O Português é realmente mais Difícil que o inglês?

Tenho essa curiosidade desde que comecei a falar a primeira palavra em inglês, mas até hoje não consegui saná-la em lugar nenhum.

Todo mundo fala que o português é mais difícil de aprender do que inglês. Mas por quê?

Quando aprendi a ler e a escrever em português, eu comecei pelas vogais, depois o alfabeto e sílabas. Pronto, a partir daí consigo escrever qualquer palavra que eu ouço. Ao contrário do inglês, que tenho que decorar a pronuncia e a grafia.

Se eu pegar um americano e pedir para ele decorar as vogais, alfabeto e sílabas em português, ele não será capaz de ler e escrever em português como um nativo, de maneira mais rápida do que inglês? - afinal, não vão decorar nada.

Porque o inglês não tem esse mesmo sistema do português?

É isso.

Obrigado

Mais Votada Mais Votada

Avatar do usuário Judy Friedkin 630 2 17
I think whenever you learn a language which uses a different system than yours, you think it is more difficult than your language. English has a more simple grammar, no masculine or feminine with agreement , an easier verb system, but it is not phonetic and has many difficult prepositions to learn. Learning Spanish was very difficult for me. After Spanish, Portuguese was much easier. I think the answer to this question depends on what language is your native language and what your point of view is. I don't think there is any real answer to this question. In the scale of difficulty of languages, we are both on the same level.
MENSAGEM PATROCINADA Faça um teste de inglês e descubra seu nível em 15 minutos! Este teste foi desenvolvido por professores e linguistas certificados. O resultado sai na hora e com gabarito.

Clique aqui para iniciar o Teste Online!
Na minha opinião ainda sim o inglês é muito mais fácil que o português, se você mandar um americano decorar essa parte da gramática acho que ele não conseguira falar o nome das coisas apenas com isso, do mesmo modo ele vai ter que decorar o nome das coisas primeiro.

Para esclarecer mais o que citei acima outro exemplo do que você disse: "- Quando aprendi a ler e a escrever em português, eu comecei pelas vogais, depois o alfabeto e sílabas.[...]", quando você aprendeu essa parte da gramática acredito que com certeza você já sabia falar tudo em português, já conseguia manter uma conversa com alguém, isso se deu quando você era um pouco menor e começou a falar as primeiras palavras. Para o americano vai ser do mesmo jeito, ele vai começar a falar e decorar as palavras no português do mesmo jeito que você começou quando era menor.

E em relação a gramática, o próprio fato de a gramática do português ser mais complexa, ela acaba por ser mais difícil para um estrangeiro aprendê-la, para falar a verdade, ela é complicada até para nós que vivemos diariamente com esta língua.
Avatar do usuário Frank Florida 210 5
Sim, você tem razão... No inglês, a pronúncia e a grafia às vezes estão um pouco distantes uma da outro.

Porém, já no próprio português, a pronúncia desvia bastante da palavra escrita. Por exemplo, a palavra "rio" é pronunciado como "hiuu". O "r" no começo da palavra vira quase um "h", e o "o" no final vira um "u".

Em espanhol, a pronúncia é mais perto da grafia ainda: a palavra "el rio" realmente é pronunciado como "el rio". :)

Porém eu concordo que o inglês desvia mais do que o português. Olha o spelling/pronunciation gap do famoso exemplo "ghoti":
http://en.wikipedia.org/wiki/Ghoti

Mas o inglês é muito simples em outros contextos... Por exemplo, na hora de conjugar verbos... Compare:

Eu vou
Tu vás
Nós vamos
Vós ides
Eles vão
Vá, por favor

Etc... Agora no inglês:

I go
You go
We go
You go (plural)
They go
Please go

Em inglês, é sempre a mesma coisa... A única excepção é a terceira pessoa do singular, que tem um "s"... He goes. No passado, nem existe isso:

Eu fui
Tu foste
Ele/ela foi
Nós fomos
Vós fostes
Eles/elas foram

Ainda bem que o português brasileiro é um pouco mais simples do que isso, por causa do você/vocês... Mas agora observe o inglês:

I went
You went
He went
We went
You went
They went

Simples, né?
Cheers,
Avatar do usuário Donay Mendonça 49780 21 80 1150
O português é naturalmente mais difícil do que o inglês. Porém, se você não tiver cuidado, pode vir a nunca conseguir falar inglês adequadamente - de forma satisfatória - apesar do inglês ser mais fácil do que o português.

