Correção de texto: The more I study English...

Estou treinando a minha capacidade de me expressar em inglês, o objetivo é traduzir meu próprio texto para o inglês com frases bem simples; para que assim eu consiga me expressar também em inglês. Mais informações no texto.

Texto 1

Quanto mais eu estudo inglês, mais tenho certeza que o modo tradicional de aprendizagem não é mais eficiente. Penso que um passo importante para se aprender uma língua estrangeira é conseguir expressar uma ideia no idioma. Para que um brasileiro consiga se expressar em inglês, ele terá que absorver muita coisa do idioma. E isso demora muito. Uma tática para adiantar esse processo é; primeiro escreva um texto simples na sua língua nativa e depois peça para pessoas que são avançadas não idioma traduzir esse texto para o inglês. Agora você tem suas próprias ideias expressadas em dois idiomas. Então, você só tem que entender como esse texto é expresso nas duas línguas. Então é só estudar e absorver como suas próprias ideias em inglês e depois expressá-las, através da leitura em voz alta e tentativa de reescrever o texto, sem alterar o sentido, usando suas próprias palavras.

Não gosto de usar o Google Tradutor para traduzir textos, ele vai traduzir de forma literal, e muitas vezes ser uma tradução errada, já que não existe uma maneira expressa daquela. Também não gosto muito da ideia de simplesmente ler os textos que já existem. Acho que o texto deve ser expresso com ideias próprias, assim como uma pessoa aprenderá como expressar suas próprias ideias em outro idioma. A expressão e algo pessoal, cada pessoa é escrita por um jeito e por isso fala e escreve de um jeito. Agradeço aos amigos do fórum, abraços.

Text 1

The more I study English, the more I am sure that the traditional way of learning is no longer efficient. I think that an important step in learning a foreign language is to express an idea in the language. For a Brazilian to be able to express himself in English, he will have to absorb a lot of the language. And that takes so long. One tactic to advance this process is; first write a plain text in your native language and then ask people who are advanced not to translate that text into English. Now you have your own ideas expressed in two languages. So you just have to understand how this text is expressed in both languages. So just study and absorb as your own ideas in English and then express them, by reading aloud and attempting to rewrite the text, without altering the meaning, using your own words.

I do not like using Google Translate to translate texts, it will translate literally, and often be a mistranslation, since there is no express way of translating it. I also do not like the idea of ​​simply reading the texts that already exist. I think the text should be expressed with ideas of its own, just as a person will learn how to express their own ideas in another language. The expression is something personal, each person is written in a way and so speaks and writes in a way. Thanks to the friends of the forum, hugs.
MENSAGEM PATROCINADA Aprenda dicas sobre os tempos verbais em inglês! Baixe agora o seu Guia Grátis de Tempos Verbais em Inglês. Ele contém um ótimo resumo para revisar todos os conceitos.

Clique aqui e saiba como baixar!
Avatar do usuário Ricardo F. Bernardi 9230 15 171
007 Brasil,

Usar o Google Tradutor ou qualquer outra plataforma para traduzir seus textos, postá-los aqui e depois recorrer a um de nossos especialistas ainda não é a maneira mais adequada de estudo. O motivo é que você, assim como qualquer outro que seguir por esse caminho, tende a cair na ociosidade estudantil, em outras palavras, querer uma resposta fácil a todo o momento.

Se esse é o seu primeiro contato com o inglês, ou você está retomando os estudos, recomendo expressamente que traduza palavras e frases em separado. Os textos em inglês surgirão naturalmente à medida que você estuda o idioma com livros, dicionários, fóruns e consulta especializada. Não tenha medo de errar, pois quanto mais isso acontece, mais doce será o aprendizado.

O motivo de minha recomendação é que para aprendermos a falar, primeiro temos que aprender um bom vocabulário, e é claro que não são todas as palavras que poderão ser utilizadas em um contexto. Nenhuma ferramenta online de tradução do mundo poderá colaborar nessa parte conosco, o máximo que elas farão seria garantir uma sensação de dever cumprido, ou economizar o tempo de tradutores experientes, mas nunca ofereceriam uma segurança de aprendizado eficiente, afinal algumas ferramentas como o Google Tradutor permite a participação de qualquer indivíduo, tendo ele ou não conhecimento do idioma. Em outras palavras, já existe um comprometimento na base de informações, o que a torna não confiável.

