Em qual lugar (escola, etc) vou mais aprender inglês?

  Verificado por especialistas
Eu já estudei em várias escolas de idiomas presenciais com colegas em sala e nunca aprendi tudo o que esperava. As escolas da minha cidade fazem muito marketing, mas eu e meus amigos não aprendemos muito.

Pergunta: Qual é o lugar onde eu mais posso aprender inglês e me tornar fluente de uma vez por todas?
Anúncio Cambly Gostou da dica? Agora é hora de praticar!

Utilizar o inglês em interações reais levará você à fluência mais rápido. Pensando nisso, o nosso parceiro está oferecendo 15 minutos de aula grátis, não perca essa oportunidade. O link abaixo ativa o cupom!

Cupom: 15 minutos de aula Grátis!
8 respostas
  Resposta mais votada
PPAULO 6 47 1.1k
Concordo com Leonardo. O aluno deve entender que estudar inglês é estudar uma linguagem, o que abrange interatividade, dar e receber "feedback" (retorno da atividade a que se propõe).
Há estudantes que, por exemplo, dividem sua rotina de estudos em (por exemplo)
- dia da gramática,
- dia da interpretação de texto, -
-dia de responder exercícios e provas,
- dia de aprender pronúncia (há palavras que parecem fáceis e não são, como world, tsunami, caso de schwuas, etc).
Pronúncia na verdade pode ser vasto, o caso de "the" antes de palavras iniciadas com vogal e a pronúncia diante de consoantes.

- dia de vocabulário-jargão (textos e interpretação por áreas - lei, medicina, esportes... Zumsteim, lembra de alguma coisa? :-) , de entretenimento, um pouco de música, gíria, expressões idiomáticas, etc.
E, ninguém e de ferro, dia de assistir uma série, um filme, um show em inglês.

Há uma concepção (e eu sei que não o caso do estudante que fez a pergunta), mas vale passar adiante estória.
Já estudei com alunos que no final do curso 'picharam' os professores e diagnosticaram que o curso era ruim, que não aprenderam nada e um disse que ia estudar espanhol (sugerindo ser melhor, por ser mais próximo do português em gramática e pronúncia).
Os professores não eram ruins, o curso meio que os sabotou, eu e outro aluno aprendemos muito. Os alunos (a maioria) não gostavam que falasse inglês em classe! Não quiseram comprar um livro de apoio, o English Grammar In Use ou um primo deste livro. Disseram que ia aumentar os custos, e deveriam ter aulas só com o material que tinham pago.
Não liam sites ou faziam atividades extra-aula, e não traziam nenhuma palavra ou expressão que 'desafiasse' o professor. Eu trazia, perguntava coisas como o que significava 'double-whammy" ou a diferença em pronúncia de 'woman/women', ou como eram as pronúncias de "eat/ate", tree/three, etc.
Queriam o 'spoon-feeding', e deu no que deu... Nesse meio tempo, ainda tive que trancar a matrícula e passar 04 meses fora, por motivo de trabalho. Quando voltei fiquei em outra turma (muitos 'vazaram', caíram fora), a professora então pensou que eu tinha 'caído de para-quedas' e me fazia perguntas, mas quando percebeu que sempre eram respondidas corretamente "desistiu de mim" (de tentar me fazer cair nas pegadinhas). :-)
No dia que ela não vinha ou chegasse mais tarde, todos 'corriam' pra mim, para resolver seus exercícios.
Pena, por dois motivos:
Primeiro, a professora ensinava em uma dúzia de cursinhos e escolas diferentes, e ainda tinha que complementar dando aulas in-company ou para alunos particulares. Ficava cansada e não era raro perder a concentração.
Segundo, porque ensinando e ajudando os outros era bom pra mim, não pra meus colegas. Por que queriam unicamente "não passar a vergonha" da professora ver que não tinham feito o 'dever de casa'.
Adicionalmente, isto às vezes me atrapalhava também, pois me ocupando com os colegas eu acabava ficando 'sem tempo' para o tete-a-tete com os professores.
Tete-a-tete, porque havia um hiato em que os retardatários da turma terminavam os exercícios e eu aproveitava para perguntar baixinho as minhas perguntas "paralelas" ou complementares.
Isso tudo acontecia, e eu chegava na maioria das vezes 15 ou 20 minutos após começar a aula. Ao passar na frente da secretaria o pessoal me avisava que eu ficar "atrasado" em relação à turma, que tentasse chegar mais cedo pra poder acompanhar a turma, se não eu ia ficar pra trás!
PPAULO 6 47 1.1k
Jorilaine,

Olha, fica difícil 'detectar' e fazer uma análise pormenorizada num espaço pequeno, sobre algo em que temos limitada informação sobre.
Há inúmeros fatores "at play" e nem vou tentar começar um jornal tentando dar uma opinião hipotética sobre o seu caso especificamente.
Pra começar, não sabemos qual sua cidade (e seria uma informação pessoal, portanto poderia ser uma invasão de privacidade).

Sobre a pergunta final:
Qual é o lugar onde eu mais posso aprender inglês e me tornar fluente de uma vez por todas?
Esta é uma boa pergunta, não há na verdade uma "bala de prata" que resolva isso. Cada estudante aprende de uma forma, tem um método preferido ou que a que se adapta melhor e ainda tem a questão do 'se incentivar'.
Por exemplo, as palavras "de uma vez por todas" poderia denotar impaciência, perfeccionismo, pressa, o pensar que o aprendizado é finito (com começo, meio e fim, algo que terminado alguém 'desliga' e parte pra outra).
Hoje em dia nem cursos como eletrônica, eletricidade, mecânica e outros são assim, o aprendizado é contínuo, ou pelo menos de tempos em tempos é necessário reciclagem e ajustes.

