não querem aprender achando que o culpado sou eu quando na verdade eu quero dar minha aula da forma mais lúdica e intuitiva possível, mas não consigo. Eu não consigo achar que sou incompetente ou fracassado ao ponto de não conseguir ensinar uma coisa que sempre foi a minha paixão. Gosto muito desse emprego. Pra mim, os 60 minutos passam tão rapidamente que não parece que se passaram ao menos 15; o único problema é que, como eu disse anteriormente, não consigo passar metade do conteúdo que sou obrigado a passar porque não dá tempo. Aí se na prova as crianças forem mal, sobre quem a culpa irá cair? Adivinhem.
Por isso, se os meus companheiros de trabalho puderem dar algumas dicas para eu solucionar esse meu maior problema, ficarei extremamente grato. Thanks in advance!

Mais Votada Mais Votada

Avatar do usuário Donay Mendonça 48405 21 73 1124
Por experiência própria, eu sei que a missão não é fácil em qualquer situação. Crianças normalmente não se comportam da maneira que deveriam - em um curso de inglês - de forma a permitir que o professor possa passar a elas todo o conteúdo necessário.

A grande maioria das escolas (também sei disso por experiência própria), acaba por jogar a culpa no professor (funcionário) para se livrarem da imagem negativa de não conseguirem lidar com a situação. Ou seja, algo deu errado: "é culpa do funcionário!".

Qualquer que seja a sua postura ou método, você sempre irá se deparar com crianças conversando em sala e não deixando você dar aula. É possível minimizar isso quando a coordenação da escola toma consciência e decide ajudar o professor - não deixando somente para ele a árdua tarefa de ter que chamar a atenção dos alunos toda aula. Tive a felicidade de trabalhar em uma escola onde a dona conversava com eles antes de entrarem em sala e me dizia: "Donay, se a situação ficar muito complicada, pode me chamar." No decorrer da semana, ela procurava aliviar a tensão e tentava agir de forma a mostrar a eles que estavam ali para aprender. Às vezes (ao ir até a sala de aula para ver como estavam as coisas) dava chocolate, contava uma piadinha, e logo falava: "vamos estudar agora, galera?"

Resumindo: converse com os donos ou responsáveis pela empresa e tente dividir com eles essa tarefa de lidar com os pequenos. Essa obrigação não é só sua. E nem a culpa por não dar certo.

É isso.
MENSAGEM PATROCINADA Você sabe como está o seu nível de inglês? Teste agora GRÁTIS em apenas alguns minutos.

Clique aqui para iniciar o Teste Online!
Donay Mendonça escreveu:Por experiência própria, eu sei que a missão não é fácil em qualquer situação. Crianças normalmente não se comportam da maneira que deveriam - em um curso de inglês - de forma a permitir que o professor possa passar a elas todo o conteúdo necessário.

A grande maioria das escolas (também sei disso por experiência própria), acaba por jogar a culpa no professor (funcionário) para se livrarem da imagem negativa de não conseguirem lidar com a situação. Ou seja, algo deu errado: "é culpa do funcionário!".

Qualquer que seja a sua postura ou método, você sempre irá se deparar com crianças conversando em sala e não deixando você dar aula. É possível minimizar isso quando a coordenação da escola toma consciência e decide ajudar o professor - não deixando somente para ele a árdua tarefa de ter que chamar a atenção dos alunos toda aula. Tive a felicidade de trabalhar em uma escola onde a dona conversava com eles antes de entrarem em sala e me dizia: "Donay, se a situação ficar muito complicada, pode me chamar." No decorrer da semana, ela procurava aliviar a tensão e tentava agir de forma a mostrar a eles que estavam ali para aprender. Às vezes (ao ir até a sala de aula para ver como estavam as coisas) dava chocolate, contava uma piadinha, e logo falava: "vamos estudar agora, galera?"

Resumindo: converse com os donos ou responsáveis pela empresa e tente dividir com eles essa tarefa de lidar com os pequenos. Essa obrigação não é só sua. E nem a culpa por não dar certo.

É isso.

Obrigado, amigo. Falei com a coordenadora e parece que de fato ela compreendeu que eu não tenho poder para enfiar a matéria na cabeça das crianças se elas não estiverem a fim de aprender.