Os riscos de utilizarmos um tradutor são o fato deste ter dificuldade com a sintaxe, dedução e correção de erros ortográficos, não ter noção de diferenças culturais, não distinguir ambiguidades nem contextos. Se fôssemos traduzir língua suína, por exemplo, a primeira opção seria pig language. Se eu estivesse escrevendo um livro de ficção onde os porcos dominam o mundo, aí sim essa opção poderia ser válida. Porém, como agora é hora do almoço e tenho certeza que muitos estão pensando o que eu estou pensando, acho que o bom é eu preparar uma deliciosa língua de porco grelhada (a delicious grilled pork tongue). Só falta o limãozinho.

Está com água na boca, meu amigo?

Se estiver, tomara que tenha a mesma sensação com seus estudos de inglês.

Uma dica: tente traduzir as frases separadamente, sem recorrer ao tradutor e encaminhe para nós, por favor. Vamos começar com a seguinte frase:

Quanto mais eu estudo inglês, mais tenho certeza que o modo tradicional de aprendizagem não é mais eficiente.

Coloque em inglês somente as palavras que você conhece. Deixe as restantes em português.

Se você conhece menos que 50% das palavras deste exemplo, independentemente de ter esquecido, então é sinal de que sua consulta com o dicionário precisa ser melhorada, ou que você precise aumentar sua carga horária de estudos. Outro agravante é a forma como estamos estudando. E graças a sua resposta, eu já tive uma ideia de como você está fazendo isso.

Espero que abrace esta sugestão, pois sei que no futuro seus lucros serão certos.
[Apenas repeti o que dois de meus mestres me ensinaram... Rs]

Desejo bons estudos!
E uma boa tentativa também [sem a ferramenta de tradução online]! :)

No aguardo,

Att. Ricardo.
Avatar do usuário PPAULO 39205 6 32 684
Indeed he seems like having told the opposite, if I am not mistaken! That is, he said that he doesn´t like to use Google. Only at a certain point it seems like being Google-translated, I mean, it shows!

Now my stab at it:

The more I study English, the more I am convince that the traditional way of learning is no longer effective/outdated/archaic (?).

So it was effective, then? Why is that? What variables have changed? I am not being judgemental, only reading it critically.

I think that an important step in learning a foreign language is to express an idea in the (target) language/in that language. 

For a Brazilian (student/learner) to be able to express himself in English, he will have to cram up a lot of information about the language. And that takes so long! 
One tactic to speed up this process is; first to write a small piece of text in my/the native language and then ask people at advanced level to translate it into English.


I get it that you are talking about writing skills here, and as you pointed out that "an important step is to express an idea in the target language". Now you talk about writing a text, so I gather that you are referring to the writing itself.
Anyway, "to express yourself/to express an idea" would and could cover a lot: speaking skills, interpretation skills, conceptual understanding, etc. You made a general statement where it could be let known that it was a specific one.

But, okay, I think we can safely assume (from now on) that you are specifically about writing. And that´s why I reworded that part into "cram up" said information (grammar, syntax, the works - for example). Before, the reader could think you were mentioning the process of learning English as a whole.

It seems like at this point, you either used Google translator or some other translator, for that matter. Because it unquestioningly (or blindly if you wish) translated the chunk " depois peça para pessoas que são avançadas não idioma traduzir esse" (sic). So the translated version got like this:

And then ask people who are advanced not to translate that text into English.

It got close to what the translator (seemingly) "thought" that was what you meant...


My guess is that you meant "and then ask to people that are at more advanced level to translate your text into English.

Now/with that we have our own ideas expressed in two languages. Since our goal is to work on the interpretation skills, and to understand how the connotations, the nuances and the choice of words work to express something in both languages. 

So, firstly one just has to put in writing his own ideas in English, read it aloud and then proofread it, without altering its essence (what he means), by using one´s own words.

I don´t like to use Google Translate, because the output will be (pretty much) a machine-generated literal translation, not one that suitable to replace the human touch. Granted, it can help us to get the gist of the subject, though.

I also don´t like the idea of ​​simply and uncritically reading existing texts.  To my thinking a text should be expressed with ideas of one´s own. That is, the learner should try to learn how to express himself by using his acquired vocabulary, whether it is limeted or not. By using the concepts that he has grasped.

My opinion is that, since writing (and learning for that matter) is something personal, each and every person should as a training strategy, to adjust his writing in a way to match/fit his personal style and taste. Not the other way around.

Just like Google, I might have failed to convey exactly what you meant, but I think it´s the closest I could get to what you meant. Of course, there is room to improvements and corrections and they are welcome.
Avatar do usuário PPAULO 39205 6 32 684
By the way, I wish all teachers a Happy Teacher Day. Also, thanks to all of my teachers, all of them.

