It is me x It is I: Qual a forma correta?

priscilac
Esses dias meu professor de inglês contou que outro professor de uma escolar de idiomas disse que é correto usar "It's I!" e não ''It's me!" que é mais comum. Ele usou de exemplo quando atendemos o telefone e respondemos " sou eu = it's I" .
Então, qual é o certo? "It's I", "It's me", ou ambos estão corretos?
MENSAGEM PATROCINADA Faça um teste de inglês e descubra seu nível em 15 minutos! Este teste foi desenvolvido por professores e linguistas certificados. O resultado sai na hora e com gabarito.

Iniciar o Teste Online!
15 respostas
Ordenar por: Data

Donay Mendonça 58300 21 98 1394
Priscila,

Para mim é comum:

It's me! / That's me!

Mas It's I também é correto, apesar de me parecer "estranho" em linguagem falada. Com isso it is me pode ser mais apropriado.

Bons estudos!

Flavia.lm 3960 1 9 90
Oi Priscila

Pensemos numa inversão:
I'm the person who is responsible for those kids.
It is me who is responsible for those kids. (seria "I" possível?)

Aproveito pra perguntar pros colegas se é comum responder "It's me/I" ao telefone. Confesso não ter escutado, me parece mais comum "This is So-and-so speaking".

Mais um link a respeito: http://www.englishforums.com/English/It ... z/post.htm

P.s.: Excelente primeira pergunta! Seja muito bem-vinda ao fórum.

dlr 75
A questão de correto x comum... por um lado, "It is I" é correto. Por outro lado, "It's me" é mais comum, tão comum que a frase correta parece obsoleta. Realmente é mais comum você ouvir "It is I" como parte duma piada ou filme.

Donay Mendonça 58300 21 98 1394
Flávia,

It is I who is responsible é correto.Veja a opinião de um nativo.

'It's me who' is considered non-standard English by some, so your best bet, especially if it's a formal situation; e.g., a test, a business letter, an essay, and so on, would be to use 'It is I who' ... or I am the one who ....
(Usingenglish)

Quanto a 'sou eu' ao telefone,concordo com você.A forma abreviada "Speaking" é também comum.

John:Is Mike there?(O Mike está?)
Mike:Speaking.(Sou eu.)


Vejam também o trecho de um artigo muito interesante:

John Buckley wrote yesterday, taking exception to the clause, “[t]he person behind Dr. Goodword is me . . . ” using me instead of I. He finds it difficult himself to say, “It is me,” too, preferring, “It is I.” I pointed out that the majority of English speakers use the latter and that phrases like, “It is I,” are generally learned in school rather than in the normal process of language acquisition. He was unimpressed.
I wrote on a related subject for the alphaDictionary Reference Shelf in my article “Are You and I You and Me?” That article dealt with the misuse of the subjective (nominative) form of I in conjunctive phrases like waiting for you and I, places where we would never say *waiting for I. The problem in both cases is that English has lost its cases, its case system, except for a few fragments in the pronominal system:

Vejam o artigo completo em:
http://www.alphadictionary.com/blog/?p=41

Boa sorte!

Flavia.lm 3960 1 9 90
Viu, por isso que eu falei que a pergunta da Priscila era excelente :D
MENSAGEM PATROCINADA Está se preparando para as provas de proficiência? Faça o download do  guia da English Live: 10 Dicas Para as Provas do TOEFL e TOEIC. Nele você encontrará informações úteis e dicas na hora de realizar a prova.

Download do Guia em PDF - Grátis!

Flavia.lm 3960 1 9 90
It is I/It is me
Both "It is I" and "It is me" have been common in English usage for centuries, the former tending to be used in more formal contexts, and there has been considerable debate among grammarians about which is "correct":

From the beginning in the 18th century, there were two camps. The earlier, apparently, is represented by Priestley 1761 [The Rudiments of English Grammar], who favors accepting it is me on grounds of custom... Lowth 1762 [A Short Introduction to English Grammar] heads the partisans of it is I, who clearly had Priestley outnumbered: Baker 1770, Campbell 1776, and Lindley Murray 1795 were on the side of the nominative. And these were the commentators whose preachments were accepted as gospel by the schoolmasters.[2]

This preference could be due to the model of Latin, where the complement of the copula is in the nominative case.[3] The practice of trying to model grammars of English on that of Latin has, however, fallen out of favor, and linguists today describe each language on its own terms.

