4 Razões Para Aprender Uma Nova Língua

Avatar do usuário André Lima 735 3 19
Imagem

Por que se preocupar em aprender uma língua estrangeira? O linguista e professor da Universidade Columbia, John McWhorter compartilha quatro fascinantes benefícios de aprender um idioma diferente.

Assista abaixo a excelente apresentação do Prof. John McWhorter no TED juntamente com a transcrição em português.



O idioma que falo neste momento está no caminho de se tornar o idioma universal do mundo, para o bem ou para o mal. Vamos encarar, é o idioma da internet, é o idioma das finanças, é o idioma do controle de tráfego aéreo, da música popular, diplomacia. O inglês está em todo lugar.

O mandarim é falado por mais pessoas, mas mais chineses estão aprendendo inglês do que falantes de inglês aprendem chinês. Pelo que soube, há dezenas de universidades hoje, na China, ensinando tudo em inglês. O inglês está dominando.

E, mais do que isso, já foi previsto que, no fim do século, quase todas as línguas que existem hoje, existem cerca de 6 mil, não serão mais usadas. Restarão apenas algumas centenas. E, além disso, estamos num ponto em que tradução simultânea não só é possível, como tem melhorado a cada ano.

A razão pela qual digo isso a vocês é porque sei que estamos chegando num ponto em que uma questão será levantada, que é: por que devemos aprender línguas estrangeiras, exceto quando o inglês for um idioma estrangeiro para alguém? Por que aprender outro quando se está chegando ao ponto em que quase todos no mundo serão capazes de se comunicar com um único?

Eu acho que existem muitas razões, mas, antes, quero tratar de uma sobre a qual muitos de vocês já devem ter ouvido, porque é mais perigosa do que pensam: é a ideia de que uma língua guia seus pensamentos, de que o vocabulário e a gramática de diferentes idiomas dão a todos uma sensação diferente de viagem, por assim dizer. Essa é uma ideia maravilhosamente sedutora, mas um pouco exagerada.

Não que seja completamente mentira. Por exemplo, em francês e em espanhol, a palavra para mesa é, por alguma razão, feminina. Então, "la table", "la mesa", temos que lidar com isso. E já foi revelado que se você é falante de um desses idiomas e alguém lhe pergunta como você imaginaria uma mesa falando, muito mais provável seria do que ao acaso, um falante de francês ou espanhol diria que a mesa falaria com uma voz aguda e feminina. Então, se você é francês ou espanhol, para você, "mesa" é como uma menina,

Mas não para você, falante de inglês. É difícil não amar esse tipo de dado, e muita gente dirá que isso significa que é a visão mundial que se tem quando se fala uma dessas línguas. Mas temos que ter cuidado,

Pois imaginem se alguém nos analisar a fundo, refiro-me a nós, falantes nativos de inglês. Qual é a visão mundial a partir da língua inglesa? Por exemplo, vamos pegar um falante de inglês.

Na tela, vemos o Bono.

Ele fala inglês. Eu presumo que ele tenha uma visão do mundo. Agora, esse é Donald Trump. Ao seu modo, ele também fala inglês. (Risos) E aqui está a Sra. Kardashian e ela fala inglês também. Então aqui estão três falantes da língua inglesa.

Qual visão do mundo essas três pessoas têm em comum? Que visão mundial é moldada pelo idioma que os une? É um conceito altamente inquietante. E, então, torna-se um consenso gradual que um idioma pode moldar o pensamento, mas tende a ser mais uma vibração charmosa, obscura e psicológica. Não é uma questão de nos dar óculos diferentes para ver o mundo. Agora, se esse é o caso, então por que aprender idiomas? Se isso não vai mudar o jeito como você pensa, quais seriam as outras razões? Existem algumas. Uma delas é que, se você quer assimilar uma cultura, se você quer se embriagar dela, se quer se tornar parte dela,

Então se o idioma serve ou não como meio para a cultura, e isso parece duvidoso, se você quer assimilar da cultura, você tem que dominar, em algum nível, o idioma que pertence a essa cultura. Não há outro jeito. Há uma ilustração interessante para esse ponto. Tenho que ser um pouco obscuro, mas vocês deveriam procurar: existe um filme, do diretor canadense Denys Arcand, que em inglês é pronunciado "Dennis Ar-cand", se quiserem procurá-lo. Ele fez um filme chamado "Jesus de Montreal". E muitos de seus personagens são mulheres franco-canadenses vibrantes, engraçadas, apaixonadas, interessantes, que falam francês. Há uma cena perto do final em que elas têm que levar uma amiga a um hospital onde se fala inglês.

Lá, elas têm que falar inglês. Elas falam inglês, mas essa não é sua língua nativa, elas preferem não falar inglês. E elas falam mais devagar, elas têm sotaque, não são idiomáticas. De repente, essas personagens por quem nos apaixonamos tornam-se superficialidades delas mesmas, elas são sombra delas mesmas. Entrar numa cultura

E somente examinar pessoas através daquela cortina transparente significa nunca entender realmente a cultura. E, para a extensão das centenas de línguas que restarão, uma razão para aprendê-las é que elas são como ingressos para que se possa participar da cultura das pessoas que as falam, somente pelo fato de que esse é o código delas. Então, esta é uma razão.