The mediocre teacher tells, the good teacher explains, the superior teacher demonstrates. The greater teacher inspires. (O professor medíocre revela. O bom professor explica. O professor brilhante demonstra, e o extraordinário inspira.)
Avatar do usuário PPAULO 39205 6 32 684
Oh, my bad! Where it reads "the more I study English, the more I am convince..." should read "the more I study English, the more I am convinced..."
Agradeço pela ajuda. Agora eu vou estudar o texto e tentar usar as palavras que eu aprendi em novos textos. Aprender um idioma demora muito. Estou me dedicando muito, achei que seria possível aprender inglês em um ano. Mas acho que vai demorar no mínimo uns 2 para chegar em um nível que eu acho bom. Valeu pela ajuda. Escrevi um novo texto. Mas agora eu fiz diferente; pensei diretamente em inglês para escrever.
Avatar do usuário PPAULO 39205 6 32 684
Parabéns pela coragem de tentar, quem nunca errou nunca acertou também não é mesmo? Tudo isto por não ter tentado.
Você deve estudar e deve transformar essa energia toda de querer ir à frente, de aprender coisas novas e se comunicar. É isso! A questão é só direcionar as coisas, o estudo pro lado certo. Qual o lado certo? Aquele que for melhor pra você. Não vou entrar nesse tópico, pois poderia ir longe...além de que é difícil fazer mensurar e (tentar) dar conselhos à distância. Cada caso é um caso.
No presente texto, também percebi que você escolheu um assunto talvez um tanto "espinhoso" (pela complexidade), que pode levar à uma certa polêmica.
Sim, que tem dois lados: o "de como aprender" e o "de como ensinar", e acredite existiram e existem muitos cientistas do comportamente e do aprendizado debruçados no assunto.
Assim, em certas partes dele "seu pecado" talvez tenha sido ser categórico em algo que, de certa forma é algo ainda desconhecido, ou que tem muito a ser explorado.
Da forma que estava, deu a entender que se deveria ser o processo para todo tipo de aluno enquanto método de aprendizado. Mas na verdade era o seu, ou a sua tentativa.
Por isso que tentei aproveitar o máximo da sua redação (ainda que não concordasse com partes do que estivesse expresso), minha tarefa seria trazê-lo e trazer sua redação para algo mais pé-no-chão (mais perto da realidade possível).
Mas não se preocupe, você não foi o primeiro e muito provavelmente não será o último a fazer isso, por isso que dou esse "alerta". Ensino e didática requer uma certa pesquisa (ou pelo menos alguma experiência), para que se tenha uma certa base em que possamos sustentar nossas teorias.

Talvez por não quererem para não ferir susceptibilidades (não dizer algo que parecesse desagradável e "espantar" o estudante/outro membro do fórum.), outros ficaram em respeitoso silêncio por algum tempo. Ainda mais perto do dia do professor!
Eu pessoalmente fiquei pensando o que fazer com texto, mas vi no cabeçalho que de fato estava treinando, e que o submeteu ao crivo com a intenção de se expressar também em inglês.

Acredite, aprender é divertido e entusiasmante, mas é preciso também o suor e lágrimas, lembre-se do "no pain no gain".
Sei de experiência própria: já dei muito murro em ponta de faca, fazendo por exemplo analogias que me levavam pra o caminho errado.
E assim aprendi com os (muitos) erros, algumas vezes quem me corrigiu fez o passo-a-passo, dando o caminho das pedras. Outras vezes não! Principalmente quando se vai a um chat/message board, por exemplo, e muitos partem do príncipio de que você já sabe. E quantas coisas que você não sabe! (apesar de achar justamente o contrário).
Finalmente, não tome esse conselho que vou dar, mas vai assim mesmo!
É o seguinte: tente não estabelecer tempo, prazo para o conhecimento, sem a ansiedade de um prazo pode ser que você "se solte" e liberte mais um espaço dos recônditos de sua mente. Quando você menos espera, você "está lá". Cada um tem o seu rítmo, uns levam um ano principalmente se estiverem em "imersão", em algum país falante do idioma. Outros mais tempo. Mas isso é apenas um detalhe.
Outra coisa é, não confunda leitura e escrita com outras áreas e habilidades, a redação em si é mais "exigente", mais rígida, o que não quer dizer que deva ser o carro-chefe, a meta suprema.
Boa sorte nos estudos. ;-)

Nota:
Aqui são algumas considerações minhas, outros podem trazer mais detalhes, complementar, discordar ou retificar algumas coisas. Eu sou apenas um estudante de inglês (posso dizer "de longa data"), alguém que aprecia linguagens e linguística.
Portanto posso estar equivocado em alguns aspectos, mas pelo menos não fui omisso, não fiz crítica negativa ou deixei de ajudar.
Um abraço. Estude mesmo! Queremos ver seus progressos aqui! ;-)