Fiction writers have occasionally pointed out the "mistakes" of their characters in an authorial comment. In "The Curse of the Golden Cross," for example, G. K. Chesterton writes, "'He may be me,' said Father Brown, with cheerful contempt for grammar." And in The Lion, the Witch and the Wardrobe, C. S. Lewis writes, "'Come out, Mrs. Beaver. Come out, Sons and Daughters of Adam. It's all right! It isn't Her!' This was bad grammar of course, but that is how beavers talk when they are excited."

Wikipedia

Rubens
Well, I've seen it once before.
One of warcraft videos brings up the saying: "Betrayer... In truth, it was I who was betrayed!".
The sentence use the construction you're talking about but in the past.
"It was I" may be taken exactly as "It's I", or "It is me". The construction is exactly the same, and once this is a worldwide known sentence, this must be fucking right ;) .

Anyway, once you wanna take a look at this scene, just push play:
You ain't gotta watch it all, you may just watch the beginning, which is exactly when the saying goes, but once you have yourself time, watch it, that's really cool. :D

cmart02
O correto é "It was I..."
Motivo: Pronomes pessoais (sujeitos) sao usados na conjugacao de verbos. "Me", objeto, nao é.

Sendo assim, voce nao deve dizer "My GF and me are going to...", mas "My GF and I (we) are going to..." Por outro lado, voce diria "Let my GF and me go", pois "My GF and me" quer dizer "us" (objeto da liberdade) ao passo que "MY GF and I" quer dizer "we" (agentes).

Simples assim.

Robert Martim

dlr 75
All of these are ok in everyday speech:
"Me and my friends are going to the park."
"My friends and me are going to the park."
"My friends and I are going to the park."

For a formal paper use:
"My friends and I are going to the park."

Henry Cunha 10070 3 16 179
priscilac escreveu:Esses dias meu professor de inglês contou que outro professor de uma escolar de idiomas disse que é correto usar ''It's I!'' e não ''It's me!'' que é mais comum. Ele usou de exemplo quando atendemos o telefone e respondemos '' sou eu = it's I'' .
Então,qual é o certo? ''It's I'', ''It's me'', ou ambos estão corretos?
Dificilmente encontrariamos alguém dizendo "It's I". Como disse o Dlr, "It is I" (não contraído) costuma ser usado para piadas ou para fazer graçinha, um tipo de exagêro proposital. É o que acontece no video citado acima. Na língua falada, dizemos "It's me / it's him / it's them / etc."

Exagêros de propósito, e contrações, não funcionam bem em conjunto: portanto "it is I", e não "It's I." (E o som é tão curto praticamente não dá pra encurtar mais sem arriscar perder o sentido.)

Agora, quando temos uma expressão tal como "It was he (him) who ate the cake", as coisas ficam mais dificeis entre o correto e o comum. É frequente ouvir alguém utilisar o pronome objeto (him), mas não seria adequado para alguém fazendo uma palestra. Tudo depende das circunstâncias. A razão pelo descuido nessas frases mais complicadas provavelmente se relaciona mais com a falta de treino formal, mas não é um tipo de erro que incomoda muito.

Alguns exemplos de expressões comuns:

It wasn't me; it was him. (O correto que ninguém diz: It wasn't I; it was he.)
That's not him! (Quem diria "That's not he!")
That's her over there. (That's she over there.)
That's them in the picture. (That's they...)

Como disse Pogo: "We have met the enemy, and he is us."