Ler dicas, sempre buscar melhorar, estar atento às armadilhas e ainda ler os conselhos de quem fala bem o inglês hoje pode ajudar em muito a impedir que, daqui a alguns anos, a pessoa perceba que seu inglês não é bom apesar de todo um tempo de estudo. Isso pode ser muito desmotivante.
Avatar do usuário DHST 675 1 2 12
Frank, não é quase um H, é exatamente um H (quando não é mudo). Creio que o nome daquele ator australiano, Hugh Jackman, aproxima-se muito da pronúncia de ''rio''.
Avatar do usuário Rodzilla 30
Até tem. O que acontece é que você está falando do aprendizado em duas velocidades/realidades diferentes. Você já viu quantos anos você demorou até dominar o português? E isso com a prática constante, e os mais diversos estímulos externos.

O português, com os fonemas conhecidos, pode ser mais fácil de PRONUNCIAR, do que o inglês. No entanto, o inglês é muito mais simples gramaticalmente falando, e é isso que faz com que ele seja uma língua mais fácil.

O que não quer dizer, por exemplo, que para um Lusófono aprender inglês seja mais fácil que aprender espanhol. Entenda, as similaridades e proximidades gramaticais entre as duas línguas, fazem com que seja mais fácil para um lussófono, assimilar o espanhol, do que o inglês. Contudo, se pegarmos um Chinês (por exemplo), com uma língua completamente diferente tanto do inglês quanto do português, muito provavelmente ele teria maior facilidade em aprender inglês (lá está, pela maior simplicidade da gramática inglesa), do que português.

DHST escreveu:Frank, não é quase um H, é exatamente um H (quando não é mudo). Creio que o nome daquele ator australiano, Hugh Jackman, aproxima-se muito da pronúncia de "rio".


Sem dúvida. Mas notem que depende dos lugares. Não sei diferenças de dialectos dentro do Brasil, mas quando fui morar em Portugal, meus colegas de escola me zuavam porque eu dizia "Hui" pra falar de um amigo nosso (o Rui).
@Frank Florida
Não sou expert no assunto, mas acho que o caso do "rio" não é uma exceção, é uma regularidade, afinal, o "R" no início das palavras é sempre dito com "som de H"

@Rodzilla
Concordo com você, mais acho que você está se esquecendo de um fato importante, a gramática pode ser simplificado ser perder o entendimento da frase, enquanto a pronúncia não, um estrangeiro aprendendo português pode se virar bem e até alcançar uma certa fluência usando apenas gramática simples, por outro lado, dificilmente um estrangeiro aprendendo inglês conseguiria se fazer entender usando uma pronúncia simplificada.
É por essas e outros que eu acho que a dificuldade em aprender inglês e português é praticamente a mesma, o que faz um idioma parecer mais difícil do que o outro são os métodos, enquanto existe vários métodos excelentes e modernos pra se aprender inglês, os métodos pra aprender português ou espanhol continuam anos luz atrasados, os professores normalmente fazem os alunos decorarem a força tabelas chatas com conjugações e depois fazem provas sobre elas em vez de expor os alunos a língua real.
Avatar do usuário Rodzilla 30
Livonor escreveu:@Rodzilla
Concordo com você, mais acho que você está se esquecendo de um fato importante, a gramática pode ser simplificado ser perder o entendimento da frase, enquanto a pronúncia não, um estrangeiro aprendendo português pode se virar bem e até alcançar uma certa fluência usando apenas gramática simples, por outro lado, dificilmente um estrangeiro aprendendo inglês conseguiria se fazer entender usando uma pronúncia simplificada.

É por essas e outros que eu acho que a dificuldade em aprender inglês e português é praticamente a mesma, o que faz um idioma parecer mais difícil do que o outro são os métodos, enquanto existe vários métodos excelentes e modernos pra se aprender inglês, os métodos pra aprender português ou espanhol continuam anos luz atrasados, os professores normalmente fazem os alunos decorarem a força tabelas chatas com conjugações e depois fazem provas sobre elas em vez de expor os alunos a língua real.


Discordo, e discordo.

Primeiro que a gramática só pode ser simplificada até certo ponto (basicamente, em estruturas verbais, onde os verbos podem não ser correctamente flexionados, e no género e número dos substantivos).

Segundo, e apesar da coerência dentro da pronunciação dos nossos fonemas, a nossa língua tem fonemas complexos que torna a sua pronunciação muito mais complexa e peculiar (qualquer nasalização, e alguns fonemas comuns latinos, que não são tão comuns em outras línguas, como o NH e o LH)

Terceiro, é só você ver filmes e séries que você verá uma série de estrangeiros falando de forma complicada e sendo entendido por nativos (por vezes com dificuldade).

Quarto, perdoa-me mas sendo nativo, como você se sente avontade para avaliar os métodos de aprendizagem do português?

