Origem do "Goodness" em "Oh My Goodness"?

Qual seria a origem ou explicação de Goodness em "Oh My Goodness"? Como e por que eles começaram a usar o Oh, my goodness?
Porque "goodness" no sentido de "bondade, virtude, benevolência etc... Tem a ver com "oh minha nossa, meu Deus e santo Deus etc..."? De onde vem e de como passaram a usá-la assim e no lugar de Oh, my gosh? Tem uma história?." Como passou a ter o sentido de " h minha nossa, meu Deus e santo Deus etc..."?
Obrigado.

CENTENAS DE EXPRESSÕES DO INGLÊS
Preparamos um plano de estudos para ajudar você a dominar centenas de palavras e expressões do inglês em tempo recorde. EXPERIMENTE AGORA
3 respostas
  Verificado por especialistas
3 28
A palavra "goodness" vem do Old English "godnes", sendo a palavra escrita gōd (com um longo "o"), e tem como sinônimos: virtude ou bondade.

Entre diversos exemplos, posso destacar as seguintes expressões surgidas no Middle English:
"Good Friday" (Sexta-feira Santa),
"Good Book" (Bíblia),
"For goodness sake" (como tu acreditas na bondade divina)

Uma curiosidade é que as pessoas tendem a traduzir "Good", nestes casos, como se fosse apenas e exclusivamente como sinônimo de "bom", mas seu significado está mais próximo de "Deus" ou "Divino".

De forma geral, os protestantes americanos não costumam usar o nome de Deus em vão para seguir os preceitos bíblicos.

Assim, como forma de expressar espanto, surpresa, por exemplo, evita-se usar a expressão: "Oh my God!"
De forma substituta, eles passaram a usar "Oh my goodness!" ou "Oh my Gosh!", entre outras.

Espero ter esclarecido.
ENTENDENDO AS HORAS EM INGLÊS
Nesta aula, a professora Camila Oliveira ensina vários macetes para você nunca mais se confundir na hora de dizer as horas em inglês. ACESSAR AULA
Explicadíssimo! Muito obrigado. Perfeito.
3 28 420
Apenas complementando... Como já sugerido, trata-se de um eufemismo para Deus, cuja história, de certo, se confunde com a própria história das religiões cristãs, ou seja, é algo milenar! O maior dramaturgo da língua inglesa - William Shakespeare, há cinco séculos, já lançava mão dessa figura de linguagem para expressar surpresa ou aborrecimento.