Rodzilla 30
Um erro muito recorrente no uso da língua, é o de expressões como "It's me/him/her/us/them". É tão recorrente, que acabou tornando-se no habitual na fala dos nativos, e por isso a aplicação correcta da gramática, neste caso, soará demasiadamente pedante. em todo o caso, entenda-se que.

Ainda que o sujeito da frase seja "It", quando utilizamos o verbo 'to be', a forma que se lhe segue na estrutura (SVO), deve ser da mesma natureza que o sujeito. Ou seja, se o sujeito da oração for um subject, o complemento também será. Por outro lado, se o sujeito da oração for um subject, o comlemento também o será. Vejamos os seguintes exemplos:

http://forum.wordreference.com/showthre ... post336395

"It is I". Tanto o sujeito quanto o complemento do verbo vêm no caaso de subject. Correcto.

Por outro lado...

"It's hard for her to be happy"

Her é o sujeito da oração infinitiva, e o complemento (happy) é o objecto.

(Here is another example of the way a clause trumps a phrase when it comes to determining the case of a pronoun: "They wanted me to read them a story." In this sentence, the pronoun "me" is actually the subject of the infinitive phrase "me to read them a story," and that entire phrase is the direct object of the verb "wanted": )
http://grammartips.homestead.com/case.html

Note-se, muito embora a gramática ordene que o correcto seja "It is I", o seu uso é completamente residual, e usá-lo, é sinal de pedantismo

Information_Society 20
Gostaria de saber uma coisa: Este uso de "It's me" e de "It's I" que não consigo entender muito bem. Se "I am" = "Eu sou", então por que não usar "Am I" para sou eu? Um exemplo disso é no jogo Mario 64, em que o Mario fala, no começo do jogo,: "It's me, Mario!", cuja tradução significa "Sou eu, Mario!", e por que ele não fala "Am I, Mario!" como "Sou eu" em vez de "It's me"? Porque, pra mim, o uso do "It" só vale como pronome neutro (quando não há sujeito na frase) ou então para "Ele/Ela" animais ou então objetos.

Marcio_Farias 12530 1 23 211
[...]Por que ele não fala "Am I, Mario!" como "Sou eu" em vez de "It's me"? Porque, pra mim, o uso do "It" só vale como pronome neutro (quando não há sujeito na frase) ou então para "Ele/Ela" animais ou então objetos.
Não existe um porquê. Trata-se de uso idiomático, imutável através dos anos. Os falantes nativos de inglês dizem "It's me" e assim falam. (Não podemos modificar-lhes a gramática).

Judy Friedkin 760 2 21
priscilac escreveu:Esses dias meu professor de inglês contou que outro professor de uma escolar de idiomas disse que é correto usar "It's I!" e não ''It's me!" que é mais comum. Ele usou de exemplo quando atendemos o telefone e respondemos " sou eu = it's I" .
Então,qual é o certo? "It's I", "It's me", ou ambos estão corretos?
It is I is the correct form grammatically. A pronoun after a subject and a to be verb that is the same thing as the subject is called a predicate nominative and takes the nominative case. I , he, she, we, they . After a subject and an active verb the pronoun after is called an object and takes the objective case, me, him, her, us, them. Because in this particular phrase it is... Nominative is always correct. However, in common usage, people have used these pronouns incorrectly for generations. Now even though it is me is incorrect , it has now been deemed as acceptable. I still say it is she when someone someone calls me on the phone, However, few people do. They say it's me. The same with the others. People use them incorrectly almost exclusively.

Ricardo F. Bernardi 11080 19 220
Resumindo os pronomes esporadicamente:

Os pronomes pessoais do caso reto (Subject Pronouns) estão frequentemente posicionados no início da frase.
Os pronomes pessoais do caso oblíquo (Object Pronouns) podem estar no meio ou no fim de uma frase.

MENSAGEM PATROCINADA Você confunde o "then" com "than" ou o "a" ou "an"? Faça o download do Guia da English Live com uma lista de 10 palavras em inglês que causam confusão. O guia vem com atividades para praticar.

Download do Guia em PDF - Grátis!