Quinto, desculpa-me, mas de onde você tirou que o ensino do Espanhol é rudimentar? Qual é a sua base para afirmá-lo?
MENSAGEM PATROCINADA Há quanto tempo você estuda inglês? Já passou por sua cabeça que você pode estar estudando de uma forma que dá pouco ou quase nenhum resultado? Que tal fazer um intensivo de inglês de 180 dias e recuperar o tempo perdido? Em 6 meses você pode elevar o seu inglês a um novo patamar.

Clique aqui para conhecer o curso!
Sim, obviamente que a simplificação da gramática tem suas limitações, creio que não daria pra um estrangeiro se comunicar de uma forma natural em português simplificando a gramática portuguesa ao nível da gramatica inglesa, mas ele poderia simplificar bastante as coisas (dizendo "vai acontecer" em vez de "acontecerá", por exemplo), agora, se você esquecer a parte do "natural" e só se concentrar na capacidade de ser entendido (como os estrangeiros que você citou) aí a língua pode ser simplificada ao extremo ficando até mais simples que o inglês.
Mas assim como na simplificação da pronúncia o entendimento do que você diz vai depender muito do quanto a outra pessoa está acostumada com "estrangeirismos", um gringo numa área do Brasil que costuma está sempre cheia de turistas (Rio de Janeiro, Salvador etc) seria facilmente entendido se disesse uma frase como "me vender two pastéiz, por favor" assim como um um brasileiro nos USA numa cidade cheia de outros estrangeiros como New York seria entendido se dissese "ai wanti búi thú ofí dém" mas duvido que as coisas seriam tão fáceis se eles estivessem numa área não-turística com quase nenhum estrangeiro.

Sobre o ensino do espanhol, como em disse, muitas escolas focam-se muito em gramática e pouco na língua real, há um post de um holandês, ele é dono de um blog sobre seu aprendizado de espanhol (que mudou seu nome e agora é um blog "genérico" sobre aprendizado de línguas) onde ele fala um pouco sobre isso:
http://thelanguagedojo.com/2009/08/read ... ol-failed/ e sim, foi daí que eu tirei minha conclusão, se você acha que eu o o dono do blog estamos equivocados deixe me saber
Avatar do usuário Rodzilla 30
Livonor escreveu:Sim, obviamente que a simplificação da gramática tem suas limitações, creio que não daria pra um estrangeiro se comunicar de uma forma natural em português simplificando a gramática portuguesa ao nível da gramatica inglesa, mas ele poderia simplificar bastante as coisas (dizendo "vai acontecer" em vez de "acontecerá", por exemplo), agora, se você esquecer a parte do "natural" e só se concentrar na capacidade de ser entendido (como os estrangeiros que você citou) aí a língua pode ser simplificada ao extremo ficando até mais simples que o inglês.
Mas assim como na simplificação da pronúncia o entendimento do que você diz vai depender muito do quanto a outra pessoa está acostumada com "estrangeirismos", um gringo numa área do Brasil que costuma está sempre cheia de turistas (Rio de Janeiro, Salvador etc) seria facilmente entendido se disesse uma frase como "me vender two pastéiz, por favor" assim como um um brasileiro nos USA numa cidade cheia de outros estrangeiros como New York seria entendido se dissese "ai wanti búi thú ofí dém" mas duvido que as coisas seriam tão fáceis se eles estivessem numa área não-turística com quase nenhum estrangeiro.


Desculpa, não faz qualquer sentido o que você está dizendo. Você está querendo comparar uma versão completamente "aportuguesada" do português com uma versão mal pronunciada do inglês, como podem ser correlacionadas?

Livonor escreveu:Sobre o ensino do espanhol, como em disse, muitas escolas focam-se muito em gramática e pouco na língua real, há um post de um holandês, ele é dono de um blog sobre seu aprendizado de espanhol (que mudou seu nome e agora é um blog "genérico" sobre aprendizado de línguas) onde ele fala um pouco sobre isso:
http://thelanguagedojo.com/2009/08/read ... ol-failed/ e sim, foi daí que eu tirei minha conclusão, se você acha que eu o o dono do blog estamos equivocados deixe me saber


Desculpa, eu parei de ler quando li isto:

"Thus, simply studying a language for eight years (French) and five years (Spanish), as I did, did not amount to fluency."

Querer atribuir a culpa a outros depois de tanto tempo de estudo, parece-me infantilidade e falta de vontade de arcar com as consequências.

Desculpa, mas a menos que a pessoa tenha estudado os 8 anos no nível mais elementar de francês (sempre repetindo), acho impossível que não tenha aprendido nada.