Segunda razão: já foi mostrado que se você fala dois idiomas, é menos provável que tenha demência, e que você provavelmente é um melhor multitarefas. E estes são fatores estabelecidos cedo, e devem nos dar uma direção sobre quando dar lições aos jovens estudantes em outro idioma. Bilinguismo é saudável. E, então, terceiro: idiomas são uma grande diversão. Muito mais do que nos dizem. Por exemplo, em árabe, "kataba": ele escreveu. "Yaktubu": ele escreve, ela escreve.

"Uktub": escreva, no imperativo. O que essas palavras têm em comum? Todas essas palavras têm em comum as consoantes situadas no meio, como pilares. Elas permanecem paradas, e as vogais dançam ao redor das consoantes.

Quem não gostaria de rolar isso pela boca? Conseguimos fazer isso com o hebraico, com o principal idioma da Etiópia, o amárico. Isso é divertido. Ou idiomas que têm uma ordem diferente de palavras. Aprender a falar com uma ordem diferente de palavras é como dirigir no lado diferente de uma rua se vamos a certos países, ou o sensação de quando colocarmos hamamelis ao redor dos olhos e sentimos formigar.

Um idioma pode fazer isso com você. Então, por exemplo, "The Cat in the Hat Comes Back", um livro para o qual sei que nos voltamos sempre, como "Moby Dick". Uma frase nele diz: "Você sabe onde o achei? Você sabe onde ele estava? Estava comendo bolo na banheira. Estava sim!"

Ótimo. Agora, se você aprender isso em mandarim, você tem que dominar "Você pode saber eu onde o achei? Ele estava na banheira dentro devorando bolo, Sem erro devorando mastigando!" Isso parece certo. Imagine ser capaz de fazer isso por anos e anos. Ou, você já aprendeu cambojano? Eu também não, mas se aprendesse, eu teria que buscar em minha boca não apenas algumas dezenas de vogais, como no inglês, mas umas boas 30 vogais diferentes movendo-se e fluindo pela boca cambojana como abelhas numa colmeia. Isso é o que um idioma pode nos dar.

E, mais ao ponto, nós vivemos numa era em que nunca foi tão fácil aprender outro idioma sozinho. Antes, você entrava numa classe, e lá havia um professor diligente, um professor genial, mas aquela pessoa só estava presente algumas vezes e você tinha que ir, e não era a maior parte do tempo. Você tinha que ir à aula. Se você não tinha isso, você tinha um vinil. Eu os conheci. Havia muita informação num vinil, ou numa fita cassete, ou mesmo num objeto antigo conhecido como CD. Além disso, havia livros que não funcionavam. Era desse jeito.

Hoje, você pode se deitar, repousar no chão da sua sala, tomando um uísque, e aprender qualquer idioma que você queira com módulos maravilhosos, como os do Rosetta Stone. E eu também recomendo o Glossika, que é menos conhecido.

Podemos fazer isso a qualquer hora. Portanto, conseguimos fazer mais e melhor.

Podemos fazer nossa rotina matinal em várias línguas. Todas as manhãs, eu leio "Dilbert" em várias línguas, isso aumenta nossas habilidades. Não conseguiria fazer isso há 20 anos, quando a ideia de ter qualquer idioma que você quisesse na palma da mão, vindo do seu telefone, pareceria ficção científica mesmo para pessoas sofisticadas. Então, eu recomento que você aprenda idiomas além desse que falo, porque nunca houve melhor momento para fazê-lo. É uma diversão incrível. Isso não vai fazê-lo mudar de ideia, mas vai, com certeza, deixá-lo maravilhado. Muito obrigado. (Aplausos)


Aqui na comunidade do English Experts existem mais de 150.000 membros que a mais de 10 anos ajudam uns aos outros a aprender inglês e de graça com milhares de dicas, exercícios, perguntas e respostas.

Entre para nossa comunidade e comece aprender um novo idioma agora!

Estude os textos com áudio em inglês disponíveis gratuitamente em Meus Textos. Adicione palavras, termos e expressões em inglês no Meu Vocabulário para você treinar a pronúncia e aprender seu significado. E se tiver alguma dúvida, faça perguntas no fórum. Outros membros irão te ajudar gentilmente.

Se você preferir um plano de estudos guiado e com suporte especial da nossa equipe, recomendo que faça o curso de inglês que vai te ensinar as técnicas que os experts em inglês usaram para ficarem fluentes.

E depois que você estiver fera no inglês, esperamos que retribua ajudando outras pessoas também.

Bons estudos!
MENSAGEM PATROCINADA Faça um teste de inglês e descubra seu nível em 15 minutos! Este teste foi desenvolvido por professores e linguistas certificados. O resultado sai na hora e com gabarito.

Clique aqui para iniciar o Teste Online!