Assim, há lugares (escolas, por exemplo) onde por décadas pessoas tem aprendido inglês e ainda assim haverá pessoas que passarão por lá e não vão aprender.
Às vezes não é professor, nem o lugar, é o aluno (digo, é a compatibilização do aluno com o método, o professor, o meio de incentivar, etc).
Existem imigrantes que moram na 'América' há anos e não aprenderam nem aprenderão inglês, só o "bom dia" ou mais algumas expressões e voltam pra sua língua materna, ao passo que os seus filhos e netos falam inglês perfeitamente (bem como a língua de seus pais/avós).
Assim como existem milhares de pessoas que escutam musica A ou B todos os dias e não sabem cantar, enquanto outras cantam uma variedade de músicas.
Se você tem um carro ou um laptop, recebe uma recomendação de uma oficina, o que acontece? Pode ser que dê certo ou errado, a experiência do outro poderá não ser a sua.
Mas isso não justificaria eu ser vago e/ou ficar em cima do muro. Procure descobrir em sua cidade (ou alhures) um bom professor ou professora. Procure entrar em contato com boas fontes de inglês, e leia mais aqui no EE (há tópicos sobre uma variedade de cursos de inglês e relatos de estudantes, professores, etc).
Em suma, podemos lhe oferecer orientações, dicas e responder perguntas, mas a sua experiência será única. E achar o curso, escola ou professor mais adequado ao seu caso envolverá tentativa e erro.
Mas tenho certeza de que encontrará pois "where there's a will there's a way". E vamos esperar mais comentários sobre o tópico.
Boa sorte nos estudos.

P.S. - um provérbio japonês que supostamente diz "Fast is slow but continuously without interruption."
Ele tem funcionado pra mim, mas cada caso é um caso. Há pessoas que precisam aprender em um espaço limitado de tempo, eu reconheço isso.
Leonardo96 15 237
Você tem que conviver com o idioma fora do curso de forma natural. Só estudar regras de gramática no tempo que voce está na classe nao vai te ajudar a progredir muito.
Simples resposta: aqui no English Expert, mas com o tempo... Ao longo ou curto, vai depender da sua vontade e paciência em querer saber mais sobre o idioma e, depois, eu acho legal ter chats com quem fala inglês bem e se planejar pra fazer intercâmbio - segue o Matheus Tomoto no YouTube, ele é o caminho -, para sair da zona de conforto, conhecer como funciona o sistema lá fora, amadurecer-se (no pensamento, comportamento, conhecimentos, mas você também consegue isso, viajando no seu próprio país) e sentir mais corajosa para coisas diferentes.
PPAULO 6 47 1.1k
Devo dizer que nos 4 meses fora do curso eu estudava de vez em quando, quando tinha qualquer tempinho, e também escutava músicas, assistia filmes, etc.
Por isso que ao voltar, a professora "pegou no meu pé" (pelos 4 meses fora, assim seria uma forma de me 'trazer' para o nível da turma).
Mas por não ter perdido o contato com o idioma (li uns 3 Grishams pelo menos e levei uns livros comigo), acessava a internet lia The Guardian/The Economist/Wired magazine, etc. é que eu me saí (razoavelmente) bem. ;-)
Anúncio Converse grátis por 15 minutos com um professor e verifique como está o seu nível de inglês. Perder o medo de se comunicar é o primeiro passo para a fluência. Cadastre-se na Cambly e experimente o método sem compromisso.

Iniciar Conversação
Eu também quero colocar um outro ponto que você vai acabar sentindo na sua trajetória ao aprender inglês...

Infelizmente, no Brasil, a língua inglesa e qualquer outra, principalmente, de potências, é visto como um luxo e não como necessidade, da mesma forma como você tem que saber bem o português para escrever uma carta, por exemplo, para o presidente do seu país.

Aí, vai ter gente enchendo o teu saco, pegando no seu pé, te diminuindo, falando que você é rica, patricinha, metida, ignorante, coxinha, que é da elite - sério! Tudo isso se ainda não esteve num ambiente desse - por você estar aprendendo ou querendo aprender, saber e aperfeiçoar o inglês. E quando ou se acontecer isso, manda todos ou o indivíduo que te atrapalha pra puta que pariu - sorry, CEO Alessandro, mas estou ensinando para a realidade - e continua a seguir o seu caminho, sendo... O.o ... O PPAUL(inh)O. S2 LoL (Ele também é o caminho...)
Donay Mendonça 22 102 1.5k
Simples resposta: aqui no English Expert, mas com o tempo... Ao longo ou curto, vai depender da sua vontade e paciência em querer saber mais sobre o idioma e, depois, eu acho legal ter chats com quem fala inglês bem e se planejar pra fazer intercâmbio -
I agree with you 100%.
PPAULO 6 47 1.1k
Me too. We are lucky that English is one of the easiest languages to learn, but not effortless I must say.
We wish you good luck on your studies. And count on us to help you improve your language and learning skills.
Ainda precisa de ajuda? Confira algumas opções:
  1. Clique no botão "Responder" (abaixo) e faça sua pergunta sobre este assunto;
  2. Faça uma nova pergunta;
  3. Converse grátis com um professor nativo por 15 minutos: Saiba como!